archive-br.com » BR » A » ADONLINE.COM.BR

Total: 824

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • adBlog -A CRIAÇÃO QUE PASSA PELO EMAIL- Por:Luiz Henrique Rosa
    dos nosso dias Ponto Quanto a isso nem se discute Depois as agências não sabem por que a cada dia seu trabalho é cada vez menos valorizado Não sabem porque os clientes discutem tanto o valor pago às suas agências Não entendem por que eles acham que a agência sempre ganha muito Talvez este pouco valor que as próprias agências dão à sua produção criativa explique por que tantos clientes insistem em cortar ainda mais o percentual de honorários das agências ou de quererem remunerar nos em pacotes com outras áreas ou por FEE e valores fixos independente do número de peças Isso está acontecendo porque o modus operandi das agências só valoriza de fato a criação nos salários Podemos até dizer que na média os criativos talentosos os que estão no topo da pirâmide são muito bem pagos ou então acabam virando sócios mas em tudo o mais a criação está se banalizando se vulgarizando A percepção geral nas agências é que Criação é uma coisa tão fundamental que jamais deveria ser deixada na mão de um leigo de um estagiário de um assistente ou de um generalista sem especialização Mas a apresentação da ideia para o cliente é

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/luiz-henrique-rosa-15/508-a-criacao-que-passa-pelo-email.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -Branding aplicado aos relacionamentos- Por:Luiz Henrique Rosa
    4 Esteja pronto para ser comparado a com outras marcas igualmente atraentes e interessadas no seu amor É preciso entender que assim como uma brand pessoas interagem com outras marcas com outras pessoas com outras situações de consumo nas quais você não tem qualquer controle Os relacionamentos de qualquer tipo entre marcas e seus consumidores ou entre pessoas que se gostam esta sendo permanentemente testado Todos os dias nas ruas na televisão no rádio no trabalho ou no metrô Não há como fugir disso O risco da experimentação é inerente Ou seja a única garantia de fieldade é se você construir um relacionamento sólido RELACIONAMENTO É CONSTRUÇÃO DE LONGO PRAZO 5 Construa o caminho da fidelidade Construir um relacionamento é entregar as coisas que um espera do outro de modo constante e sem stress Não pode parecer um favor ou um sacrifício A Coca Cola promete um determinado sabor uma determinada aparência um padrão e higiene e uma exata textura Ela promete e entrega A dica é se você acertou o caminho do coração dele repita As pessoas sabem o que esperam de cada marca e do seu produto É o cumprimento destas expectativas que garantem a longevidade e o frescor da relação 6 Só faça promessas que você possa cumprir É fundamental saber no que basear a sua proposta de valor Se você tiver que falhar em alguma coisa e você vai falhar tenha bem definida que coisa você não pode falhar de maneira alguma Se tudo o mais desse errado que característica você gostaria de ver associada à sua imagem pessoal Isto precisa ser tão relevante no campo afetivo para que esta pessoa perceba você como a única solução para o que ele busca 7 Comunique ao outro como você quer ser lembrado Fale repita Diga a mesma coisa de modos diferentes Associe novas ideias a sua ideia básica Não deixe de dizer inúmeras vezes o que você está prometendo para aquela pessoa Dê publicidade ao seu posicionamento Posicionamento é o lugar que você vai ocupar no cérebro desta pessoa Um bom posicionamento não pode ser genérico ou demasiadamente subjetivo tem que ser específico e pontual e como já falamos tem que ser relevante para o seu consumidor Tem que de fato fazer diferença pra quem importa Este conceito precisa ser fixado tem que estar associado a você umbilicalmente colado em você Diga por exemplo eu quero ser lembrado por sempre acordar com um sorriso no rosto 8 Talvez eu tenha omitido uma palavra fundamental VERDADE Branding se baseia nisso Amor se alimenta disso Não tem como fazer de conta O que você escolher como a sua promessa de valor precisa ser alicerçada em valores verdadeiros Se você prometer que vai estar ao lado da pessoa nas horas difíceis é bom que você não seja um viajante Você não vai cumprir esta promessa Você não vai conseguir no longo prazo atender a esta expectativa Se você disser vamos rir juntos é bom que você seja engraçado bem humorado

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/luiz-henrique-rosa-15/501-branding-aplicado-aos-relacionamentos.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -Design é administrar a escassez.- Por:Luiz Henrique Rosa
    empresa dele faz e acontece São unânimes em professar o poder do conceito e de suas ferramentas mas quando fazem a reunião com o departamento em questão e o pessoal da agência já chegam avisando Este ano vamos ter uma redução nos nossos investimentos de marketing Devido a alguma dificuldade da hora Vocês vão ter que se virar com a mesma verba do ano passado Talvez um pouco menos Verba é como Tempo é questão de prioridade Então vos digo designers criativos profissionais da área aprendam a administrar a escassez e este terrível cinismo Design é gestão Começa por economizar Você terá um portfólio com soluções minimalistas não por opção mas por falta dela Fazer o quê Tirar de onde Como ser farto se não há fartura Como ser opulento se a economia é de guerra Designer tem que ter espírito japonês saber do pouco fazer muito se não não vai rolar As linhas delgadas e a limpeza são condições necessárias se não não rola Ponha se no lugar de um desainer da indústria automobilística imagine se projetando um automóvel se você não for bom em matemática e administração não conseguirá defender um único projeto inovador Vai ter antes de tudo que provar que economiza material que não gasta mais combustível que protege a camada de ozônio não derrete a calota polar sei lá que não mancha nem solta as tiras Se não não rola O atributo Beleza deve ser o último ou antepenúltimo a ser avaliado Fica lá para ser abordado depois de umas duas horas de reunião Primeiro são tratadas as coisas fundamentais quanto custa quanto economiza isso substitui o quê Quando foi a última vez que você foi chamado espontaneamente para ir fazer um curso interessante de aperfeiçoamento Quando foi que recebeu um méquintoxi mais moderno sem

