archive-br.com » BR » R » REVISTAGOOUTSIDE.COM.BR

Total: 854

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    do nutriente de volta ao mínimo necessário Joel Parkinson surfista campeão mundial do ASP World Tour 2012 TERCEIRO PASSO ADOTE A COMIDA INTEGRAL Jennifer e outros nutricionistas no OTC sugerem uma filosofia de comidas integrais para a dieta base de um atleta com ênfase em produtos de produção orgânica e sustentável como frutas e vegetais proteínas magras frango e peixe gorduras saudáveis abacate e azeite de oliva e carboidratos complexos aveia e batata doce que asseguram um fluxo constante de nutrientes para o corpo desgastado dos treinos A qualidade e a quantidade de vitaminas minerais antioxidantes fibra e fitoquímicos oferecidos pelos alimentos frescos e integrais não é igualada por alternativas processadas independentemente de quão sofisticado pareça aquele shake de proteínas É aí que entra a Caf Uma placa na entrada chama a atenção aos três mandamentos 1 Inclua mais vegetais castanhas e sementes em sua dieta 2 Ajuste a quantidade de carboidratos que você está ingerindo baseado no grau de atividade 3 Inclua uma proteína magra em todas as refeições A fila da Caf segue por uma mesa de saladas estação de sopas acompanhamentos de vegetais e pratos principais como tilápia assada e pad thai talharim de arroz ovos vegetais molho de tamarindo e qualquer combinação de brotos de vegetais camarão frango ou tofu que variam todos os dias Cada item possui um painel nutricional completo ao lado assim como um diagrama do Prato do Atleta um gráfico mostrando exatamente como deve ser seu prato com as porções apropriadas de vegetais proteínas e carboidratos muitos atletas chegam a tirar fotos do prato e enviar ao treinador Como parte de uma reforma o OTC abrirá uma cozinha de demonstração para ensinar aos atletas como preparar suas refeições em casa Nós fazemos o prato com a aparência mais apetitosa possível para assegurar que eles consumam comida boa em quantidades suficientes diz Jacque Hamilton chef do OTC Nesse nível há pouquíssimos atletas que seguem a dieta de baixo ou nenhum carboidrato Simplesmente não condiz com a performance Você precisa do nutriente para dar 100 de si no exercício QUARTO PASSO FAÇA UM MAPA DO SEU PLANO DE REFEIÇÕES Um planejamento de dieta não é estático diz Jennifer Ele varia de acordo com a intensidade ou a fase das atividades Esses intervalos que alguns atletas chamam de periodização nutricional são uma forma funcional de determinar quando o que e quanto você come Ela pode envolver o aumento ou a diminuição do total de calorias a manipulação da relação entre proteínas carboidratos e gorduras ou a mudança do horários das refeições com base no gasto energético Jennifer dá diretrizes detalhadas para alguns dos seus atletas para que eles possam simplesmente fazer as adaptações necessárias em suas dietas Outros lidam com seus regimes mais intuitivamente Como faço meus treinos durante o dia procuro ingerir muitas calorias cedo diz a triatleta olímpica Gwen Jorgensen 26 anos Normalmente é um café da manhã farto com aveia manteiga de amendoim frutas secas bananas canela mel e ovos pochê Nos

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/2839-da-boca-para-dentro- (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    e campeão mundial Yohan Blake que atribui seu sucesso nas pistas a uma dose diária de 16 bananas Claro que há muitas razões para não se pular de cabeça nesse modismo Em primeiro lugar alimentar sesó com frutas é uma dieta cara pressupondo se que seu cardápio vá além de bananas Porém o mais assustador é que alguns estudos relacionaram o excesso de frutose substância abundante nas frutas ao câncer pancreático doença que matou Steve Jobs Além disso uma dieta exclusivamente de frutas pode levar a falhas nas taxas de ferro zinco e vitamina B2 do corpo Mas há cada vez mais evidências de que altas doses das frutas certas podem ser uma incrível fonte de energia desde que não sejam a única PARA MELHORAR O DESEMPENHO CEREJA Pesquisadores dizem que tomar 1 1 2 xícara de suco de cereja duas vezes por dia na semana anterior a uma prova de longa distância minimiza as dores musculares Isso graças às antocianinas da fruta que são anti inflamatórios naturais UVA PASSA Cientistas descobriram que comer duas caixas pequenas de passas 45 minutos antes do exercício oferece a mesma energia extra que os géis esportivos BLUEBERRY ou MIRTILO Segundo um estudo recente comer cerca de 1 1 3 xícara diária de blueberry também conhecida como mirtilo reduz consideravelmente o estresse oxidativo e aumenta a capacidade do corpo de combater inflamações após uma sessão de exercícios BANANAS Bananas maduras são tão eficientes quanto as bebidas esportivas doces para reabastecer o corpo durante o exercício Coma uma banana média antes da atividade física e meia banana a cada 15 minutos durante o treino LARANJA Laranjas têm muita vitamina C o que ajuda o corpo a absorver o ferro substância fundamental para o transporte de oxigênio nos músculos Acrescente à sua dieta uma laranja antes

