archive-br.com » BR » A » ADONLINE.COM.BR

Total: 824

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • adBlog | De quem é a cidade? - por:Tadeu Viapiana
    transporte individual em detrimento do transporte coletivo Devia ser o contrário Mas o que já é ruim ainda pode piorar Leio que nos próximos anos a indústria automobilística pretende investir mais de R 60 bilhões em aumento da capacidade de produção A ANFAVEA entidade que representa o setor diz que o nível de motorização baixo transforma o Brasil num dos mercados mais promissores do mundo Enquanto que na Europa a relação é de 1 veículo para cada 1 7 habitante e nos Estados Unidos é 1 1 no Brasil é de 1 para cada 6 habitantes Teríamos portanto um grande espaço de crescimento ESP 16 09 12 Ter um carro é um dos primeiros sonhos de consumo de muita gente No Brasil talvez mais do que em outros países o automóvel é símbolo de status social Quando comprei meu primeiro veículo uma moto senti como era bom não depender do transporte coletivo Naquela época Porto Alegre tinha um dos piores sistemas de transporte público do país os ônibus eram poucos sujos e demorados Mudou muito nos últimos 30 anos mas a liberdade e a autonomia que o carro nos traz é muito maior O problema é que a infraestrutura urbana de transportes das nossas cidades ruas avenidas e estacionamentos não comporta nem mesmo a frota atual quem dirá a futura Como é ingenuidade pensar que as pessoas vão parar de comprar carros novos ou que o governo vai desincentivar a indústria automobilística é preciso pensar em alternativas Os especialistas apresentam várias sugestões melhorar a infraestrutura para o transporte público vias mais amplas aumento da frota integração das linhas BRTs e metrôs nas cidades maiores Mas além da escolha de boas soluções técnicas é preciso uma providência mais ampla gerar uma cadeia de incentivos para que o consumidor valorize o transporte

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=425 (2016-02-18)
    Open archived version from archive


  • adBlog | O novo eleitor - por:Tadeu Viapiana
    o novo eleitor brasileiro Ele o faz é claro no contexto das eleições para a capital paulista neste momento liderada por Celso Russomano um candidato outsider de um pequeno partido o PRB Russomano construiu sua imagem como defensor dos direitos dos consumidores em programas de rádio e televisão Hoje a novidade vem da emergência da classe C diz o professor que representa uma nova figura social Na agenda desse eleitor consumidor ocupa lugar central os aspectos relacionados com o funcionamento da cidade Nas cidades já construídas como São Paulo interessa pouco a expansão mas a quantidade e a qualidade dos serviços públicos que a população precisa utilizar como transporte público o trânsito a saúde e a educação Se esse é o verdadeiro interesse do eleitor conforme demonstram as pesquisas o partido e a ideologia se tornam meros ornamentos Quem resolver esse tipo de problema afirma o professor Fausto não precisa ser de direita ou de esquerda Basta ter experiência e competência Aliás diz as tinturas políticas também estão se diluindo esse é outro dado do nosso tempo Para o professor os brasileiros perceberam que o voto direito não resolve tudo como lhes foi prometido lá atrás na redemocratização Por isso o eleitor sabe que as mudanças são incrementais que são na verdade melhorias daquilo que já existe Está mais esperto e não se deixa mais facilmente enganar com promessas É claro que cada cidade tem as suas peculiaridades No entanto penso que o insight do professor Fausto extrapola a eleição de São Paulo É o que mostram as pesquisas feitas em várias capitais do pais Em todos os lugares o eleitor vota no candidato não dá nenhuma importância para os partidos e quer respostas concretas para os problemas da cidade sem se importar com a ideologia dos candidatos Tal lógica

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=422 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Horário eleitoral gratuito: prós e contras - por:Tadeu Viapiana
    desta lei já foram repassados aos partidos políticos aproximadamente RS 190 milhões de reais para os 30 partidos políticos que têm direito aos recursos Confira quanto recebeu cada partido no site http www tse jus br transparencia relatorio cnj fundo partidario Ou seja constituir um partido político se tornou um grande negócio pois as agremiações são mantidas em larga medida por recursos públicos provenientes dos impostos que todos nós pagamos No Brasil temos 30 partidos reconhecidos pela Justiça Eleitoral Veja a lista no site http www tse jus br partidos partidos politicos Como se pode ver existem muitos partidos que devem a sua razão de ser apenas aos recursos públicos que recebem não tendo qualquer outro propósito ou ambição Nos anos em que ocorrem as eleições os partidos contam ainda com a ajuda do horário eleitoral gratuito e das doações que conseguem arrecadar de empresas e pessoas físicas Os que o defendem o horário eleitoral no rádio e na televisão argumentam basicamente que esse sistema é democrático e justo pois permite que todos os partidos possam se comunicar com os eleitores que por sua vez mais informados podem melhor decidir o seu voto Os que são contrários argumentam que não é razoável usar dinheiro público para pagar as televisões e os jornais afinal os partidos políticos são entidades privadas e deveriam se manter exclusivamente com os recursos provenientes de seus filiados Além disso como o tempo não é proporcional os grandes partidos sempre ficam com a maior parte do tempo e se tornam mais competitivos O mesmo raciocínio vale também para o chamado fundo partidário Além disso dizem se existe a possibilidade de doações aos partidos por parte de empresas e pessoas físicas não há razão para o uso de recursos públicos Muitas dessas doações são ocultas prejudicando a identificação