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/luiz-henrique-rosa-15/491-design-e-administrar-a-escassez.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog - Marco Schuster
    redigem os textos de jornais rádios e tevês nunca tinham tinham máquinas suficientes para o número de jornalistas Assim ninguém tinha a sua máquina mas usava a que estava vaga Mais uma coisa até os anos 1970 elas eram de ferro Não terminei Sempre e continua assim até hoje o jornalista está atrasado Ele precisa do dobro do tempo que lhe dão para escrever um texto O que significa escreva logo E nem todos os redatores eram dactilógrafos Aliás a maioria não era Utilizavam um dedo de cada mão no teclado Eram os dedógrafos Em compensação alguns tinham uma competência invejável Muitos grandes textos do nosso jornalismo foram escritos por dedógrafos Máquinas de ferro com vários usuários pouca manutenção e velhas porque eram caras e a renovação era rara logo se tornavam duras Tinha que ter força nos dedos e braços para fazer a tecla acionar a alavanca da letrinha que imprimia o texto A gente usava tanta força que não tinha LER ou qualquer lesão desse tipo Erro de digitação digo de dactilografia significava retroceder preencher de X para anular o erro e seguir em frente Tudo isso era feito com pressa com força Por isso a gente batia à máquina nossas reportagens E com essa expertise chegamos na informática Minha estreia foi desastrosa porque todas as letras saim dduupplliiccaaddaass nas minhas primeiras digitações Dominei isso Mas ainda não apreendemos a delicadeza do teclado Quando comentei isso com o Julio Ribeiro ele riu e me perguntou Então quer dizer que tu ainda bate uma Engraçadinho ele 30 01 2012 O turismo em Gramado baixou Gramado vive duas semanas de sossego depois do fim do Natal Luz Sete escolas de samba ensaiam para o carnaval mas a liga delas acertou um acordo para o samba terminar pelas 10 da noite A temperatura está agradável chega e passa dos 30 graus durante o dia mas fica abaixo dos 20 na madrugada A cidade lotou em dezembro e início de janeiro mas o comércio ficou um pouco decepcionado Era um turista diferente dizem cautelosamente comerciantes e comerciários temendo usar termos como farofeiros e serem taxados de preconceituosos Os turistas fizeram a alegria dos restaurantes a quilo mas algumas lojas de produtos mais caros e bares não sorriram Quanto custa isso Tantos reais Eu perguntei o preço de um só não da dúzia foi um diálogo áspero vivenciado por alguns lojistas Mesmo depois da explicação que era um produto exclusivo coisa e tal o turista saia da loja aos berros reclamando do preço Numa perfumaria os frascos de hidratante para demonstração que normalmente duram um mês duravam quatro dias Potenciais compradores passavam generosas quantidades do líquido nos braços e iam embora Sem comprar Bares com mesas nas calçadas passaram por situação pior Os visitantes adquiriam a coca cola dois litros gelada no super mercado e sentavam se nas cadeiras dos bares Vinha o garçom Vocês desejam alguma coisa E a resposta Não obrigado já temos o que comer e beber O garçom argumentava Mas essas mesas são para os nossos clientes Sem chance Estão na calçada Se estão na calçada todo mundo pode sentar O garçom ouvia a resposta e se retirava Uma loja de calçados passou por episódios semelhantes O pessoal entrando vendo experimentando pedindo preço e indo embora sem comprar A coisa só melhorou quando começou a liquidação Aí sim as vendas foram ótimas Mas isso já era metade de janeiro Talvez esses novos turistas tenham se mobilizado por uma novela que se passa em Gramado Ou talvez a cidade seja uma sonho de consumo da nova Classe C que melhorou de vida mas não é esbanjadora nem perdulária quanto a velha classe média Se for a segunda hipótese o comércio gramadense pode se preparar para novos tempos 17 01 2012 Griselda no topo da pirâmide Pior é que não achei tão ruim assim a música do Michel Teló Meio chatinha sem novidade mas tem coisa muito pior por aí A sorte dele é que o pessoal do Real Madri fez uma dança em campo Os outros sertanejos universitários que fazem coisas iguais devem estar se mordendo de inveja Ou mandando seus empresários falarem com o empresário do Messi Mas segue a vida Na telenovela de Aguinaldo Silva Fina Estampa a nova classe C é a principal personagem A protagonista Griselda Pereira criou três filhos e virou milionária na loteria Passou para o topo da pirâmide Renato Meirelles do instituto Data Popular diz que a nova Classe C trouxe para o consumo seus valores morais e éticos Pereirão ou Griselda Pereira é honesta exigente trabalhadora e justa Nem com o filho malandro ela pega leve Num capítulo a vilã da antiga classe A virou se para a câmera e conversou diretamente com o telespectador Se não há mais como inovar enredos em novelas de TV o autor decidiu ousar na forma E contar que finalmente a revolução burguesa chegou ao Brasil Assim como os panfletos do século 18 ridicularizavam a aristocracia francesa Aguinaldo Silva ri da brasileira Tereza Cristina é a vilã sem qualidades morais chantageia e deixa se chantagear tem um segredo no passado dinheiro em paraísos fiscais mata e manda matar É também uma vilã escrachada mas incompleta Seus planos de ferir os do bem da nova classe C nunca dão certo Ela só consegue eliminar os do mal Mesmo que seja somente um cozinheiro sabotador de restaurantes Ela é o Dick Vigarista trama Cada segunda feira ela tem um novo plano de eliminar alguém da família de Griselda que fracassa do sábado Vai ver Michel Teló fez a trilha das terezas cristinas reias Eu é que não notei 03 01 2012 As escolas gaúchas de futebol do Tite Tite disse que segue a escola gaúcha de futebol de Ênio Andrade Foi numa entrevista de final de ano na ESPN quando lhe perguntaram sobre a escola gaúcha de futebol Repetiu a ideia para o Zini Pires na ZH de hoje Na TV Tite disse que havia duas escolas de futebol da gaúcho A do capitão Froner e a do seu Ênio Sem qualificar