archive-br.com » BR » A » ADONLINE.COM.BR

Total: 824

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • adBlog | Envolva a sua equipe! - por:Ricardo Salvador
    saem das empresas 14 07 2014 A ameaça do silos organizacionais 03 07 2014 Mapeando a Experiência do Funcionário Página Inicial Blog Ricardo Salvador Envolva a sua equipe 30 01 2014 Experiências do cliente excepcionais requerem funcionários da linha de frente capacitados e motivados Para engajar e motivar a sua equipe para proporcinar uma experiência excepecional ao cliente veja duas dicas importantes Contrate por atitude não por aptidão e então reforce a atitude Para obter um serviço simpático contrate pessoas simpáticas Recrute para a linha de frente pessoas que agem naturalmente Isso pode ser detectado numa dinâmica ou entrevista de grupos Vendo como os candidatos interagem uns com os outros vão ajudá lo a avaliar sua comunicação e suas habilidades em lhe dar com pessoas Concentre se nos objetivos e não nas regras Regras são necessárias mas não vão tão longe Para motivar os funcionários e dar significado para o seu trabalho defina o propósito da sua empresa uma explicação sucinta do que pretende a experiência do cliente num nível emocional já é um bom começo Ao definir expectativas claras e confiar nas pessoas para fazer o seu trabalho elas sentem se valorizadas e capacitadas Elas trabalharão por prazer e

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=716 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | O Marketing e o Design de Serviços - por:Ricardo Salvador
    hoje é bem mais complexa Há inúmeros novos modelos de negócio baseados na colaboração e no compartilhamento Aqueles tradicionais papeis entre a empresa e os clientes foram alterados A nova moeda é a criação de valor através do uso Como um método multidisciplinar a pesquisa em Design se concentra na identificação e na compreensão do comportamento humano focando se no porquê Ao encontrar padrões e fatores chave para a motivação a pesquisa em Design oferece uma alternativa contemporânea e útil para os métodos padronizados do Marketing tradicional Esse é o ponto de partida do Design de Serviços Mas o que é Design de Serviços Se você entrar no Google agora e digitar o que é design de serviços é provável que se confunda ainda mais visto as inúmeras definições dos mais diversos autores Uma das melhores definições pode ser considerada essa retirada do livro This is Service Design Thinking Design de Serviços é sobre escolher os pontos de contato touchpoints mais relevantes para a entrega do serviço e projetar uma experiência do cliente consistente através desses touchpoints Ele procura oportunidades de inserir pontos de contato potencialmente novos e mais eficazes remover os pontos de contato fracos e coordenar a experiência do usuário através dos touchpoints em relação à mensagem da marca e as necessidades dos usuários Através da aplicação do Design de Serviços a experiência de marca se amplia através dos diversos touchpoints da jornada do usuário Design de Serviços é sobre criar experiências perfeitas em todos os canais Durante a fase inicial ou de exploração adquirimos um conhecimento profundo sobre os clientes como suas atitudes seus sentimentos e comportamentos lógicos ou não lógicos relevantes para a proposição de valor para os clientes Esses insights servirão como guia ao longo das fases do design thinking O Design de Serviços é

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=712 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Ricardo Salvador
    as empresas ultrapassaram R 475 bilhões ao ano com gastos em Propaganda No entanto cada vez menos clientes estão confiando nela como fonte de informação para produtos e serviços Nisso tudo o boca a boca tem influenciado em muito quando se trata da reputação dos produtos e serviços Aplicativos como Facebook Foursquare Yelp e Twitter entre outros Continuar lendo 0 comentário s O que é um touchpoint 14 12 2013 Um touchpoint ou ponto de contato é uma parte fundamental do Mapa da Experiência do Cliente e um momento que deve ser mapeado e projetado com muito cuidado A definição mais comum de touchpoint diz que é qualquer ponto de contato entre um cliente e um provedor de serviços No entanto essa definição é muito Continuar lendo 0 comentário s Reescrevendo Roteiros para Novas Experiências no Varejo 29 11 2013 No artigo anterior A Propaganda e a Experiência dos Serviços foi mencionado sobre a importância de que a estratégia do negócio esteja alinhada com a experiência dos serviços para que o que foi anunciado com a propaganda seja de fato executado na hora da verdade Esse é o primeiro passo Lendo o artigo Os Sete Passos para Criar Novas Continuar lendo 0 comentário s A Propaganda e a Experiência dos Serviços 14 11 2013 A função elementar da Propaganda é fazer com que as pessoas tenham consciência de um negócio seja serviço ou produto isso é fato No entanto uma vez que você consegue despertar a atenção de um potencial cliente e ele decide confiar no que foi dito na mensagem publicitária garanta com que a promessa seja cumprida Se a Propaganda é Continuar lendo 0 comentário s Os funcionários e a Experiência do Serviço 05 11 2013 A maior parte das empresas gastam mais tempo e energia tentando conseguir

