archive-br.com » BR » A » ADONLINE.COM.BR

Total: 824

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • adBlog | Blurbs - por:Luiz Henrique Rosa
    são aquelas citações curtas solicitadas aos críticos de cinema dos grandes jornais ou a autores ou intelectuais renomados para qualificar uma estreia de hollywood antes mesmo dela estrear Também são blurbs aquelas citações elogiosas que vemos na última capa de certos livros da lista dos 10 mais vendidos da semana Se você reparar vai ver que estas frases de pura rasgação chegam sempre bem antes do lançamento oficial das peças as quais eles se referem Isso me despertou a respeito dos truques e armadilhas da publicidade de nossos dias Os blurbs são uma clara estratégia dos estúdios com o objetivo de disfarçar a propaganda convencional confundindo a com informação de modo a torná la mais palatável É um remédio ruim esmagado no suco de laranja As citações elogiosas aparecem não mais nos espaços de crítica mas nos blogs e sites oficiais nos trailler e nas próprias capas dos livros Mais precisamente na mídia paga E chega com força total na mais tradicional eficiente e venal mídia do mundo moderno a televisão Os comerciais de tevê aditivados pelos blurbs antecipam influenciam e substituem a velha propaganda boca a boca Aquela publicidade lenta e informal dos filmes de hollywood que era passada de ouvido para ouvido e que ajudava a gente a desejar assistir um lançamento e ficar louco pra ver determinado filme muio badalado acabou Ela começava pelas pessoas mais bem informada que nós e vinha vindo de elogio em elogio de ouvido em ouvido de boca em boca até que chegava na gente Uma crítica favorável ainda que paga arrasta mais gente em direção aos pacotes monstro de pipocas e refrigerantes das salas de exibição do que uma propaganda fazendo o auto elogio de sempre Não é à toa que Hollywood gasta uma fortuna com isso Está respondida a nossa

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=460 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Os Egos Obesos. - por:Luiz Henrique Rosa
    badalações comemorações premiações condecorações tudo Não há limites O sobrepeso do ego deixa de ser uma possibilidade e passa a ser uma certeza Precisa ser tratada combatida atacada e se possível até operada Os puxa sacos são como refrigerantes trazem satisfação imediata mas são caloria vazia Só fazem engordar o espírito já roto de tanta auto estima E o ego segue crescendo ganhando tecido adiposo Claro que assim como há os elogios vazios há também o colesterol bom É possível sim ingerir coisas saudáveis Todo ego deveria se alimentar exclusivamente de criatividade orgânica de críticas equilibradas e de elogios grelhados Uma ideia pura quase não precisa de outros temperos e dispensa a maioria dos acompanhamentos Ë a dose diária de nutrientes Uma grande ideia é como um grissini alimenta sem engordar Mas você sabe todo mundo sempre acaba beliscando alguma porcaria E acaba mais cedo ou mais tarde caindo na tentação do aplauso fácil Se rende à claque paga O problema é sempre a incapacidade da moderação Quando um ego chega ao estado de obesidade mórbida cai a qualidade criativa É deprimente ver uma mente que quando jovem era ágil rápida versátil chegar a um estado catatônico Empanturrado de si mesmo o ego roto drena a energia da mente Perde a mobilidade cerebral não responde aos estímulos mais simples A alma pesa e se arrasta de uma reunião para a outra estufada com o próprio sucesso O cara se percebe grande e assume a sua significância O pior é que o criativo se reconhece pelo reconhecimento alheio Vicia se de elogios bajulações prêmios Mastigando compulsivamente seus sucessos como um frango assado numa galeteria Se embriaga de menções honrosas como uísque 12 anos Daí surgem os problemas de relacionamento e de comportamento os distúrbios de humor e até sexuais Resumindo o

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=459 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Difícil de explicar? Oh!! - por:Luiz Henrique Rosa
    perfeita Sábio perguntava Não seria melhor descrevê los através de conceitos simples como macio aveludado fácil de beber agradável etc E com toda a razão finalizava descrevendo aquelas explicações como aéreas e filosóficas Menos é mais não é apenas um axioma do design a frase se encaixa como um pendrive numa entrada USB para descrever sentimentos e sensações subjetivas Aí meu leitor me caiu as fichinha Entendi minha dificuldade em entender certos consultores e planejadores descrevendo suas ideias a respeito da construção de brands conceitos de marca peças interativas sem falar nas Call to Action e outras ações experienciais below the line ou do porque dos virais virarem virais Sei lá talvez eu esteja juntando num mesmo pacote coisas muito diferentes mas acompanhe leitor e entenda o leitmotiv entre os fatos Quando reviro minhas memórias percebo a dificuldade que as pessoas têm em descrever suas relações com as marcas Isso fica muito claro nas pesquisas com grupos de discussão Seus sentimentos em relação a elas são definidos sempre de maneiras simples objetivas pouco filosóficas simplórias até Exatamente como o enólogo sugeria que os especialistas procedessem Por isso muitas vezes recorremos a técnicas investigativas mais psicológicas recortes de imagens associações de palavras personagens metáforas para extrair mais de nossos limitados pesquisados As pessoas comuns expressam sensações e sentimentos de modo simples Ponto É uma inegável característica dos bons profissionais a capacidade de simplificar Dar consistência com exemplos precisos vigorosos cotidianos sem afetação ou rebuscamento Porém os departamentos de planejamento agem exatamente no sentido inverso Complicam o simples Marketeiros experientes fazem como os connaisseurs de vinho Profissionais de marketing publicidade e mesmo do design na ânsia de demonstrarem seu profundo conhecimento adornam com palavras o que deveriam despir Ao invés de descomplicar enroscam o fio da meada De modo que as relações

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=458 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Biografias e Bibliografias - por:Luiz Henrique Rosa
    os ilustradores e os layoutmans lá nos EUA talvez fosse layoutmen mas aqui eram mesmo com a e s no fim Entenda os alto salários eram dos redatores e esta turma do estúdio não tinha nome eram apenas layoutmans sem identidade Até que um dia ali pela década de 60 pra 70 numa agência americana chamada DDB Doyle Dane Bernbach alguém resolveu tirar o banbanbã do departamento de arte e colocar pra trabalhar junto com o redator e ambos definiriam no nascedouro como ficaria o layout do anúncio Pronto surgiram as duplas de criação O diretor permaneceu afinal chamá lo de qualquer outra coisa seria diminuí lo Mas a verdade é que ali começava uma nova era nas agências de propaganda de todo o mundo Dali em diante os D A s começaram a rafear os layouts e encaminhar para o Estúdio Daquele momento em diante uma boa ideia teria que ser surpreendente não apenas no campo das palavras mas também no campo das imagens Os antigos D A s sabiam desenhar muito bem aliás eram os melhores Nasceram da necessidade de casar com maior perfeição texto e imagem Hoje está difícil encontrar quem escreva bem o próprio nome que dirá que ainda desenhe Os profissionais do período Jurassic Art bebiam de outra fonte Conheciam história da arte e admiravam os clássicos Os leiautes clássicos Buscavam harmonias entre as fontes entre as famílias de fontes Elas casavam entre si e se possível nunca se afastavam de determinas famílias como naqueles casamentos arranjados nos séculos 16 e 17 Hoje não há idolatria de qualquer espécie Designers e diretores de arte são iconoclatas por formação Ou melhor por deformação Não veneram porque desconhecem e nem querem conhecer Seria por demais pretencioso esperar que no mundo de hoje os jovens agissem como os

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=457 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | DAs e Designers - por:Luiz Henrique Rosa
    rosto do que iríamos fotografar Ou seja o cara desenhava MESMO Pra deixar bem claro como era esse tempo NÃO HAVIA COMPUTADOR NA AGÊNCIA que dirá photoshop Instrumento de trabalho de criador era máquina de escrever papel lápis e imaginação Para manchar o título de um anúncio usava se uma espécie de transfer chamado Letra7 ou seria LetraSet não me lembro mais Funcionava assim o diretor de arte recebia o texto do redator calculava quantas letras com determinado corpo cabiam no determinado espaço contava as letras de cada palavra já sabendo como ele iria dividir cada linha do título e mandava o boy comprar a cartela com a fonte que ele havia escolhido para aquele anúncio o desenho de cada fonte estava em um catálogo de fontes que era de consulta obrigatória do Departamento de Arte A gente não podia errar A Letrasete era transferida para uma folha duplex letra a letra e sobre este duplex colava se uma singela e transparente folhinha de papel manteiga por cima O overlay servia para receber as anotações dos clientes sobre as alterações referentes ao layout Layouts eram sagrados voltavam das reuniões com assinaturas de aprovação dos clientes e dos atendimentos Bem essas reminiscências realmente não trazem saudades ok lembrar do tempo em que eu tinha cabelos quase me levou às lágrimas Todo este túnel do tempo foi para introduzir o assunto das aproximações e dos afastamentos entre os diretores de arte das agências de propaganda e os designers dos estúdios de design A formação de 70 dos designers do mercado é autodidata entenda se aprenderam olhando lendo os tutoriais do Photoshop copiando os colegas de profissão ou os anuários internacionais Outros 27 aprenderam nas faculdades e escolas técnicas E o restante é oriundo das artes gráficas Sei lá se a proporção é

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=456 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adonline - adBlog - Festival de Gramado 2015
    06 2015 Feevale promove minimadrugadão 12 06 2015 A publicidade em Moçambique 12 06 2015 Todos os documentários do Festival Página Inicial Blog Festival de Gramado 2015 ATENÇÃO Todos os comentários passarão por revisão antes de serem publicados o que poderá retardar a publicação de seu comentário BLOGUEIROS ADONLINE Luiz Henrique Rosa Ser Beta Luciano Vignoli O rolezinho como força política Duda Tajes Se você quer um milagre procure uma

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes2.asp?idBlog=840 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | Mude, mas conserve alguma coisa - por:Festival de Gramado 2015
    a mudar o último desta quinta feira 11 nem tudo muda foi uma ideia predominante Para Rafael Urenha diretor nacional de criação da DPZ uma coisa não muda as pessoas vão continuar falando para pessoas Sérgio Mugnaini d iretor de criação da Loducca nunca mudou sua filosofia criativa Já Flavia Moraes diretora geral de Inovação e Linguagem do Grupo RBS sempre acreditou na imagem como eixo central da mudança Os três apresentaram histórias profissionais e exemplos de como nada permenece igual a vida toda O Festival da Criatividade de Cannes é o exemplo de Urenha Tinha três categorias nos anos 90 hoje tem 20 Eram 10 há seis anos Tem razão Cannes mudou até o nome de festival de publicidade para criatividade O resto está mudando numa velocidade incrível concorda o que gera a má notícia Todo mundo está em pânico Tudo por causa da revolução digital A boa notícia é que as pessoas continuam falando com pessoas Por isso na publicidade conclui a grande inovação vai continuar sendo uma boa ideia E encerrou Se eu pudesse mudava o nome do painel Em vez seja o primeiro a mudar seria mude sempre Boas ideias dependem de criatividade mas ela precisa ser livre acrescenta Sérgio Mugnaini O processo criativo tem que ser o mais aberto possível Citou campanhas em que a ideia criativa foi partilhada por toda agência Simplicidade discutir amplamente uma ideia buscar inovação mas manter o essencial Parem um pouco e pensem bem como vocês pensam a maneira de ser criativos A sua filosofia de criatividade Mas Flávia Moraes questionou o que é mesmo inovação Ela entende que é uma definição difícil Porém mesmo tendo trabalhado anos como publicidade e agora estar numa empresa de mídia mantém se como pessoa do cinema Apresentou um vídeo sobre inovação e o

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=824 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • adBlog | A vez da criatividade - por:Festival de Gramado 2015
    neste 20 Festival Peter Field do Institute of Practitioners in Advertising e por Hans Donner designer da TV Globo falaram no painel TV Aberta O norte americano acredita que existem duas maneiras de vender Uma é a venda imediata que ele chama de linha vermelha a linha azul compara é de construção de marcas isso diz respeito a fazer as pessoas quererem amarem e valorizarem as marcas Cada uma delas tem sua estratégia específica Para o curto prazo campanhas mais racionais como promoções descontos As campanhas de longo prazo servem para reforçar a marca o que permite obter bons preços e engajamento Assim quanto melhor for a marcar melhor será a precificação Não se pode fazer isso contruir uma marca forte no curto prazo Com isso a criatividade tornou se o centro da publicidade Com as diferentes hipóteses a disposição Big Data necessidade de alvo as ofertas oportunas e relevantes como forma de aumentar a eficácia das campanhas e as mídias tradicionais só ela pode utilizar tanta informação com equilíbrio eficiência É a coisa mais iportante para podermos ter para o sucesso de uma marca Exemplo de criatividade é o designer Hans Donner que participou do mesmo painel e contou

    Original URL path: http://www.adonline.com.br/ad2005/blog/coluna_detalhes.asp?idBlog=821 (2016-02-18)
    Open archived version from archive