archive-br.com » BR » A » ADONLINE.COM.BR

Total: 824

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • adBlog -O Endomarketing está morto!- Por:Ricardo Salvador
    campanha de redução do uso de papel por exemplo ou mesmo uma campanha de segurança no trabalho O problema é que quase sempre o discurso da empresa é um e na prática é outro As pessoas estão se tornando imunes a mensagens persuasivas e não acreditam mais em propaganda que dizem que um carro tornará as pessoas mais bonitas confiantes e viris É aqui onde entram as conclusões do Oliviero Toscani isso lá em 1995 Elas estão procurando uma interação autêntica e útil com as marcas e mudando a questão de como você pode me ajudar a impressionar os outros para como você pode me ajudar a tornar a minha vida melhor mais fácil ou mais significativa O mesmo exemplo pode ser usado para as mensagens e ações propostas pelo Endomarketing de nada adianta dizer que você é o nosso ativo mais valioso e na prática tratar os funcionários como um mal necessário Assim que começamos a falar sobre a interação de marcas e empresas significativas elevamos o pensamento da Comunicação para o Design Nós vivemos na era da experiência Assim como o Marketing está se adaptando o Endomarketing precisa se adaptar também Segundo Kotler no seu excelente Marketing 3 0 o profissional de marketing precisa identificar as necessidades e desejos dos consumidores para ser capaz de orientar as suas mentes corações e espíritos ou seja as pessoas estão buscando empresas que deem sentido para as suas vidas que proporcionem uma experiência autêntica e única É neste contexto em que entra o Employee Experience EX ou numa tradução literal Experiência do Funcionário A Experiência do Funcionário é composta por inúmeros touchpoints pontos de contato que um colaborador tem com o seu empregador Você pode não acreditar mas o número de interações que um funcionário tem com uma empresa pode passar das centenas o que inclui sistemas internos outros colaboradores gestores ambiente de trabalho equipamentos processos de recrutamento e seleção integração murais informativos intranet e inúmeros outros Cada touchpoint com o funcionário é um momento de verdade em que você pode impactar positivamente ou negativamente o engajamento do colaborador Cada ponto de contato oferece a oportunidade de ser amado ou odiado As empresas estão se esforçando para melhorar o engajamento do funcionário no entanto raramente desenvolvem uma visão mais abrangente sobre o Employee Experience trabalhando melhor cada um dos pontos de contato Muitas vezes a Experiência do Funcionário é inclusive confundida com Employer Branding que são coisas diferentes Está na hora de levar mais a sério a Experiência do Funcionário e pensar em como melhorar e otimizar as centenas de pontos de contato entre o colaborador e a empresa Pode ser desde melhorar a User Experience UX dos sistemas internos da empresa e intranet sistemas complexos dificultam e aborrecem os funcionários até rever os processos de recrutamento e seleção R S pois contratar a pessoa errada por uma falta de alinhamento de perfil sai mais caro para a empresa do que se pensa Esses foram apenas 2 exemplos Agora imagine entender

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/ricardo-salvador-19/747-o-endomarketing-esta-morto.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive


  • adBlog -Design Thinking para quem não é Designer- Por:Ricardo Salvador
    Não importa se você está em um projeto de redesign para uma marca famosa ou rabiscando num guardanapo você não sabe quando a inspiração vai aparecer Não fique em busca constante da inspiração em vez disso mantenha seus olhos abertos para os lugares onde ela pode aparecer Leia materiais bem visuais Muitas vezes um panfleto de supermercado ou mesmo um anúncio numa revista é uma boa fonte de inspiração no entanto outras vezes você precisa ler materiais mais visuais ricos em imagens e ilustrações Visite mais frequentemente sites como o Tumblr ou o Instagram do que o Facebook e o Twitter Brinque e jogue A maioria dos designers brincam não importa se no computador ou por outros meios Não sinta se culpado de jogar meia hora de jogos no computador ou de criar algo com Lego afinal nesses momentos lúdicos muitas ideias aparecem Tenha foco As pistas do que você está procurando estão nos detalhes por isso seja minucioso quando estiver tentando desenvolver uma grande ideia Risque e rabisque Você não tem noção do algo grau de importância e em como pode ajudar a desenvolver uma ideia o simples ato de riscar e rabiscar Isso faz você se libertar de pensar logicamente Desenhar é uma linguagem universal e aberta onde não tem certo ou errado e que pode ajudá lo a desenvolver o seu lado criativo Tente usar mapas mentais e veja o progresso que você fará Não tenha medo de começar do zero O primeiro passo é nunca se apaixonar por uma ideia Não tenha medo de desistir de uma ideia por melhor que ela pareça para você O verdadeiro truque é saber o que é bom para apresentar para todos e o que é lixo puro Tweet Comentários Blogueiro Ricardo Salvador ricardo criativia com br Publicitário e Designer