uma como melhor que outra São só dois estilos Eu me filio a do seu Ênio que é Ênio Andrade tricampeão nacional invicto pelo Inter em 1979 campeão brasileiro pelo Grêmio em 81 e campeão brasileiro pelo Coritiba em 1985 Já a escola do Carlos Froner tem como seguidor Luís Felipe Froner era um militar capitão do Exército leopoldense e a reverência de Tite a ele é justa Froner foi um seguidor de Foguinho Osvaldo Rolla e merece ser lembrado mais seguidamente Assim como Teté autor da seguinte frase no tempo em que as bolas de futebol eram de couro Bola é feita de couro Couro vem do boi Boi gosta de grama Portanto a bola tem rolar junto à grama De certa forma Teté era um precursor de Ênio Andrade E estaria tudo bem se não houvesse um paulista comandando os dois primeiros títulos nacionais do futebol gaúcho Rubens Minelli Ele chegou ao Internacional em 1974 substituindo Dino Sani que por sua vez substituiu Daltro Menezes que foi contratado em 1969 vindo do Juventude para evitar o octacampeonato gaúcho do Grêmio Chegou a convite de uma direção que inspirou se no futebol implantado por Foguinho no Grêmio doze anos antes Daltro fez isso foi campeão e bi mas nem todos gostavam O cronista Sérgio Jockymann colorado dizia que o esporte que o Inter jogava não era futebol mas gordobol já que o treinador tinha o tamanho aproximado do Julinho Camargo ou do João Garcia antes do regime Bem Daltro saiu veio Dino Sani também campeão e entrou Minelli O time foi melhorando de qualidade com o tempo e Minelli soube refinar essa qualidade sem perder uma marca essencial lançada em 1969 a briga constante pela bola O resultado foi o bi brasileiro de 75 e 76 Foi embora no ano seguinte A resposta de Tite é boa duas escolas de futebol gaúcho mas talvez não seja completa por não citar o Minelli E o Minelli não é gaúcho embora seja fundamental nas vitórias do nosso futebol Daí que escola gaúcha vira um termo muito frágil 27 12 2011 Drones no jornalismo Decretaram recebi a informação num retuíte não sei o autor o fim mídia social na penúltima semana de 2011 Agora é o drone journalism também chamado unmanned aerial vehicle Drone são aqueles aviõezinhos não tripulados de grande sucesso nas últimas guerras norte americanas Pois deixaram de ser exclusivos das forças armadas seguindo o caminho da internet e o jornalismo vê neles uma boa ferramenta para cobrir eventos que reúnem multidões furiosas e ameaçadoras Nome bom drone é zangão o macho das abelhas São poucos numa colméia não têm ferrão zumbem muito vivem num canto e sua única função é fecundar a abelha rainha Já existe uma sociedade de jornalistas drones acho que dificilmente se utilizará jornalista zangão pois a relação é com os objetos voadores identificáveis não com os insetos nos Estados Unidos preocupada em criar normas éticas e educacionais para o emergente campo do jornalismo drone Aliás tão emergente que o endereço dronejournalism org existe mas ainda é Future home of Professional Society of Drone Journalists PSDJ No início de dezembro Stuart Hughes produtor de World Affairs da BBC postou um texto empolgado com a possibilidades dos drones do jornalismo mas preocupado com as limitações da legislação britânica para o seu uso principalmente em regiões de grande concentrações Se cai um objeto daqueles na cabeça de um manifestante por exemplo tem punição Qual Nos Estados Unidos os drones são considerados perfeitamente legais por Pete Cashmore fundador do site Mashable dedicado a notícias sobre websites e mídia social mas a administração federal de aviação quer discutir em janeiro novas regras para eles Não sei se alguém no Brasil comprou um desses mas muitas imagens das manifestações russas saídas na nossa imprensa foram feitas por eles Nem se planeja comprar Eu concordo com Hughes é um ótimo recurso e deve ser aproveitado Só não acho que precisa uma legislação específica e nova como é mais uma máquina está sujeita a nossos códigos éticos e profissionais E um pouco de bom senso das autoridades aeroviárias para permitir esses voos privados Nada que um debate tranquilo não resolva bem Mas que a discussão seja rápida porque os zangões seguindo a analogia têm um fim triste depois de fecundar a abelha rainha eles perdem os testículos e morrem em seguida 12 09 2011 A nova geração se apresenta no Set Universitário Luiz Cláudio Cunha vai fazer palestra na noite de terça feira 13 no 24 Set Universitário da PUC Vai falar sobre o jornalismo sem papel O Luiz Cláudio tem 40 anos de profissão um cara formado no papel e no caso dele especializado em revista Foi chefe da sucursal da Abril em Porto Alegre nos grandes tempos da Veja anos 70 De certo a palestra vai fazer paralelos entre os dois mundos ainda mais que a conversa é em parceria com outro jornalista egresso do papel Geneton Moraes Deveriam mostrar ao Luiz Cláudio Cunha os trabalhos da mostra competitiva de Publicação Impressa Revista Eu tive a felicidade de receber nove trabalhos concorrentes Nove agradáveis surpresas Produções de alunos da PUC e de universidades do interior do Estado O pessoal sabe escrever o que é básico para uma revista impressa Porque o furo não é mais lugar do papel Ninguém está com o texto pronto mas isso acho que é uma sina que se carrega para o resto da vida Uns precisam ainda praticar bastante Se fizesse uma comparação com pedras preciosas diria que alguns textos precisam ainda de melhor lapidação leads que se repetem no segundo parágrafo aprender melhor o jogo de repetir palavras na mesma frase algum gerúndio impertinente Mas o que eu achei mesmo nos poucos textos com essas características foram pessoas com capacidade de expor ideias clara e ordenadamente Uma ideia em cada frase Para mim esse é o centro de um texto Outra boa notícia a criatividade Assunto novo é difícil Há uns 30 anos ouvi a frase não existem novos assuntos existem maneiras novas de tratar velhos assuntos A maneira como a poluição sonora de Porto Alegre foi tratada numa reportagem me pareceu um exemplo dessa máxima um cego andou pela cidade e através dos sons identificava onde estava E como um som estranho num determinado ambiente perturbou sua orientação O material que vi tinha também revistas