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/2700-banana-power (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    gás na sua performance Continuar lendo DIETA NUTRIÇÃO SAÚDE TREINAMENTO 10 02 14 Treinamento Salada de frutas Sabendo escolher a tão criticada dieta das frutas pode sim te ajudar na performance Continuar lendo DIETA FITNESS NUTRIÇÃO SAÚDE 31 12 69 Notícias Homem versus comida Faça bastante exercício e você poderá comer o que quiser certo Errado Continuar lendo CUIDADOS DIETA NUTRIÇÃO TREINAMENTO Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=DIETA (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    a dois milhões de adeptos só nos Estados Unidos um número cada vez maior de atletas amadores está desenvolvendo sérios déficits hormonais por causa de dietas deficitárias Diferentemente dos competidores de elite que seguem planos alimentares cuidadosamente equilibrados os amadores tendem a dar menos importância à nutrição do que a melhorar seu tempo na corrida e ficar mais forte e magro Com agendas cheias eles seguem o cronograma de treino religiosamente mas tratam da nutrição como se fosse uma questão secundária E o mais surpreendente é que não é preciso um treinamento do nível do Ironman para prejudicar as taxas hormonais do organismo até meio maratonistas novatos podem ter problemas nessa área se não se alimentarem adequadamente e na hora certa É de assustar o que estamos vendo entre competidores amadores alerta a médica norte americana Emily Cooper que tratou John e mais de 200 atletas com deficiências hormonais nos últimos 20 anos Segundo ela muitos desconhecem ter o problema pois os sintomas costumam ser atribuídos ao cansaço e ao desgaste normais do treinamento Isso é particularmente verdade para os homens que não têm um ciclo mensal como o das mulheres para ajudar a monitorar seus organismos Alguns deles só descobrem o problema depois de procurarem exames de fertilidade ao não conseguir conceber filhos David Olive presidente do Instituto de Fertilidade de Wisconsin EUA também testemunhou um aumento na ocorrência desse fenômeno Desde 1985 ele ajuda centenas de atletas com dificuldade em conceber filhos devido a problemas hormonais A maioria deles é composta de esportistas de fim de semana que resolveram intensificar o treinamento sem aumentar o consumo de alimentos Vejo isso acontecer mais com atletas recreativos do que com os profissionais de verdade diz A LIGAÇÃO ENTRE NUTRIÇÃO E NÍVEIS HORMONAIS já foi bem estabelecida pela ciência Quando seu cérebro sente que o corpo está queimando mais calorias do que consumindo ele suprime a produção de leptina um hormônio regulador do apetite e do metabolismo Você se sente com fome e sua digestão fica mais lenta para conservar energia Quando a taxa de leptina cai além de um determinado ponto seu cérebro sente que você está morrendo de inanição e ordena que o corpo cesse todas as atividades não essenciais como a síntese de testosterona estrogênio e outros hormônios associados à reprodução As consequências incluem perda de densidade muscular e óssea redução do desejo sexual e falta de energia Pesquisas mostraram que o déficit hormonal causado por exercícios em homens pode resultar em esperma mais ralo e menos saudável nas mulheres pode desregular o ciclo menstrual Felizmente tanto Emily como David dizem que a maioria dos atletas se recupera reformulando a dieta e reduzindo temporariamente o ritmo de treinamento Não que seja fácil sair do fundo do poço hormonal talvez eles levem meses para nutrir seu corpo até o ponto em que ele sinta ter combustível de sobra Isso significa comer muitas vezes por dia aumentar a ingestão de calorias e nunca treinar de estômago vazio As refeições devem

