archive-br.com » BR » A » ADONLINE.COM.BR

Total: 824

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • adBlog | Ser Beta! - por:Luiz Henrique Rosa
    verdade este conceito de marketing queria que o gestor olhasse para aquelas coisas que são colocadas fora descartadas ou consideradas defeituosas de um novo jeito Lembrava se que a palha de aço o Bombril era a sobra das raspagens que os estaleiros faziam nos cascos dos navios A microfonia considerada um ruído indesejável passou a ser usada pelos roqueiros como técnica Hoje o conceito do seja beta ou pensamento beta defende a ideia muito válida de que é preciso errar tentar e fazer seja la o que for e colocar logo no mercado que se você for rápido na correção do erro você está no jogo Muitas startups baseiam se nessa premissa vamos tentar se der errado a gente corrige e faz outro teremos aprendido algo que nos fará melhor Ok É um conceito muito legal e updated porém preciso colocar uns corolários nele Há betas e betas Há momentos atividades e produtos beta Um médico não pode ser beta nunca Um publicitário não é procurado por sua capacidade de aprender com os erros mas de devolver resultados para cada tostão investido Um cirurgião plástico precisa controlar suas experiências beta ou terá sua carteira cassada Somos tão mais profissionais quanto maior for a nossa capacidade de acertar a martelada no prego e não no dedo E não pela nossa destreza em oferecer o pensamento beta para o seu dinheiro ou para a sua cirúrgia Lembre se as versões beta dos programas surgem depois que os engenheiros concordam que todos os problemas que se apresentaram até ali foram contronados Eles acham que o programa está 100 mas admitem que o uso por diferentes usuários em diferentes condições podem provocar novos defeitos inimagináveis Podemos e DEVEMOS TER FASES BETAS e ATIVIDADES BETAS Estar com a mente aberta para assimilar os golpes da

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=785 (2016-02-18)
    Open archived version from archive


  • adBlog | Fifa. O fim de um encontro às escuras. - por:Luiz Henrique Rosa
    realizar uma grande festa em toda a rua para recebê la enfim PIROU NA BATATINHA O pior de tudo é que comunicou isso no mural do seu condomínio e ainda defendeu que todos ganhariam com isso afinal tudo que ele estava preparando para visita de sua amada permaneceria para sempre Seria um legado desta visita Não satisfeito foi pensando em novas surpresas duplicação da ponte limpar o riacho Ipiranga limpar o Guaíba Sua imaginação e entusiasmo eram contagiantes e um tanto megalômanos Só que o tempo ia passando e ele que nunca foi muito organizado nem muito afeito a planejamentos financeiros foi realizando tudo de modo perdulário e estabanado Contratou arquitetos decoradores empreiteiros pedreiros e mostrou lhes o caminho do dever Só que ele havia chamado antigos amigos e conhecidos de seus conhecidos para organizar algumas tarefas mais tarde percebeu tratarem se de meros aproveitadores que só pensaram em faturar algum e que só gastaram o seu dinheiro e nada fizeram de construtivo É inegável que ele sofreu uma decepção muito forte ao perceber que familiares e amigos mais chegados discordaram do montante de tempo dinheiro e atenção que ele estava dedicando a esta mulher que ele nem conhecia direito Para sua surpresa todos em sua volta passaram a taxá la de aproveitadora e exploradora e a ele de irresponsável e gastador por jogar tanto dinheiro fora em torno desta visita extemporânea Ele não aceitou bem a crítica O barraco estava formado Ele à medida em que investia neste encontro recebia em sentido contrário uma reação tão ou mais vigorosa de repúdio Seus amigos vizinhos filhos amigos dos filhos empregados formaram um enorme coro que ao invés de torcerem para que ele fosse feliz com sua amada protestavam pelo modo como ele gastava sem critério também pelo atraso do que