inteiras algumas monotemáticas o que exige muito esforço e trabalho para produzir diferentes reportagens atrativas Eles conseguiram Está saindo das faculdades parece uma geração que entende a diferença entre o impresso e o não impresso o tema da palestra de Luiz Cláudio Cunha e Geneton Moraes Uma ótima geração 06 09 2011 A mudez comunicativa de Dado Schneider Dado Schneider ficou meia hora no palco sem dizer uma palavra Inaugurou o modelo de palestra onde o único áudio é música e o conteúdo é transmitido pelas imagens do power point Isso aconteceu há um fim de semana e uma segunda feira foi na quinta feira dia 1 de setembro no ótimo 18 Festival Mundial da Publicidade de Gramado o que é muito tempo em alguns calendários mas nem sempre a pressa ajuda e forma me pareceu tão renovadora que quero registrar Ele subiu ao palco e direto começou a primeira das oito ou nove músicas que serviram de soundtrack da palestra e surgiu o primeiro texto na tela Parecia que o doutor em comunicação tinha voltado aos primórdios das apresentações em slides aliás no início bem no início se dizia diapositivos Naquele tempo muita gente colocava uma frase no slide e lia o que estava escrito Só Tem gente que até hoje segue assim mesmo que não existam mais diapositivos Mas Dado Schneider não estava retornando ao passado embora todas as imagens fossem monocromáticas mas ele não leu nada Enquanto uma tela mostrava os textos outra mostrava o palestrante caminhando gesticulando cantando mas sem microfone a música de fundo E interagindo com a plateia Ela ria da piada escrita E quando apareceu a pergunta Quem está gostando da palestra levanta a mão todo mundo ergueu os braços assoviou e aplaudiu O Corpo fala já dizia Pierre Weil Em 30 minutos de mudez Dado Schneider com corpo música e letra apresentou dúvidas angústias mercado e a si próprio E preparou a plateia para ouvi lo aí sim falar sobre o consumidor por mais 30 minutos com direito a prorrogação autorizada pelo próprio presidente do evento ao vivo Beto Callage Falar não é o mais importante Importante é transmitir a mensagem 14 07 2011 O estranho mundo do futebol Neymar deve receber R 1 5 milhão por ano para anunciar que beber cerveja é uma coisa muito legal Quem está intermediando a negociação entre a cervejaria e o jogador é Ronaldo Nazário que também dizia quando era profissional e enquanto engordava que tomar cerveja era muito legal A nova diretora do FMI Christine Lagarde vai ganhar 467 940 dólares por ano Arredondei para 468 mil pra facilitar a conta calculei o dólar a R 2 00 e cheguei ao total de R 936 mil O FMI é aquela entidade que orienta e quase obriga países a tomar medidas econômicas para sair de ou entrar em crises empresta dinheiro para evitar quebradeiras em geral e no particular Talvez as receitas do FMI nem sempre dêem o melhor resultado para a população mas o cargo que a francesa Lagarde ocupa é muito importante Tanto que ela vai receber 11 a mais que o antecessor Strauss Kahn recebia Bem menos que Neymar deverá ganhar para fazer comercial de cerveja Não deveria ser assim As remunerações deveriam ter alguma relação com a importância das atividades E acho que definir políticas para combater miséria e crises econômicas é muito mais importante que recomendar bebida alcoólica Mas é economia de mercado me dizem é ingenuidade pensar assim Então vou em frente Neymar e Ronaldo apenas lucram num mundo à parte o do futebol A entrevista arrasa quarteirão que Ricardo Teixeira o presidente da CBF que organiza a parte brasileira deste deu à revista Piauí é uma mostra disso Para a repórter Daniela Pinheiro ele disse que poderia qualquer maldade e nada iria acontecer Ele tem poder e contou que silenciou as denúncias da Globo contra ele trocando a hora de um Brasil X Argentina para 19h45min dando prejuízo à emissora porque não pode veicular anúncios no seu horário mais caro Houve indignação generalizada ele nem ligou porque joga as regras do mundo do futebol Um mundo tão independente do nosso que tem justiça própria E por vezes absurda Uma de suas regras pune o crime de opinião Aconteceu com Roberto Siegmann juiz do trabalho no nosso mundo e dirigente do Internacional no mundo do futebol Ele discordou da arbitragem depois de um Gre Nal e foi bastante infeliz mas não prejudicou o espetáculo não tumultuou o jogo nada disso A Federação ou um tribunal especial do futebol gaúcho achou a opinião ofensiva e o proibiu de dar entrevistas sobre futebol Ficou uns dias calado até que estourou uma crise interna no clube e ele falou e assegurou que poderia falar porque a pena era inconstitucional Eu vibrei com a decisão dele enfim aparecia alguém suficientemente corajoso para enfrentar essa norma inaceitável Ameaçaram puni lo novamente Ele não deu mais entrevistas O Internacional está escaldado em 2005 foi ameaçado de ser desclassificado burocraticamente para a segunda divisão porque um associado tinha entrado com processo na Justiça a do nosso mundo que o futebol chama de Justiça Comum contra um erro grosseiro de arbitragem somado a uma grande maracutaia que anulou 11 jogos daquele campeonato Podia citar outros casos mas pra que Não vai mudar nada mesmo E olha que esse é o melhor e mais fascinante esporte que existe A gente paga para ver no campo na TV comprando uniformes artigos com marca do nosso clube produtos que os jogadores e treinadores anunciam e paga pra praticar Quero de volta o futebol ao meu mundo bonito visível discutido na lei Só isso 11 06 2011 As fantásticas reuniões da CooJornal Fui no lançamento do livro sobre o CooJornal na quinta feira Trabalhei lá no seus primeiros anos e de certa forma meus também Não errei no título acima A CooJornal era a cooperativa dos jornalistas o CooJornal era o principal jornal que ela editava O livro e o DVD organizados pela Libretos estão bem legais e resumem a história do jornal e da Cooperativa Mas falta uma coisa as reuniões A CooJornal fazia jornais revistas e boletins para outras cooperativas sindicatos empresas associações e clubes Dali saia o grosso da sua renda A gente se desdobrava entre eles um dia era repórter de agricultura no outro estava lidando com o movimento