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/index.asp?blog=19&pagina=3 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adonline - adBlog - Luiz Henrique Rosa
    07 06 2013 Lápis com ponta de estilete 09 05 2013 Muito índio com Poder de Rejeitar pouco cacique com Poder de Aprovar 07 05 2013 A CRIAÇÃO QUE PASSA PELO EMAIL Página Inicial Blog Luiz Henrique Rosa ATENÇÃO Todos os comentários passarão por revisão antes de serem publicados o que poderá retardar a publicação de seu comentário BLOGUEIROS ADONLINE Evandro Dias Gomes Cidade que cresce Ricardo Salvador Projetando uma

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes2.asp?idBlog=785 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | É muito cinismo. - por:Luiz Henrique Rosa
    cinismo puro Esta semana tive uma reunião com um professor universitário que havia assumido a gerência de marketing de uma empresa de pequeno para médio porte mas muito promissora Ele atua a um bom par de anos no mercado A situação é que a empresa segundo ele nunca investiu em marketing antes e agora tinha contratado esse professor para assumir os compromissos e enfrentar os desafios do crescimento Ele tinha carta branca para mexer em tudo inclusive na área de produção produção da fábrica bem entendido se assim julgasse necessário Acontece que já na primeira pergunta a casa começa a ruir Qual o faturamento anual da empresa Ele não sabia responder A segunda Qual a capacidade ociosa idem desconhecia E o Plano de Marketing adivinhem Não temos ainda De cara ficou evidente a sua pouca intimidade com a área financeira com os investimentos corporativos com a liberação de verbas com a cúpula decisória da empresa Uma de suas primeiras providências no cargo estava sendo contratar novas agências de publicidade Isso mesmo NOVAS Ele queria duas ou três agências atendendo suas diversas linhas de produtos queria estimular uma certa concorrência entre as agências Perguntado sobre o valor do investimento em publicidade não sabia dizer sobre qual o volume de trabalho não sabia precisar porque dependeria de uma verba que ele não sabia ainda qual seria mas podia adiantar que seria pouca O professor exigia que a agência realizasse uma reunião por semana operacional uma outra estratégica a cada mês e exigia que a s escolhida s mergulhasse m na linha de produto Enfim ele precisava do envolvimento da agência porque ele era sozinho e precisava que a agência fosse uma extensão do seu departamento de marketing Agora me diga se você acha que ele pretendia pagar por este envolvimento todo o

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=482 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | A maçã no telão - por:Luiz Henrique Rosa
    operacional Mas como sou redator quero arriscar uma tentativa de mostrar o que há neste comportamento que vi se repetir entre os mais variados profissionais com que tive o privilégio de trabalhar Não discuto a importância de uma máquina veloz ninguém discute Desculpe sei que chamar computador de máquina já é brutalizar a sofisticação da tecnologia ainda mais se estivermos falando de um meque Convenhamos é uma heresia Máquina é ferro óleo mangueirinha Máquina é motosserra lava roupas 15kg câmera fotográfica sei lá uma Ferrari Nunca um Macintosh Desculpe O que é preciso aceitar antes de mais nada é que o computador profissional é diferente do computador amador do mesmo modo que o raciocínio de um profissional é diferente do raciocínio de um amador Um sistema operacional mais inteligente mais produtivo mais leve melhor pensado é a própria definição do que é profissionalismo inteligência experiência organização do pensamento simplicidade e conhecimento Uma coisa que já ouvi é que o Mac é o que é por causa da qualidade dos softwares Esqueça Não é nada disso Ou pelo menos nada isolado pode explicar essa idolatria Nada concreto nada tangível pode definir o que faz daquela maçãzinha na tampa um ícone de talento e profissionalismo Não é por aí Prefiro entregar a Steve Jobs o mesmo Oscar que foi recebido por Stephen Spielberg depois de ter dado uma guinada na história do cinema com ET Contatos Imediatos e Indiana Jones pelo conjunto da obra Mac é isso uma história de criatividade Foi sempre um culto à inovação Mac é rebeldia de espírito é risco calculado desenhado e executado à perfeição É como Spielberg conta histórias lindamente E esta analogia com o cinema me remete a um outro fator indissociável da aura dos Macintosh nunca nenhum outro computador atuou tanto em Hollywood Nunca