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/2382-engula-isso- (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    Os resultados são postados online e o programa faz recomendações nutricionais para ajudar a resolver quaisquer deficiências ou nível elevados de um certo biomarcador No Instituto Marazul a consulta médica custa R 600 e o primeiro encontro dura em média 1 hora onde são avaliadas as queixas pessoais histórico familiar além de ser feita uma análise física completa Os conselhos dadosaos pacientes variam dependendo da clínica Tanto a InsideTrackercomo a PrecisionFood Works fazem suas recomendações usando fórmulas exclusivas que estabelecem faixas normais para cada biomarcador A InsideTrackertambém desenvolveu suas próprias faixas que variam de acordo com a idade sexo e nível de atividade a partir de uma base de dados de mais de 100 mil pessoas saudáveis Já Chris baseia seu diagnóstico em décadas de experiênciatrabalhando com atletas profissionais No Marazul a partir dos dados recolhidos na consulta o médico determina quais exames serão necessários Cada caso é um caso e terá a prescrição adequada sempre baseada em evidências clínicas conta o doutor Marcelo De acordo com Gil Blander são esses parâmetros desenvolvidos especificamente que fazem valer o alto preço que as clínicas cobram por essa análise Talvez dê para conseguir os mesmos resultados com um clínico geral mas os conselhos que ele vai te dar provavelmente se basearão em valores de referência genéricos aplicados igualmente para jovens e atletas velhos Por exemplo de acordo com as diretrizes de alguns países a ferritina um indicador da quantidade de ferro no sangue precisa estar com um nível entre 12 e 150 nanogramas por milímetro em mulheres Se o seu nível estiver nessa faixa o médico provalvemente nem vai tocar no assunto Gil por outro lado diz que uma vez que o ferro desempenha um papel importante no modo como o seu corpo metaboliza o combustível uma queda para menos de 40 nanogramas em mulheres que levam o esporte a sério pode causar um grande impacto em seudesempenho Outrobiomarcador de particular interesse para os atletas é a creatina quinase Há uma forte correlação entre um alto nível dela no sangue e câimbras e lesões musculares explica Gil Mas os médicos costumam testar os níveis de creatina quinase somente em pacientes que mostram sintomas de ataque cardíaco não quando eles estão tentando melhorar sua performance esportiva Segundo Chris da PrecisionFood Works os esportistas que usam esse tipo de análise podem não sentir que o mundo mudou mas certamente notarão uma melhora em seu desempenho Ele cita como exemplo Jonathan Toker um triatleta e corredor de elite que passou pelo exame de Chris em maio de 2011 e descobriu que era alérgico a lactose e que estava com um nível baixo de ácidos graxos ômega 3 que acredita se ajudam a reduzir inflamações e a regular os hormônios Chris recomendou que ele cortasse produtos derivados do leite de sua dieta duas semanas antes das competições e que comesse peixe e tomasse suplementos de óleo de linhaça Jonathan não consegue apontar uma mudança específica em sua performance total mas diz que sentiu uma melhora em