sindical no seguinte fazia matéria para o jornal do Sesi Tudo pelo objetivo de fazer um jornal melhor que todos que havia em Porto Alegre Todos tinham reunião de pauta discussão entre nós e com os clientes financiadores das publicações Chegou se a 30 delas o que significava em média uma reunião de pauta por dia Mas duas reuniões lideravam o ranking da nossa preferência a do CooJornal e a da CooJornal Nesta segunda se discutia o trabalho da firma Uma vez o colegiado vetou a contratação de um boletim porque o dono da empresa estaria ligado ao governo militar A reunião do jornal costumava reunir quem trabalhava no dia a dia e colaboradores externos Começava com uma análise da edição anterior e se projetava algumas pautas da próxima Mas as principais matérias só se sabia quando o jornal estava impresso Questão de segurança Eram reuniões de três quatro horas quase sempre acaloradíssimas porque era um grupo de pessoas que gostava de confrontar ideias Principalmente quando o assunto era política governo militar oposição e o tipo de jornalismo a ser feito naquela situação São boas lembranças Havia dois marxistas na Coojornal Jorge Polidoro e Marcelo Lopes que não se entendiam Polidoro adorava as expressões salto de qualidade e dialética já o saudoso Marcelo era fã da frase intelectual orgânico Havia um terceiro marxista Nilson Figueiredo diagramador como Polidoro mas discordava dos dois Muita gente dali tinha lido Marx Gramsci sem virarem seus seguidores o que resultava num mosaico de opiniões muito interessante onde o ponto comum era fazer jornalismo de verdade e lutar pela democracia Esse ambiente inspirou a criação de um grupo para debater História claro tentando contestar a historiografia oficial Pelo menos dois historiadores participaram dessas reuniões Décio Freitas recém chegado do exílio e o iniciante Mário Maestri Mas o sonho mesmo era um semanário a gente fez um mural brincando com isso chamado Enfim um semanário que finalmente circulou no início dos anos 1980 Deveria ser O Rio Grande e ficou conhecido assim mas o nome era maior porque em Rio Grande já tinha um jornal com esse nome Circulou um ano mais ou menos Se ressurgisse das cinzas a CooJornal faria sites para terceiros e teria o seu com vídeos podcasts twitter etc Não haveria pressão de governos contra acho que não teria grande chance de viabilidade financeira mas será que haveria tanta reunião e debates internos 16 05 2011 Por um punhado de terra Estava até agora 11h pra quem chegou mais tarde mexendo nas minhas terras São muitas Só no canteiro triangular do meu pátio tem uns três metros quadrados Junte a isso mais alguns vasos e dá para imaginar o quanto eu tenho de trabalho para manter tudo isso em dia Não é por falta de assunto nesta segunda feira após conquistar o segundo lugar do campeonato gaúcho que falo de minhas terras Assunto tem 1 finalmente vai começar a temporada de futebol no Brasil no próximo final de semana 2 dirigentes municipais do PT gaúcho reclamam de não serem utilizados pelo governo estadual 3 crises das oposições brasileiras 4 Ministro Chefe da Casa Civil multiplica por 20 seu patrimônio em quatro anos graças ao trabalho numa empresa de assessoria 5 municipários fazem greve de 24 horas 6 Antônio Fagundes vai beijar Camila Pitanga É que enfiar mãos na terra úmida no início de semana provoca boas sensações Plantei uma costela de Adão que a Ana Lúcia há anos procurava provisoriamente num balde de plástico Uma vez uma botânica me assegurou para minha surpresa que as plantas adoram os vasos plásticos Esteticamente prefiro os de barro Boas sensações trazem esperanças Por exemplo que o Inter e seus torcedores se convençam que têm um time excelente e não precisa de reforços E que o Grêmio faça algum anúncio importante e positivo ainda hoje De preferência ao meio dia Enquanto escrevo minha mulher continua tratando das nossas terras O noticiário político de nossos dois principais jornais está muito interessante O Correio do Povo abordou domingo uma crise na oposição gaúcha e hoje a resposta do PP aos ataques proferidos por PMDB e PSDB Já a ZH fala de um levante interno do PT contra as nomeações do governo do Estado Alguns e mails ameaçam que a militância não fará campanha na próxima eleição São duas matérias distintas tratando das consequências da mesma agenda ainda não temos meio ano de governos federal e estadual e todos os partidos já estão se mexendo para eleger prefeitos e vereadores no ano que vem Porém sábado 14 de maio completaram se nove anos da morte de José Lutzenberger Houve homenagem na Feira Ecológica em frente à Redenção nossos jornais registraram É um assunto tratado com leveza assim como eu mexo com terras do meu pátio esporadicamente Talvez o instinto tenha me levado a isso pois essa é uma semana ecológica Apesar de ser tratada com leveza quando se fala de Lutzenberger ou como um sonho de futuro Ecologia envolve um jogo pesado taí a discussão do Código Florestal São raras as matérias e explicações detalhadas e simples sobre o que mesmo está em debate A maioria vem acompanhada de adjetivos e muitas vezes ofensas a opositores Como se a política brasileira estivesse restrita a disputas eleitorais a cada dois anos Acho que os ecologistas deveriam enviar ao Congresso um vaso terra e uma muda a cada deputado e senador E fazê los plantar essas mudas antes da votação 06 05 2011 Ifigênia morreu pela pátria Se você gosta de Pink Floyd se interessa pela vida ou acha que teatro é bom passatempo ou tudo junto faça o que eu fiz ontem e vá ao Theatro São Pedro assistir a Ifigênia em Áulis Agamenon É uma história escrita por Eurípedes há uns 2 400 anos e o tema é o seguinte a frota grega mil navios está em Áulis mas não consegue zarpar para Troia por falta de ventos Então um oráculo revela que a deusa Ártemis exige que Agamenon comandante desse exército mate sua filha Ifigênia para que haja ventos e os gregos partam em busca de Helena A gente entra no teatro e já há um elenco no palco silencioso se movendo como se o diretor Luciano Alabarse nos alertasse que as coisas já começaram estão acontecendo Então toca a campainha baixa o som apagam se as luzes e a tensão vai aumentar