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=419 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | O eleitor e a política II - por:Tadeu Viapiana
    para enfrentar a confusão Eu sigo os seguintes passos a procuro prestar atenção no programa do partido ao qual percente o candidato é chato mas é instrutivo Você vai descobrir que poucos são os candidatos que se mostram coerentes e muitos de partidos que se dizem de esquerda defendem bandeiras da direita e vice versa b sempre que possível investigo se em suas falas existe algum indício de que defende que os fins justificam os meios Se você fizer isso vai descobrir com facilidade que muitos deles em nome da igualdade ou de outros valores supostamente generosos defendem políticas que promovem a desigualdade entre as pessoas Não se faz o bem recorrendo ainda que temporariamente ao mal c Investigo se o candidato acredita em valores universais como o bem a liberdade o respeito ou pensa que todos os valores são relativos que dependem da cultura de cada povo ou das necessidades do momento Em geral quem assim pensa conscientemente ou não defende ou justifica os costumes e as práticas mais hediondas até mesmo mutilação de mulheres e homicídios Esses critérios é claro não compõem uma fórmula perfeita para definir o bom ou o mau político No entanto oferecem alguma base para separar aqueles que acreditam que a política pode ter algum conteúdo ético daqueles que a vêem apenas como uma prática um instrumento ou uma técnica como outra qualquer para atingir um objetivo previamente determinado Um vale tudo Sei que é difícil pensar na importância dos valores éticos na política afinal desde Maquiavel passando por todo o racionalismo iluminista esta tem sido vista e incentivada como algo que nada tem a ver em qualquer sentido com a moral A política é cada vez mais um conjunto de práticas divorciadas da moral um mero um jogo que nada tem a ver

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=417 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | O eleitor e a política I - por:Tadeu Viapiana
    de fato um novo eleitor mais pragmático e muito mais realista em relação ao que espera do prefeito e da política Talvez seja esboço do tal voto pós renda do qual falam os cientistas políticos Alguns mitos estão vindo por terra e aparentemente outros estão aparecendo O eleitor quer que o prefeito governe para toda a cidade Não divide mais o ambiente urbano em centro e bairro ou rico e pobre como fazia até o passado recente Percebeu que essas dicotomias são falsas Quer agora que o prefeito olhe para todas as áreas e para todos os cidadãos Compreende que áreas como saúde devem merecer maior atenção mas nem por isso acredita que a limpeza das ruas ou um trânsito ordenado não sejam importantes Aprova políticas sociais que atendam às suas necessidades básicas mas quer viver numa cidade bonita limpa e funcional O eleitor quer soluções concretas e objetivas Sabe que é muito mais eficaz fazer as mudanças de forma incremental gradativamente melhorando o que já vem sendo feito Realista tem consciência de que as grandes transformações cabem apenas nas cartilhas ideológicas constata que na vida real mudar significa fazer um pouquinho mais e melhor Essa percepção reduz drasticamente o espaço para a demagogia e as promessas fáceis E impõe a necessidade dos candidatos descreverem claramente suas propostas Não vale mais o lugar comum O eleitor quer um administrador não um político As pesquisas mostram que os partidos políticos têm pequena ou nenhuma importância na escolha do candidato em quem votar Mais do que uma suposta despolitização a constatação tem duas explicações possíveis o eleitor percebeu que existem bons e maus administradores em todos os partidos quando fazem coligações sem nenhum critério político ideológico ou administrativo os partidos deixam o eleitor sem orientação Ele então faz o serviço por conta