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/ricardo-salvador-19/746-design-thinking-para-quem-nao-e-designer.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -Fifa. O fim de um encontro às escuras.- Por:Luiz Henrique Rosa
    Não satisfeito foi pensando em novas surpresas duplicação da ponte limpar o riacho Ipiranga limpar o Guaíba Sua imaginação e entusiasmo eram contagiantes e um tanto megalômanos Só que o tempo ia passando e ele que nunca foi muito organizado nem muito afeito a planejamentos financeiros foi realizando tudo de modo perdulário e estabanado Contratou arquitetos decoradores empreiteiros pedreiros e mostrou lhes o caminho do dever Só que ele havia chamado antigos amigos e conhecidos de seus conhecidos para organizar algumas tarefas mais tarde percebeu tratarem se de meros aproveitadores que só pensaram em faturar algum e que só gastaram o seu dinheiro e nada fizeram de construtivo É inegável que ele sofreu uma decepção muito forte ao perceber que familiares e amigos mais chegados discordaram do montante de tempo dinheiro e atenção que ele estava dedicando a esta mulher que ele nem conhecia direito Para sua surpresa todos em sua volta passaram a taxá la de aproveitadora e exploradora e a ele de irresponsável e gastador por jogar tanto dinheiro fora em torno desta visita extemporânea Ele não aceitou bem a crítica O barraco estava formado Ele à medida em que investia neste encontro recebia em sentido contrário uma reação tão ou mais vigorosa de repúdio Seus amigos vizinhos filhos amigos dos filhos empregados formaram um enorme coro que ao invés de torcerem para que ele fosse feliz com sua amada protestavam pelo modo como ele gastava sem critério também pelo atraso do que ele havia prometido como lehgado e sugeriam outros investimentos muito mais interessantes pra todos Como as coisas não andavam no ritmo que ele esperava começou a desconfiar que havia um complô para que seu romance desse errado E logo percebeu que nem mesmo a cama redonda os lençóis a jacuzzi e os controles das luzes

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/luiz-henrique-rosa-15/741-fifa-o-fim-de-um-encontro-as-escuras.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -Em 11 de setembro 2001. Num bunker da Vila Nova.- Por:Luiz Henrique Rosa
    apenas um muro de alvenaria de uns 2m de altura se isso Acima dele nada Na parede só o número do prédio e uma providencial campanhia Na calçada apenas as citadas floreiras rococó sem flores ou plantas Após anunciar me o portão ruidoso abriu se Surpreendi me com um enorme prédio uns 3 andares com um pé direito muito alto em cada andar todo ele abaixo da linha da rua As portas em vidro fumê paredes de granito pesado puxadores de portas desenhados em um dourado queimado emprestavam uma suntuosidade medieval a tudo O rococó das floreiras combinavam com o prédio de paredes grossas e pé direito alto Um legado novo rico ao mau gosto A princípio não entendi o enigmático estúdio de finalização tudo tão secreto discreto subterrâneo Mais adiante quando precisamos de uma fita para gravar nosso trabalho o editor do trabalho nos emprestou uma fita usada deles Bem enquanto ela rebobinava assistimos alguns trabalhos da produtora Ali a verdade veio à superfície Aquela casamata enterrada na Vila Nova na calada da noite produzia filmes para adultos Estávamos ali eu e Marcelo Pires editando o vídeo que apresentaríamos no dia seguinte na cerimônia de apresentação do Marcelo ao mercado gaúcho Ele seria o novo diretor de criação da Upper agencia da qual eu era sócio Estávamos enfurnados com o Siri editor do trabalho e creio que sócio daquilo tudo desde a manhã quando ali pelas 3 4 da tarde meu pai me liga e pergunta se eu estou vendo televisão Peço pra ligar uma que não entrasse o canal Privê e vejo cenas de um filme tipo Duro de Matar Levou menos que a torre para a fichinha cair que filme que nada era a dura realidade do 11 de setembro de 2001 A apresentação do Pirex ao