A intenção de Luciano é mostrar a atualidade do tema A trilha sonora marcante são as músicas do Pink Floyd álbuns Final Cut The Wall feitas por Roger Waters para retratar os efeitos das guerras do século 20 No discurso de adeus passada a rebeldia e decepção com o pai Ifigênia declara Eis me aqui meu pai dou espontaneamente minha vida por nossa pátria Se depender de minha morte apenas gregos sereis felizes e colhereis a vitória e voltareis à pátria cobertos de glória Deixo a vida para entrar na história é a frase de Getúlio Vargas Mas não eu tinha nem um ano quando foi escrita Já o verso proibido em 1968 nos quartéis lhe ensinam a antiga lição de morrer pela pátria e viver sem razão eu ouvi É o guerreiro Aquiles num diálogo que revela o segredo por trás dessas frases o objetivo real da guerra é saquear Troia Toda aquela conversa de resgate da honra e tal era apenas recurso discursivo A disputa é sempre por poder Acho que Alabarse acertou ao fazer esta relação entre a música de Pink Floyd e o texto de Eurípedes para mostrar como alguns discursos se mantêm para legitimar guerras Quando não é um oráculo a interpretar mensagens divinas é um estrategista a interpretar telegramas fotos infravermelhas relatos de agentes secretos etc Agamenon teve seu momento de dúvida recebeu solidariedade do irmão Menelau o marido de Helena mas concluiu que não poderia recuar porque todo o exército riria dele A razão de estado era superior ao amor paterno Também não chega a matar a filha pois corpo dela desaparece segundos antes do golpe e misteriosamente substituído por uma corça O corpo de Bin Laden um filho da CIA também sumiu acréscimo duas horas depois Bin Laden não era um inocente como Ifigênia A única semelhança que quis falar foi sobre o sumiço do corpo Até porque Ifigênia era uma repetidora de um discurso Bin Laden era um formulador de discurso belicoso E Obama faz o que a CIA queria que o presidente dos Estados Unidos fizesse frustrando muitas esperanças de que ele seria muito diferente do antecessor Bush Razões de Estado Ifigênia em Áulis fica até domingo dia 8 no Teatro São Pedro e tem segunda temporada no Teatro Renascença de 13 de maio a 12 de junho às sextas sábados e domingos Não perde É muito mais que um passatempo 25 04 2011 Isso vai dar certo Algumas lojas de Gramado não são destinadas a turistas fecham às 11h30min e reabrem às 13h30min não abrem sábados à tarde e aos domingos Foi numa dessas que eu e minha mulher entramos para comprar aveia azeitona e coisas do gênero Mas como era época de Páscoa havia também um simpático coelho de fazenda que imediatamente associei aos da Feira de Artesanato local Erro quando chegamos em casa verficamos a etiqueta made in China os da feira eram gramadenses É um pouco engraçado descobrir que a gente importa até artesanato e com preços bons na hora da compra mas também é meio triste Nem preciso citar a lista de importados chineses Até aquele abrigo que o Fidel Castro usa agora depois que abandonou a farda militar é de lá A não ser que seja uma pirataria cubana mas se fosse acho que a dona da marca já teria protestado Algo está errado ou vai dar errado diz minha sociologia de botequim e parece certa até aparecer um sociólogo de verdade e dizer o contrário desde que não seja chinês Importar um guerreiro de terracota tá certo mas um coelhinho de pano 20 04 2011 Baixou o cronista esportivo Comecei como jornalista esportivo e se tivesse chegado ao colunismo hoje trataria da vitória do Real Madri contra o Barcelona 1 a 0 gol de Cristiano Ronaldo aos 12 minutos da prorrogação nesta quarta feira 20 04 Só porque acho que a extraordinária estratégia do José Mourinho o técnico do Real Madri merecia ser olhada com carinho pelo futebol brasileiro Ele colocou todo o seu time marcando lá na frente o que de cara impediu que o Barcelona iniciasse sua jogada característica na saída com o goleiro os zagueiros abrem para as laterais e são eles que saem com a bola empurrando o seu time para a frente e o adversário para trás Marcados não conseguiam avançar e não conseguiam passar a bola porque havia uma linha de quatro ou cinco jogadores do Real e em seguida outra de quatro jogadores Faltou espaço para a velocidade de Messi e de todo o Barcelona Mas até hoje ninguém conseguiu e ainda não consegue jogar assim 90 minutos No segundo tempo o Real Madri manteve a mesma postura mas no seu campo e também correu menos Fui suficiente para suportar a pressão do Barcelona Quando eu era repórter esportivo havia uma enorme crítica a muitos times do interior do estado que se comportavam assim oito ou nove se defendendo um centroavante isolado Eram chamados de retranqueiros Na maioria dos jogos com a dupla Gre Nal perdiam por 1 a 0 mas às vezes conseguiam empatar e até ganhar Hoje esta postura tem o nome bonito de duas linhas de quatro mas é a mesma velha retranca Só que feita com jogadores de muita qualidade que num contra ataque que encontra Cristiano Ronaldo faz o gol necessário do título Daltro Menezes que treinou o Inter de 1969 a 1972 Ernesto Guedes Francisco Neto Marcos Eugênio Pastelão são alguns desses treinadores pioneiros das duas linhas de quatro que merecem reverência nesse momento e não o xingamento de retranqueiros com que eram tratados nos anos 70 e 80 Pois depois de anos essa estratégia voltou no Gauchão de 2011 e a distância entre dupla Gre Nal e os outros diminuiu com excelentes resultados O Real ganhou porque Mourinho aprendeu mais que o rival Guardiola em cinco meses no primeiro confronto dos dois em novembro deu Barcelona 5 a 0 No segundo empate de 0 a 0 E Mourinho teve que ouvir frases dizendo que seu futebol não era espetáculo Cruyff disse que não treinava futebol mas títulos Ironicamente acertou Mas Mourinho viu que tinha menos jogadores talentosos que Guardiola e olha que esse é muito bom e soube transformar essa desvantagem em vantagem Eu gosto dessas estratégias elas dão graça ao futebol Já sei e a Páscoa Eu recomendo a argentina Patagônia encorpada para a frente fria que se aproxima combina com chocolates até Ou uma daquelas inglesas consistentes Enfim uma cerveja quadrada sorvida lentamente na melhor das companhias para se ter uma boa Páscoa Curtam 19 04 2011 Vou desobedecer civicamente A Assembleia Legislativa gaúcha aprovou verdade aprovou o projeto de lei do deputado Raul Carrion PC do B que obriga tradução de palavras estrangeiras sempre que houver termo equivalente em português Por 26 a 24 Mas há duas emendas uma quase inacreditável é que nomes próprios estão fora não precisarei assinar Marco Antonio Sapateiro da lei É do próprio Carrion A outra emenda não entendi direito do deputado Carlos Gomes PRB determina que todos os órgãos instituições empresas e fundações públicas poderão priorizar na redação de seus documentos oficiais da palavra escrita a utilização da língua portuguesa segundo o site da Assembleia Não priorizavam o uso da lingua portuguesa até agora Eu até fiz uma brincadeira com a proposta achando que era dessas discussões que se estenderiam no tempo e como tem muita coisa importante para tratar na nossa política ficaria de lado Não brinco mais Carrion esclareceu que palavras dicionarizadas não entram na lei Corri para o meu Caldas Aulete digital e lá encontrei mouse Acessório dotado de um ou mais botões us para controlar o cursor na tela de monitor indicando e selecionando opções abrindo arquivos programas etc Que alívio Nada de ratos no meu laptop também tá no dicionário assim como desktop e notebook E mail também está Assim como a arma alemã mauser Mas twitter não Vamos ter que usar chilro mesmo Quer saber que uma coisa Desobediência civil para essa lei vamos continuar vivendo e escrevendo como fizemos até agora 18 04 2011 Alguém aí vai chilrear Vamos tratando de nos adaptar Ouvi no Polêmica desta segunda feira que tem um projeto de lei obrigando jornalistas e publicitários a evitar termos estrangeiros sempre que houver correspondente em português Assim e foi dito no programa em vez de mexermos no mause mexeríamos no rato ou camundongo Nada de e mail mas correio eletrônico site mas sítio ou twitter mas chirlo Talvez gorjeio como preferia Gonçalves Dias na Canção do Exílio Uma vertente do Movimento Modernista ah não vou procurar no Google desculpe no buscado de informações na rede mundial de computadores exatamente qual era a vertente faz tu anos 1930 portanto que também tinha esse nobre desiderato Em vez de futebol ludopédio em vez de chofer que veio do francês chaufeur cinesífero Não deu certo Mas a vida é tentativa Viver é lutar também do Gonçalves Dias Jornalistas e publicitários usam palavras que a maioria entende E certamente todo mundo vai entender quando um computador vier com a informação pressione o botão direito de seu rato Tenha fios ou não E o aparelho terá leitor de Raio Azul e também se comunicará com o televisor através de seus dentes azuis Essa lei vai eliminar uma trabalheira que todo brasileiro passa o de assumir atropofagicamente como queria Oswald de Andrade vai procurar no buscador palavras estrangeiras ver como elas podem ser úteis e usar ao nosso gosto Agora uma comissão de gente que estuda muito vai facilitar Levamos anos transformando shoot em chute e criar o verbo chutar e depois criar o sentido figurado Tudo isso seria evitado se houvesse a lei que dissesse To shoot é atirar portanto use atirar Não haveria chutes nos vestibulares Mal se inventou o twitter e já estamos escrevendo tuitar Agora já sabemos nossa próxima postagem desculpem desculpem mensagem ali será um chilreio ou um gorjeio Quem vai ser o primeiro 22 03 2011 Conversa de barbearia O Salão Joni existe há 40 anos Eram dois amigos o João e o Nilo João não está mais ficou o Nilo chefiando três barbeiros um deles o filho Sílvio que atualmente administra o empreendimento É uma barbearia mesmo Eles não lavam o teu cabelo antes de cortar nem passam gel depois Nem tem água morna e o ar condicionado só liga quando a temperatura estiver perto das extremidades O Salão Joni tem a grande característica dos barbeiros falam assuntos terrenos futebol e política E também curiosidades Nesta terça feira Silvio estava intrigado com a informação que um cara morreu numa explosão de um barril de chope Inclinou o corpo abriu os braços pente numa mão e tesoura na outra ergueu as sobrancelhas Logo o assunto desembocou na facilidade

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/marco-schuster-7/ (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -O caso Harry Quebert e a "direita do Livro"- Por:Marco Schuster
    historieta romântica entre um homem maduro e uma adolescente se transforma numa história complexa com outras histórias em volta Algumas externas ao tema central como a da mãe de Goldman e seus telefonemas engraçadíssimos e a campanha eleitoral de Obama Uma história externa é o relacionamento entre autor e editor Roy Barnaski Você é um romântico acha que o tempo que passa tem um sentido mas o tempo que se passa é o dinheiro que se ganha ou que se perde Sou fervoroso partidário da primeira parte tentando convencer Marcus Goldman de que não havia tempo de fazer mais apurações Ele atazana o autor todo o tempo sugerindo cenas de sexo entre Quebert e Nola Kellergan ou que use ghost writers para cumprir prazo Todo mundo contrata alguém para escrever seus livros hoje em dia Você sabe quem por exemplo nunca recusa minhas equipes Ele não escreve seus próprios livros Claro que não Como espera que ele aguente o ritmo caramba Os leitores não querem saber como ele escreve os livros ou mesmo quem os escreve Tudo que eles querem é todo ano no início do verão ter um novo livro dele para as férias E é o que nós proporcionamos Isso se chama tino comercial Isso se chama enganar o público repliquei Enganar o público Ai ai Goldman você é mesmo um grande tragediógrafo Barnaski calcula tudo com precisão A data de lançamento do novo livro deveria ocorrer quatro semanas antes da eleição porque depois não seria assunto A eleição de Obama é outra história externa que mobiliza Barnaski Segundo meus cálculos ouviremos falar dele incessantemente durante uma semana Uma semana em que o espaço será ocupado exclusivamente por ele É inútil portanto nos comunicarmos com a mídia durante esse período na melhor das hipóteses teríamos direito a uma