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=480 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | O deboche dos Nerds - por:Luiz Henrique Rosa
    Vivo cobrou Parecia que eu havia navegado não na web mas na maionese e estavam me cobrando os custos da Pixar e da DreamWorks pelos efeitos especiais que tornaram aquela viagem uma realidade Desconfio que a minha mulher à época encaminhou a papelada para virar ex naquele exato momento graças àquela frescura tecnológica que consumiu além das minhas férias anuais toda a féria de um ano Sei de recursos no feissi e em outros apís que dão até medo de explorar porque podem dar acesso a pessoas mal intencionadas O que faria um serial killer de reputações com a minha time line em mãos Abriria meus links mais secretos e liberaria fotos de infância Ou pior ainda minhas fotos de adulto Sei lá talvez xingasse meus amigos de coisas inomináveis Uma pésuôr nas mãos erradas detonaria de vez com o pouco que resta do meu nome Há medo e desconhecimento por todo o lado E isto só alimenta nosso obscurantismo digital A ignorância é quase sempre uma dádiva O desconhecimento nos libera do sofrimento Prefiro não saber desde quando meu sócio me rouba minha mulher me trai meu especial no banco vai expirar O que o cérebro ignora o coração não sofre Só que não temos como ignorar o olhar de desprezo de um nerd diante de um apedêuta digital Você pergunta com a cara mais inocente na mais boa fé do mundo como eu faço pra instalar isso ele sorri por dentro e o deboche enrustido é o mais corrosivos dos escárnios fala pausadamente feito um papa lendo uma encíclica Clica ali no botão instalar e vê se não dá É revoltante Ele faz parecer óbvio o que certamente estava criptografado e cifrado em tinta invisível diante dos meus olhos Escondido bem ali na minha cara Este mesmo ar

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=476 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | O que seria do cinema sem a pipoca? - por:Luiz Henrique Rosa
    vida ianque antes invejável se desmoralizava o cinema brilhava apresentava um mundo rico com vencedores e também de criatividade Foi também nesta década que surgiriam vários avanços em termos de tecnologia o som efeitos visuais o filme colorido Enquanto a miséria empurrava os americanos para dentro de suas casas e para o consumo de produtos baratos o cinema se apresentava como o lazer mais popular da América Ainda mais ao descobrir a alternativa dos drive ins Parêntesis dizem que o drive in surgiu para atender a necessidade da mãe de Richard Hollingshead que obesa não entrava nas cadeiras do cinema para tanto foram estendidos lençóis na rua e projetados os filmes da capota para que ela pudesse assistir sentadinha dentro do carro A ideia de Richard foi patenteada em maio e inaugurava em 6 de junho de 1933 um novo hábito numa classe média empobrecida afinal que outro lazer alguém poderia ter por apenas US 0 25 Que alternativa poderia ser desfrutada ao mesmo tempo por toda a família Incluindo as barulhentas crianças Sem falar nas matronas que agora podiam se enfiar nem que fosse em um caminhão e ir assistir a um bom filme Fecha parêntesis Os pipoqueiros vendiam com os seus carrinhos diretamente nas janelas dos carros Se por um lado eram um incômodo tamanha a sujeira que produziam por outro foram percebidos pelos proprietários mais perspicazes como uma atividade altamente lucrativa que permitiria um ganho adicional e até reduzir o valor dos ingressos Daí foi tudo uma decorrência natural A dupla cinema pipoca estava consagrada O primeiro combo foi lazer pra toda a família e o petisco que o americano debilitado economicamente conseguia pagar Nos anos 50 os lucros com a venda de pipoca pelos exibidores superavam o da venda de ingressos Hoje a comercialização de guloseimas

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=471 (2016-02-18)
    Open archived version from archive