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/luiz-henrique-rosa-15/673-em-11-de-setembro-2001-num-bunker-da-vila-nova.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -ATENDIMENTO POR CRIATIVOS- Por:Luiz Henrique Rosa
    de uma agência para outra atrás dos bons criadores atrás daqueles que podiam surpreendê los com campanhas memoráveis vendedoras populares e inteligentes Hoje migram atrás de fees menores Os grandes criativos estavam em alta Assim muitos dos bons criativos ascenderam à condição de proprietários Saíram das salas de criação para as salas de reunião Ao se tornarem sócios passaram a se envolver muito mais com o business da propaganda Coisa que para eles antes era secundária afinal eles estavam no negócio da Criatividade O lado ruim é que também se endureceram um pouco Hoje lutam com menos veemência pela integridade de uma ideia Lavam as mãos com mais facilidade do que há alguns anos em troca de uma aprovação rápida Há um desvio de eixo hoje são os clientes que desenham e ditam a propaganda que querem boa ou ruim e as agências e a criatividade funcionam como adjuvantes Facilitadores menores materializando conceitos e ideias gestadas pelos marketeiros dos clientes O resultado é isso que NÃO vemos na tv Tweet Comentários Blogueiro Luiz Henrique Rosa henriquerosa gmail com Publicitário diretor de Criação da Shampoo Estratégias e Ideias também é pós graduado em Mkt e tem Mestrado em Management e Estratégias

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/luiz-henrique-rosa-15/670-atendimento-por-criativos.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -O fim da música de trabalho e a cauda longa do iTunes.- Por:Luiz Henrique Rosa
    fisico digital Oito de cada dez consumidores de música online compraram suas canções através do iTunes O iTunes store é responsável pela quase totalidade das músicas baixadas e pagas da internet brasileira E olha que o iTunes só entrou no Brasil em dezembro de 2011 mas já existe há 10 anos No último trimestre de 2012 a Apple era líder absoluta com 63 do mercado seguida pela Amazon com apenas 22 Inúmeros empresários do setor de serviços de subscrição já estão se habilitando pra se acomodarem por aqui gigates como a Rhapsody que cresceu quase 14 indo para a casa US 241 milhões e passou de 1 5 para 1 8 milhões assinantes sem falar no Spotify e o Pandora ainda não presentes no Brasil Estes números mostram o andar da carruagem nossos hábitos de compra estão mudando As músicas avulsas estão disputando orelha a orelha o mercado com a venda online de discos As pessoas estão pagando pra ter músicas específicas tanto quanto pagavam no passado para ter um álbum completo de um determinado artista que tinha uma ou duas músicas legal e o resto bem Quem nunca ouviu nos programas de auditório os cantores avisarem que iriam tocar a música de trabalho de seu novo disco No fundo era a música que a gravadora acreditava ser a mais main streaming do álbum e por isso investiam nela Pagava se e caro por várias músicas de segunda linha que vinham por assim dizer no pacote Já vivemos num tempo em que músicos e compositores podem abrir mão das gravadoras e das distribuidoras tradicionais que já formaram um cartel da música sem as quais nada acontecia e lançarem seus próprios álbuns ou os menos profícuos podem lançar e vender suas próprias músicas direto na internet quando bem quiserem e seguirem