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/marco-schuster-7/772-o-caso-harry-quebert-e-a-direita-do-livro.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -O publicitário Luiz Taddeo no mundo de Ellery Queen- Por:Marco Schuster
    mercado publicitário novos Sams Antupits dinâmicos Genaros Andreozzi e outros charmosos Davids Olgyvis moços dispostos a quebrar todas as regras conhecidas da profissão e que às vezes infelizmente acabam é quebrando a própria cara A descrição do ambiente profissional pode ser cáustica mas é escrita brilhantemente O conto todo é assim Uma frase lá do meio Virei de barriga para cima abri os olhos para o escuro e esperei que as ideias fluissem para o meu cérebro Era assim que eu trabalhava em muitas campanhas publicitárias Era a segunda história dele na revista eu nunca tinha ouvido falar dele virei admirador e pensei Deve ter mais coisa não é possível que alguém tão talentoso fique sumido Fui descobrir apelando para o Google mas o buscador não é muito bom em coisas do século passado Ele revela que Taddeo escreveu na década de 80 o livro Improviso para Leila que presidiu um Rotary Club paulista que ganhou algum prêmio do Clube de Criação de São Paulo Também aparece o nome dele numa carta publicada pelo Jornal de Debates de 1947 por sua vez referido num trabalho acadêmico Teria então 19 anos Não sei se é a mesma pessoa A internet é cruel com as histórias simples Mas encontrei o blog Café do Geleia do neto dele Giovanni Taddeo Pedroni que em 29 de agosto de 2012 escreveu O escritor Outro bom texto onde reencontro Luiz Taddeo não como gostaria Agora ele é o corpo vazio de um grande homem numa descrição perfeita e que se aplica a muita gente que conheço e conheci Nem todos esqueceram se dele No site do Rotary um associado chamado Leonardo Vernica chama a agremiação de Clube de Letrados por causa Luiz Taddeo e sua prosa e seus discursos satíricos e irônicos A facilidade com que

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/marco-schuster-7/765-o-publicitario-luiz-taddeo-no-mundo-de-ellery-queen.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -O jornalismo no meio do mercado. Impraticável?- Por:Marco Schuster
    Jorge Furtado Mercado de Notícias propõe um debate sobre a imprensa brasileira É um mercado onde os interesses pecuniários predominam como acreditava Jonson já no século 17 quando a imprensa ainda não tinha um século de vida ou sim é possível fazer jornalismo isto é informar honestamente procurar a verdade não interessa se prejudique um anunciante Ele apresenta cinco casos em que a imprensa não se esforçou o suficiente para mostrar a verdade Acho que podia ter apresentado pelo menos um de bom jornalismo Bastava ter perguntado aos entrevistados Mas ele diz logo no início que sua intenção é falar bem do jornalismo e por isso escolheu 13 jornalistas que admira para dar depoimentos Todos ali de Mino Carta a Cristina Lobo passando por Raimundo Pereira e Renata Lo Prete acham que é possível buscar a verdade mas reconhecem que nem sempre se consegue Para Geneton Moraes a situação de agora é muito parecida com a do início da Era Gutenberg quando proliferavam os libelos e panfletos distribuindo xingamentos e calúnias També havia grupos apenas interessados em divulgar poemas notícias verdadeiras tá eram raríssimos ou propostas revolucionárias Blogs e posts fazem esse trabalho hoje mas agora já existe uma tradição jornalística e essa é uma enorme diferença em relação ao princípio da imprensa O termo mídia aparece no filme mas jornalismo é uma coisa meios de comunicação outra Foi essa a diferença que começou a se firmar no século 19 e parece que se perdeu ou nunca ficou muito clara na prática quem sabe Jorge Furtado é no filme diretor da peça entrevistador dos depoentes repórter stand up tradutor junto com Liziane Kugland do texto original Há cenas da peça com os atores caracterizados e gravadas no Theatro São Pedro com roupas do século de Jonson cenas de bastidores cenas

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/marco-schuster-7/762-o-jornalismo-no-meio-do-mercado-impraticavel.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog -Reportagem de um falso assassino em série- Por:Marco Schuster
    de 2001 Aliás o nome verdadeiro é Sture Bergwall Thomas Quick é uma invenção abandonada em 2002 Depois do primeiro encontro Råstam recolhe tudo o que consegue sobre o caso inclusive uma fita bruta de uma reconstituição de crime Nela Quick aparece tão drogado de benzodiazepina que é difícil entender o que ele diz e não encontrar o local do crime As suspeitas de Hannes sobre a investigação aumentam Na terceira visita Sture Bergwall diz mas eu não cometi nenhum daqueles crimes A frase inédita deixa Råstam atônito e ele decide aprofundar sua pesquisa o que leva sete meses assumir um lado da polêmica e montar um documentário de dois episódios de uma hora cada Fez o bom jornalismo Ele falou com testemunhas revelou provas escondidas denunciou o tratamento psiquiátrico e contestou as fontes oficiais que também tiveram voz no programa O debate reacendeu no país mas agora o resultado seria diferente Conseguiu isso com a metodologia mais simples que existe mas muito eficiente Uma coisa que aprendi durante os anos como jornalista investigativo foi o poder das cronologias analisar em que ordem as coisas aconteceram a fim de evitar qualquer tipo de incongruência certas coisas não podem acontecer ao mesmo tempo e a fim de separar as causas das consequências Dessa maneira descobriu que um dos assassinatos teria acontecido durante a cerimônia de crisma de Sture numa cidade muito longe do local do crime Nem todos tiveram essa paciência A maioria preferiu ficar com as afirmações do réu confesso da promotoria e do advogado de defesa Não é o mehor jornalismo Só que Thomas Quick sabia muito bem com quem estava lidando e soube utilizar se do lado espetáculo da comunicação Sua primeira terapeuta foi Birgitta Rindberg nas décadas de 1970 e 1980 quando ele ainda era apenas uma

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/blog/marco-schuster-7/761-reportagem-de-um-falso-assassino-em-serie.html (2016-02-18)
    Open archived version from archive



  •