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=415 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | As dores do crescimento - por:Tadeu Viapiana
    e Claro A Oi tem 18 7 a vivo 29 6 a Tim 26 9 e a Claro 24 6 Não é um número grande de empresas mas não se pode dizer que inexiste concorrência Aliás fruto de planos de vendas cada vez mais ousados o custo da ligação está inegavelmente num preço bastante baixo E o consumidor tem a opção principalmente depois da regra da portabilidade de facilmente trocar de operadora Então como se explica a crise que vive o setor principalmente a quantidade enorme de queixas dos consumidores com a qualidade dos serviços Na semana passada várias operadoras foram proibidas de vender novos chips até apresentarem planos para resolver problemas na prestação dos serviços principalmente queda das linhas As punições tiveram como motivação decisões do Tribunal de Contas da União que motivaram providências da ANATEL O TCU vem exigindo faz tempo que seja conferido mais peso aos indicadores de atendimento na fórmula usada pela ANATEL para avaliar a qualidade dos serviços Se a ANATEL não tomasse providências poderia ser ela própria também punida O fato é que com a punição aplicada às operadoras veio à tona alguns indicadores que mostram a situação crítica dos serviços de telefonia A razão de tudo é uma grande defasagem entre o crescimento acelerado da venda de telefones celulares e acesso à internet móvel e a infraestrutura do sistema Embora as operadoras reclamem que as prefeituras dificultam a instalação de antenas o fato é que o Brasil ostenta uma média de celulares por antena muito acima da média dos países desenvolvidos No Brasil existem 4 6 mil telefones celulares por antena enquanto nos EUA são 1 mil na Espanha 460 e no Japão 400 Sobrecarregadas as antenas não conseguem garantir sinal com qualidade As linhas ou a internet simplesmente caem A situação tornou

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=412 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Tadeu Viapiana
    os bancos mais modernos e eficientes do mundo Principalmente os bancos privados A condição diferenciada dos bancos brasileiros estaria ligada aos tempos da inflação alta nos quais a organização e a eficiência nas operações bancárias era fundamental Um pequeno erro poderia se transformar numa grande tragédia Hoje alguns estudos mostram que a Continuar lendo 0 comentário s Juros baixos precisam chegar ao consumidor de baixa renda 02 06 2012 Depois de reduzir a taxa Selic a queda das taxas de juros precisa chegar até o dia a dia do consumidor Quem compra uma geladeira a prazo continuar pagando 500 de juros ao ano No grande varejo o juro alto ainda continua massacrando o consumidor de baixa renda aquele que mais depende do financiamento de médio e longo prazo O mesmo acontece Continuar lendo 0 comentário s Finalmente a queda dos juros 25 06 2012 O brasileiro se acostumou a pagar juros altos Durante muito tempo estivemos entre os países com maiores taxas de juros do mundo Essa realidade começou a mudar no segundo trimestre de 2012 Ainda estamos longe do ideal mas a queda contínua dos juros é sem dúvida uma notícia promissora Quando abriu a guerra contra os juros altos o governo federal acusou Continuar lendo 0 comentário s Competitividade da economia brasileira 18 06 2012 O Brasil está em 46 lugar no Índice de Competitividade Mundial 2012 Caímos duas posições O índice é elaborado pelo International Institute for Management Development IMD uma escola suiça de negócios sem fins lucrativos O ranking leva em conta o comportamento do PIB taxa de juros inflação e os resultados de uma pesquisa feita com executivos que trabalham no país Ele Continuar lendo 0 comentário s Desenvolvimento a armadilha do curto prazo 11 06 2012 Para entender a intervenção governamental no processo de

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/index.asp?blog=6&pagina=5 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Quanto vale a marca de Porto Alegre? - por:Lucio Pacheco
    a marca de Porto Alegre 10 09 2013 Estado de São Paulo 29 08 2013 Superbrands Se a marca da cidade São Paulo vale 233 5 bilhões numa avaliação feita para Superbrand empresa inglesa que faz estudos de valoração de brand quanto valeria a de Porto Alegre sétima colocada em valor Antes de Porto Alegre tem seis cidades brasileiras cujas marcas têm um valor monetário maior como mostra o gráfico preparado pela consultoria Neste trabalho ela pesquisou 18 100 pessoas em 40 cidades em todo o Brasil A definição do valor da marca de uma cidade é uma conjunção entre a sua infra estrutura e elementos econômicos ligados ao bem estar dos cidadãos IBGE e outras fontes de estudos Quanto maior for o valor da marca mais ela pode alavancar negócios Ou seja o valor da marca representa a capacidade dessa alavancagem comercial Recentemente tive a oportunidade de participar do planejamento da nova marca turística de Garibaldi na serra gaúcha Os estudos conduzidos pela Secretaria de Comunicação da cidade através de recursos internos e externos em termos de consultoria foi feita by the book Zon Design e Prisma Consultoria empresas conceituadas na área de design estratégico e marketing de turismo respectivamente ajudaram a identificar todos os pontos de contato da marca capazes de gerar valor simbólico e impactar o seu valor comercial Se a cidade seguir o marketing planejado pela secretária Ivane Fávea certamente na próxima Fenachamp a marca já valerá muito mais do que hoje A ideia é que este estudo sirva como base para uma gestão da marca por parte dos municípios Vamos mandar os estudos para estas prefeituras e depois fazer um trabalho mais próximo explica Gilson Nunes CEO da Superbrands no Brasil em entrevista ao jornal o Estado de São Paulo fonte dessa matéria Deixe seu

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=672 (2016-02-18)
    Open archived version from archive