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/luiz-henrique-rosa-15/666-o-fim-da-musica-de-trabalho-e-a-cauda-longa-do-itunes.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -Lápis com ponta de estilete.- Por:Luiz Henrique Rosa
    que alguém estranhava aquela obsessão eu sem vacilar obtemperava não vou no dicionário ver se empreguei certo a palavra estranha que incorporei agora que provavelmente Walt Disney havia desenhado o primeiro Pato Donald com um assim preciso afiado pontiagudo estiletado como os lápis devem ser Jamais uma obra prima sairia de uma ponta rotunda tosca sem forma Não tenha dúvida verdadeiras obras de arte da pintura da publicidade do cinema das HQ das artes plásticas nasceram da ponta de um lápis afiado Nunca de um computador com uma mesa e uma caneta digital Me poupe E de todas as possibilidades de realizar uma boa ponta para a criação o apontador escolar é a mais ridícula O apontador escolar é econômico demais não quer gastar a madeira quase esconde o grafite põe à mostra o mínimo do veio Não é inspirador É inconcebível o belo nascer de um ferramental mal acabado de um lápis mauricinho todo certinho e econômico Já um lápis apontado com navalha machuca o papel com o seu fio Rasga o branco da folha com precisão e destreza milimétrica tem uma rebeldia uma maldade uma fúria contida ou incontida no grafite agressivo acusador Bem ali estou eu apontando capa lápis pacientemente como o caçador primitivo preparando dardos de madeira para acertar com exatidão alguma ideia selvagem Lápis são flechas envenenadas na mão de caçadores de elite Quem pode afirmar quão inspiradores foram aqueles fios de madeira com grafite no meio Quem pode inocentá los da criatividade que fluia daquelas salas de reunião daquelas folhas de ofício brancas Quantas A4 foram dobradas e levadas para serem decifrados mais tarde e transformados em filmes e comerciais Quantos patos donalds e mickeys não surgiriam mundo afora se mais gente se dedicassem a apontar seus lápis com estilete escrever à caneta no

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/luiz-henrique-rosa-15/579-lapis-com-ponta-de-estilete.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -Muito índio com Poder de Rejeitar, pouco cacique com Poder de Aprovar- Por:Luiz Henrique Rosa
    mais pessoas com poder de veto e voto mas sem poder de aprovar Gente que pode dizer VOLTA mas não pode dizer TOCA Podem gostar desgostar duvidar testar mas não aprovar Gente que participa de todo o processo de desenergizar uma ideia até que ela se torne um eletron livre na última camada do spin A ideia chega cambaleante na mesa de quem realmente tem poder de aprovação Há muita gente com poder de rejeição mas sem poder de aprovação O problema é que estas pessoas sempre exercem o único poder que têm pedem pra refazer pedem pra fazer uma segunda ideia pedem pra experimentar uma coisa que lhes ocorreu geram trabalho bobo geram opções ruins versões sem brilho e sem prazer Trabalho só pelo trabalho Eles ao usarem o poder de veto funcionam como aqueles jogadores do meio campo que só carimbam a bola Pegam dão uma voltinha sobre si mesmos e passam pra trás para um zagueiro que esteja sozinho Não armam jogadas não criam não são agudos só desmancham as jogadas dos outros e aumentam a posse de bola Mas não finalizam porque não têm este privilégio não tem esta qualidade As empresas que vivem da criatividade como é o caso das agências de propaganda por estão perdendo sua importância dentro do negócio de seus clientes um pouco porque têm de executar muito trabalho inútil e por conta disso estão aumentando a mão de obra desqualificada em detrimento da mão de obra iluminada Nas agências de propaganda também tem cada vez mais gente e menos criatividade Muito trabalho pra pouco brilho Fenômeno semelhante ao que já acontece com os clientes Só que estes se socorrem nas agências E estas se socorrem no organograma deixam os que realmente fazem diferença olhando enquanto a manezada bate cabeça É verdade

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/luiz-henrique-rosa-15/512-muito-indio-com-poder-de-rejeitar-pouco-cacique-com-poder-de-aprovar.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive