archive-br.com » BR » R » REVISTAGOOUTSIDE.COM.BR

Total: 475

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    depois que descobriu por conta própria que o mundo sobre duas rodas não tem limites não desgrudou mais da magrela Foi uma grande revelação para mim disse ele que depois de pedalar por toda a Europa decidiu girar pelo resto do mundo E desde outubro de 2014 tem praticamente morado na bike E parece que o cara se diverte mesmo com isso Clique aqui para assistir a um vídeo de 6 segundos sobre as condições de terreno que ele encontrou na divisa entre o Chile e a Argentina Seu projeto Cycle Earth é o registro deste sonho acordado que Daniel vive atualmente Esta galeria de fotos é uma seleção com os melhores registros de sua passagem pelo Deserto do Atacama no Chile em dezembro do ano passado Como seria a minha primeira travessia de bike pelo deserto não sabia muito o que esperar Achei que eu precisaria para levar água suficiente para cumprir 100 km relatou Que viagem Via pannier cc TAGS ATACAMA CICLO VIAGEM VIAGEM Comentários Posts similares Fotos 09 10 15 Existe vida em Marte Um pedal solitário pelo Deserto do Atacama ATACAMA CICLO VIAGEM VIAGEM Fotos 30 09 15 Vida nova Um cara que mudou de vida

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/4282 (2015-10-12)
    Open archived version from archive


  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    Matt quer dizer especialmente seu intuito de preservar a pureza do surf acima de tudo Para muita gente entretanto e em especial a galera mais nova essa ideia não funciona mais o surf agora faz parte do mainstream O atual patrocinador do título do WSL por exemplo é a Samsung E a maior parte das grandes empresas de equipamentos de surf é composta por multinacionais com ações na bolsa PRAIA NO CAMPO Uma das instalações da empresa Wavegarden no País Basco na Espanha Foto Wavegarden O norte americano Nick Woodman que fundou a GoPro porque queria se filmar surfando agora tem US 2 4 bilhões no banco Dê uma volta por Nova York ou Tóquio e tente não notar todas as roupas inspiradas no surf nas vitrines das boutiques fashion O xadrez o cabo de guerra e o frisbee que também tentam se tornar modalidades olímpicas não possuem esse apelo jovem uma das três características chave que o Comitê Organizador das Olimpíadas de Tóquio procura para aceitar alguns dos esportes defendidos pelas 26 federações internacionais que figuravam na lista para serem incluídas nos Jogos de 2020 QUEM É A FAVOR do esporte nos Jogos defende que isso de forma alguma vai destruir o digamos lado zen do surf de raiz A surfista brasileira Silvana Lima por exemplo acha que a emoção de representar o país em uma Olimpíada deve ser algo inesquecível e valeria o sacrifício de adaptar as características do esporte para os moldes do evento Há no entanto um grande problema com a inclusão do surf nos Jogos Olímpicos os surfistas às vezes dão azar Não existe um meio mais imprevisível para o esporte que o oceano principalmente no Japão um país que não é conhecido por produzir o tipo de onda grande que agrada às multidões e que faz a fama de lugares como o Havaí o Taiti ou Fiji Qualquer pessoa que já tenha tido o desprazer de visitar o US Open de Surf em Huntington Beach na Califórnia em um dia de verão com sol de rachar o coco e sem ondas com os surfistas competindo em merrecas de 60 cm varridas pelo vento sabe como o surf profissional pode ser bem chato às vezes A WSL lida com esse tipo de problema técnico abrindo janelas de semanas para a realização das competições em vez de marcar suas provas em uma data específica Nesse caso os surfistas simplesmente esperam que ondas dignas de um campeonato dêem as caras antes de começarem suas performances e mesmo assim nem sempre as ondas chegam e já houve competições realizadas em situações bem aquém das ideais Mas com os cronogramas da TV ao vivo as janelas de espera podem não ser uma opção viável durante uma Olimpíada Fernando Aguerre e a Associação Internacional de Surf pensaram nisso e a solução encontrada para uma possível inconsistência do oceano é o promissor advento da piscina de ondas artificiais Trata se basicamente de uma imensa piscina na qual ondas com boa qualidade

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/4267 (2015-10-12)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    de imagens Então em uma espécie de retribuição a esses dois países devastados pelo terremoto em abril deste ano Andrei e Karina pretendem lançar o livro Dharma com fotos inéditas e carregadas de sentimentos do Nepal e da Índia Pretendem porque o projeto ainda depende do financiamento coletivo cujo objetivo maior é a construção de uma escola no Nepal até fevereiro de 2016 PÁGINAS ABERTAS Belezas e histórias do Nepal e da Índia O livro de 176 páginas também trará textos em inglês e português escritos pelos autores e por colaboradores convidados como a jornalista Andrea Estevam diretora de redação da revista Go Outside e o montanhista Maximo Kausch guia de expedições em alta montanha e que já conquistou 70 picos com mais de 6 mil metros Para saber mais e contribuir com a iniciativa acesse DharmaProject com br e escolha uma cota de apoio E clique AQUI para seguir a página oficial no Facebook TAGS ANDREI POLESSI DHARMA PROJECT ÍNDIA KARINA OLIANI NEPAL Comentários Posts similares Notícias 09 10 15 Resgate na neve No meio da descida snowboarder salva cavalo selvagem emperrado na pista CHILE RESGATE Notícias 05 10 15 Concha na orelha Conheça o som que acontece quando

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/4270 (2015-10-12)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    imediato A angústia nos faz sentir falta das pessoas que gostamos e consequentemente temos vontade de voltar para casa Planos são facilmente frustrados na montanha que é um ambiente indominável Ao invés de esperarmos uma melhor chance por exemplo somos facilmente seduzidos por regressar sem ao menos tentar um ataque ao cume Lembre se de que a montanha é um lugar que exige paciência e você precisa estar aberto a rever seus planos de escalada de acordo com as condições meteorológicas e seu estado físico Um tipo de desistência comum é ocasionado por essas expectativas Há pessoas que cortam caminhos e para resolver isso de uma vez decidem abandonar a montanha Esta solução imediata é algo que chamo de síndrome do retorno imediato cujo principal sintoma é querer eliminar as barreiras que existem entre você e a sua casa O significado de conforto do lar Sua casa é o seu ninho de segurança É lá que você tem tudo o que te faz bem seus entes queridos sua cama seu banheiro Por outro lado a montanha é fria venta demais é solitária e desconfortável Mas é preciso familiarizar se com a montanha e com a sua barraca para se sentir minimamente confortável e abstrair o significado de lar por um tempo É uma tarefa difícil para muita gente mas é um treino mental importante Assim como é importante treinar que sua casa e não a sua barraca é o seu lar Porque quando você voltar à civilização pode viver a síndrome inversa algo que já deixou montanhistas loucos A solidão Já vivi momentos incríveis na montanha quando estava sozinho Esse tempo é importante para reflexão e autoconhecimento Também é comum nos sentirmos sós em uma expedição com outros companheiros Um sintoma comum desta solidão é nostalgia Você sente saudade de coisas do dia a dia só porque não as tem na montanha Responsabilidade Quando integramos uma expedição comercial transferimos toda a responsabilidade para o guia Isso conforta bastante as pessoas que não se preocupam com a parte logística da escalada Por outro lado os guias carregam muita responsabilidade É por isso que expedições na alta montanha devem ser lideradas por pessoas com muita experiência para que eles tenham todas estas questões bem resolvidas e não transfiram a negatividade para seus clientes Em minha experiência como guia noto que isso faz toda a diferença no sucesso de uma expedição A síndrome do herói Montanhismo é uma atividade que desperta o sentimento de heroísmo Mas você não está competindo com ninguém exceto consigo mesmo e o tempo todo Talvez seja por isso que quando chegamos ao topo de uma montanha virgem dizemos que a conquistamos Culturalmente o montanhismo é muito ligado à vitória e à glória e o fracasso é sempre narrado de uma maneira catastrófica No meio empresarial a analogia pode ser benéfica No entanto pessoas frustradas em suas vidas privadas ou profissionais nunca devem querer usar o montanhismo para provar algo a alguém Ninguém é melhor ser humano ou profissional

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/4261 (2015-10-12)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    presente seja para ser criativo explorar viajar ou passar mais tempo com nossos pais Nunca é tarde para mudar TAGS MERELY OBSERVATIONS Comentários Posts similares Viagem 07 10 15 Patagônia revisitada Um coletivo de guias transformou a região do rio Futaleufú em um polo de di CAIAQUE PATAGÔNIA SUSTENTABILIDADE Viagem 07 10 15 Momento de reflexão Enquanto uns casam e têm filhos outros têm que encontrar novas formas de i

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/4279-momento-de-reflexao (2015-10-12)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    Momento de reflexão Enquanto uns casam e têm filhos outros têm que encontrar novas formas de inspiração Continuar lendo MERELY OBSERVATIONS Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session geladaça em uma das regiões mais ao norte do planeta Publicidade

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=MERELY%20OBSERVATIONS (2015-10-12)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    Paine foi em 2013 que também foi a minha primeira vez na Patagônia De cara a energia daquele lugar tomou conta de mim Voltei para casa falando para todos que tinha encontrado o meu lugar no mundo e que portanto voltaria outras vezes Este primeiro contato durou apenas três dias Eu queria mais e e no final de 2014 comecei a planejar o meu retorno que seria diferente da minha primeira vez teria que ser um desafio maior Sonhava em completar o Circuito W um trekking de 71 km de extensão com duração de quatro dias e que passa por bosques lagos e glaciares debaixo de sol neve ou chuva Em março de 2015 lá estava eu novamente parado na entrada do parque com o meu mochilão nas costas carregando 15 kg de roupas equipamentos e um sonho que estava prestes a ser realizado VISUAIS Pequenas recompensas durante a trilha O Circuito W nos desconecta da vida normal nos faz esquecer o cotidiano para que possamos viver momentos com o nosso corpo e mente apenas junto à natureza Todos os dias eu acordava cedo vestia as camadas de roupas conferia os equipamentos e partia rumo ao próximo refúgio Todo o esforço que eu fazia além das dores nas costas e nos pés era recompensado pelas paisagens incríveis da Patagônia Este trekking é intenso para iniciantes no mundo da montanha e em todos os momentos eu também era desafiado por uma mistura de sentimentos No último dia ao entrar no barco que me levaria do refúgio a uma das saídas daquele parque nacional fui tomado por uma adrenalina diferente Naquele dia eu tinha acordado com 29 anos e acabara de ganhar o melhor presente de aniversário até hoje conseguir concluir o sonhado trekking W Foram 71 km andando entre montanhas conhecendo pessoas de todas as partes do mundo fazendo novos e inesquecíveis amigos e o principal tinha acabado de ticar mais um evento de minha Bucket List relação de coisas a se fazer antes de morrer Vai nessa O que Trekking W Torres del Paine Chile Quando ir Novembro e dezembro são os melhores meses Em janeiro e fevereiro o clima ainda é bom mas o parque está mais cheio Preparação Para encarar o Circuito W basta ter força de vontade amor à natureza e espírito de aventura Mas saiba que o esforço físico é intenso com pernadas de 8 a 12 horas de duração por dia Esteja preparado também para as subidas Vestuário Leve roupas de frio e uma boa jaqueta impermeável pois lá costuma ventar chover e nevar inclusive no final do verão Não esqueça também da segunda pele camiseta e calça de uma calça impermeável e boas botas Alimentação Há restaurante nos refúgios O pacote da Fantastico Sur agência que opera no Parque Nacional Torres del Paine inclui café da manhã box lunch sanduíche água frutas secas e chocolate e jantar Também não se esqueça do kit de primeiros socorros Leveza Fique atento para que sua mochila não

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/4269-trekking-w (2015-10-12)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    ROCKY MAN 2014 Tags Sua busca para PATAGÃ NIA Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session geladaça em uma das regiões mais ao norte do planeta Publicidade Fotos Existe vida em Marte Um pedal solitário pelo Deserto do Atacama

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=PATAG%C3%94NIA (2015-10-12)
    Open archived version from archive