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=741 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Em 11 de setembro 2001. Num bunker da Vila Nova. - por:Luiz Henrique Rosa
    ao glamour da publicidade Cheguei no local havia apenas um muro com umas 4 ou 5 floreiras enormes e uma entrada de garagem enterrada na rua com um portão de ferro enorme e um declive violento já que a inclinação permitia mergulhar se com um caminhão terra adentro Como eu ia dizendo não existia fachada apenas um muro de alvenaria de uns 2m de altura se isso Acima dele nada Na parede só o número do prédio e uma providencial campanhia Na calçada apenas as citadas floreiras rococó sem flores ou plantas Após anunciar me o portão ruidoso abriu se Surpreendi me com um enorme prédio uns 3 andares com um pé direito muito alto em cada andar todo ele abaixo da linha da rua As portas em vidro fumê paredes de granito pesado puxadores de portas desenhados em um dourado queimado emprestavam uma suntuosidade medieval a tudo O rococó das floreiras combinavam com o prédio de paredes grossas e pé direito alto Um legado novo rico ao mau gosto A princípio não entendi o enigmático estúdio de finalização tudo tão secreto discreto subterrâneo Mais adiante quando precisamos de uma fita para gravar nosso trabalho o editor do trabalho nos emprestou uma fita usada deles Bem enquanto ela rebobinava assistimos alguns trabalhos da produtora Ali a verdade veio à superfície Aquela casamata enterrada na Vila Nova na calada da noite produzia filmes para adultos Estávamos ali eu e Marcelo Pires editando o vídeo que apresentaríamos no dia seguinte na cerimônia de apresentação do Marcelo ao mercado gaúcho Ele seria o novo diretor de criação da Upper agencia da qual eu era sócio Estávamos enfurnados com o Siri editor do trabalho e creio que sócio daquilo tudo desde a manhã quando ali pelas 3 4 da tarde meu pai me liga

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=673 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | ATENDIMENTO POR CRIATIVOS - por:Luiz Henrique Rosa
    tempo em que os donos eram quase que majoritariamente profissionais do Atendimento Hoje para se manterem vivos muitos e muitos dos velhos dinossauros abriram as portas da sociedade para os criativos Foi a saída para que eles se envolvessem mais nos processos de manter um cliente na casa e ativo Afinal os clientes sedentos de criatividade estavam migrando de uma agência para outra atrás dos bons criadores atrás daqueles que podiam surpreendê los com campanhas memoráveis vendedoras populares e inteligentes Hoje migram atrás de fees menores Os grandes criativos estavam em alta Assim muitos dos bons criativos ascenderam à condição de proprietários Saíram das salas de criação para as salas de reunião Ao se tornarem sócios passaram a se envolver muito mais com o business da propaganda Coisa que para eles antes era secundária afinal eles estavam no negócio da Criatividade O lado ruim é que também se endureceram um pouco Hoje lutam com menos veemência pela integridade de uma ideia Lavam as mãos com mais facilidade do que há alguns anos em troca de uma aprovação rápida Há um desvio de eixo hoje são os clientes que desenham e ditam a propaganda que querem boa ou ruim e as

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=670 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | O fim da música de trabalho e a cauda longa do iTunes. - por:Luiz Henrique Rosa
    em queda Já as vendas digitais aumentam As novas modalidades de compra de música lojas na web assinaturas de canais streaming e também publicidade patrocinadora de sites de música estão crescendo de modo ensurdecedor 83 de aumento das receitas digitais de um ano para o outro representando mais de 28 do total do mercado fisico digital Oito de cada dez consumidores de música online compraram suas canções através do iTunes O iTunes store é responsável pela quase totalidade das músicas baixadas e pagas da internet brasileira E olha que o iTunes só entrou no Brasil em dezembro de 2011 mas já existe há 10 anos No último trimestre de 2012 a Apple era líder absoluta com 63 do mercado seguida pela Amazon com apenas 22 Inúmeros empresários do setor de serviços de subscrição já estão se habilitando pra se acomodarem por aqui gigates como a Rhapsody que cresceu quase 14 indo para a casa US 241 milhões e passou de 1 5 para 1 8 milhões assinantes sem falar no Spotify e o Pandora ainda não presentes no Brasil Estes números mostram o andar da carruagem nossos hábitos de compra estão mudando As músicas avulsas estão disputando orelha a orelha o mercado com a venda online de discos As pessoas estão pagando pra ter músicas específicas tanto quanto pagavam no passado para ter um álbum completo de um determinado artista que tinha uma ou duas músicas legal e o resto bem Quem nunca ouviu nos programas de auditório os cantores avisarem que iriam tocar a música de trabalho de seu novo disco No fundo era a música que a gravadora acreditava ser a mais main streaming do álbum e por isso investiam nela Pagava se e caro por várias músicas de segunda linha que vinham por assim dizer no pacote

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=666 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Lápis com ponta de estilete. - por:Luiz Henrique Rosa
    as arestas agudas e relaxava afinando e arredondando a ponta rombuda de lápis soltos pelas canecas e porta lápis da agência Sempre da mesma forma tirando lascas laterais de modo a arredondar o pau que se desnudava por debaixo da cor externa e superficial Como um artesão criando eu ia revelando a tês inconfundível do madeira Sempre que alguém estranhava aquela obsessão eu sem vacilar obtemperava não vou no dicionário ver se empreguei certo a palavra estranha que incorporei agora que provavelmente Walt Disney havia desenhado o primeiro Pato Donald com um assim preciso afiado pontiagudo estiletado como os lápis devem ser Jamais uma obra prima sairia de uma ponta rotunda tosca sem forma Não tenha dúvida verdadeiras obras de arte da pintura da publicidade do cinema das HQ das artes plásticas nasceram da ponta de um lápis afiado Nunca de um computador com uma mesa e uma caneta digital Me poupe E de todas as possibilidades de realizar uma boa ponta para a criação o apontador escolar é a mais ridícula O apontador escolar é econômico demais não quer gastar a madeira quase esconde o grafite põe à mostra o mínimo do veio Não é inspirador É inconcebível o belo nascer de um ferramental mal acabado de um lápis mauricinho todo certinho e econômico Já um lápis apontado com navalha machuca o papel com o seu fio Rasga o branco da folha com precisão e destreza milimétrica tem uma rebeldia uma maldade uma fúria contida ou incontida no grafite agressivo acusador Bem ali estou eu apontando capa lápis pacientemente como o caçador primitivo preparando dardos de madeira para acertar com exatidão alguma ideia selvagem Lápis são flechas envenenadas na mão de caçadores de elite Quem pode afirmar quão inspiradores foram aqueles fios de madeira com grafite no meio Quem

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=579 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Muito índio com Poder de Rejeitar, pouco cacique com Poder de Aprovar - por:Luiz Henrique Rosa
    para representá los Os estagiários adoram reuniões assim e os caciques sabem que terão oportunidade mais tarde de consertar quaisquer distorções de encaminhamento então mandam alguém representá los Dentro das empresas h á cada vez mais pessoas com poder de veto e voto mas sem poder de aprovar Gente que pode dizer VOLTA mas não pode dizer TOCA Podem gostar desgostar duvidar testar mas não aprovar Gente que participa de todo o processo de desenergizar uma ideia até que ela se torne um eletron livre na última camada do spin A ideia chega cambaleante na mesa de quem realmente tem poder de aprovação Há muita gente com poder de rejeição mas sem poder de aprovação O problema é que estas pessoas sempre exercem o único poder que têm pedem pra refazer pedem pra fazer uma segunda ideia pedem pra experimentar uma coisa que lhes ocorreu geram trabalho bobo geram opções ruins versões sem brilho e sem prazer Trabalho só pelo trabalho Eles ao usarem o poder de veto funcionam como aqueles jogadores do meio campo que só carimbam a bola Pegam dão uma voltinha sobre si mesmos e passam pra trás para um zagueiro que esteja sozinho Não armam jogadas não criam não são agudos só desmancham as jogadas dos outros e aumentam a posse de bola Mas não finalizam porque não têm este privilégio não tem esta qualidade As empresas que vivem da criatividade como é o caso das agências de propaganda por estão perdendo sua importância dentro do negócio de seus clientes um pouco porque têm de executar muito trabalho inútil e por conta disso estão aumentando a mão de obra desqualificada em detrimento da mão de obra iluminada Nas agências de propaganda também tem cada vez mais gente e menos criatividade Muito trabalho pra pouco brilho Fenômeno

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=512 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | A CRIAÇÃO QUE PASSA PELO EMAIL - por:Luiz Henrique Rosa
    não gostam de sair dos seus casulos para fazer apresentações Acontece que a prática cotidiana somada ao comodismo inconsequente aprimorou um procedimento ainda mais danoso à criatividade campanhas apresentadas por e mail Manda um JPG ou um PDF para o cliente aprovar Feito Tudo rápido moderno tecnológico e sintonizado com a pressa dos nosso dias Ponto Quanto a isso nem se discute Depois as agências não sabem por que a cada dia seu trabalho é cada vez menos valorizado Não sabem porque os clientes discutem tanto o valor pago às suas agências Não entendem por que eles acham que a agência sempre ganha muito Talvez este pouco valor que as próprias agências dão à sua produção criativa explique por que tantos clientes insistem em cortar ainda mais o percentual de honorários das agências ou de quererem remunerar nos em pacotes com outras áreas ou por FEE e valores fixos independente do número de peças Isso está acontecendo porque o modus operandi das agências só valoriza de fato a criação nos salários Podemos até dizer que na média os criativos talentosos os que estão no topo da pirâmide são muito bem pagos ou então acabam virando sócios mas em tudo o mais a criação está se banalizando se vulgarizando A percepção geral nas agências é que Criação é uma coisa tão fundamental que jamais deveria ser deixada na mão de um leigo de um estagiário de um assistente ou de um generalista sem especialização Mas a apresentação da ideia para o cliente é delegada ao e mail não é uma contradição Não é um tiro no pé Deixe seu comentário Nome e mail Comentário Comentários Caio Batista Essa é uma realidade de dificil reversão Creio que não tem volta Por uma comodidade velocidade e redução de custos vivemos a agencia do

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=508 (2016-02-18)
    Open archived version from archive