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/2216-sangue-bom (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    quem quer melhorar a performance Continuar lendo NUTRIÇÃO SAÚDE TECNOLOGIA TREINAMENTO 26 10 12 Treinamento Coragem versus tecnologia Em 1960 Joe Kittinger tinha mais fé do que recursos a favor para saltar da estratosfera Veja o vídeo Continuar lendo BASE JUMP JOE KITTINGER SALTO ESTRATOSFÉRICO TECNOLOGIA 19 03 13 Notícias Big brother da aventura Por que uma nova câmera voadora está revolucionando as filmagens outdoor de ação Continuar lendo DRONE FILME TECNOLOGIA 09 01 13 Notícias O barquinho vai Graças a novas tecnologias o remo oceânico que já foi apenas uma modalidade menos conhecida da aventura está crescendo novamente Continuar lendo BARCO A REMO EQUIPAMENTO JAMES ROBERT HANSSEN OAR NORTHWEST TECNOLOGIA 02 08 12 Notícias Nerd sarado Uma seleção de aplicativos sites e produtos para quem ama esportes viagens e equipamentos outdoor Continuar lendo APLICATIVOS HIGH TECH TECNOLOGIA 14 05 12 Notícias Mercado em expansão Conheça a Axalko mais uma marca de bicletas que acredita no potencial da madeira para a construção de quadros Continuar lendo AXALKO BIKE DE MADEIRA EQUIPAMENTO TECNOLOGIA TECNOLOGIA 14 05 12 Notícias Mercado em expansão Conheça a Axalko mais uma marca de bicletas que acredita no potencial da madeira para a construção de quadros Continuar lendo AXALKO BIKE DE MADEIRA EQUIPAMENTO TECNOLOGIA TECNOLOGIA 23 03 12 Notícias Brinquedinho para surfar Novo sistema de propulsão promete aumentar a discussão sobre o uso de jet ski em ondas grandes Continuar lendo EQUIPAMENTO SURF TECNOLOGIA WAVE JET 23 02 12 Notícias Verde mas funcional Marca desenvolve tecnologia que utiliza a fibra da casca de coco para fazer pranchas mais leves fortes e rápidas Continuar lendo CASCA DE COCO EQUIPAMENTO PRANCHA SURF TECNOLOGIA 27 01 12 Notícias Longe dos tubarões Novo aplicativo para smartphone promete rastrear o movimento dos mais temidos predadores do mar os tubarões brancos Continuar lendo

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=TECNOLOGIA (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    exercícios intervalados três vezes por semana durante sete semanas veja abaixo Segundo Jens o segredo é simplesmente treinar mais duro muito mais duro do que o normal e chegar o mais próximo possível de seu V02 máximo a capacidade máxima que seu corpo tem de absorver oxigênio Dessa forma o corpo é forçado a ativar fibras musculares que não são normalmente utilizadas fortalecendo os músculos de maneira geral o que também ajuda você a lidar melhor com a fadiga Durante anos as pessoas realizaram treinamentos intervalados mas com picos abaixo do VO2 máximo diz Jens O que proponho é um esforço muito mais intenso Acredito que isso pode levar a melhoras significativas no desempenho esportivo Só 30 minutinhos Durante sete semanas experimente estas sessões intervaladas de meia hora três vezes por semana CORRIDA DE 10 KM E MEIA MARATONA 1 1 5 quilômetro de aquecimento 2 Dez segundos de corrida de alta intensidade 90 a 95 da frequência cardíaca máxima ou FCMax 20 segundos de corrida de intensidade média 50 a 60 da FCMax e 30 segundos de corrida de baixa intensidade 25 a 30 da FCMax com dois minutos de descanso entre as corridas 3 Repita cinco vezes em 30 minutos 4 Inclua de uma a três repetições por semana durante sete semanas MARATONA E CORRIDAS MAIS LONGAS 1 1 5 quilômetros de aquecimento 2 30 segundos de corrida de alta intensidade 90 a 95 da FCMax seguida de três minutos de recuperação 3 Repita seis vezes CICLISMO 1 Dez a 15 minutos de aquecimento 2 Dez segundos de pedalada de alta intensidade 90 a 95 da FCMax 20 segundos de pedalada de intensidade média 50 a 60 da FCMax e 30 segundos de pedalada de baixa intensidade 25 a 30 da FCMax com dois minutos de descanso entre

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/2137-hora-do-intervalo- (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    clube de que é sócio o Pinheiros em São Paulo quando descobriu que professores da assessoria Selva Aventura estavam dando treinos ali mesmo Já 14 quilos mais magro e com experiências bem sucedidas em algumas competições José entrou para o time de alunos da Selva e hoje treina com afinco três horas por dia seis vezes por semana e compete de igual para igual com companheiros muito mais jovens Fez novos amigos no grupo e se tornou referência para gente com metade de sua idade Além de melhorar minha performance em todas as modalidades com a assessoria eu tive a chance de conhecer e me especializar em remo e caiaque que hoje é o esporte com o qual mais me identifico diz José que em 2010 quando virou sexagenário disputou 15 provas venceu oito delas e ficou entre os melhores da categoria nas outras Para conquistar o público que cresce junto com a oferta de competições e com o mercado especializado entre 2007 e 2010 o número de provas de corrida cresceu 53 só em São Paulo as assessorias apostam em uma gama de produtos customizados para diferentes estilos de vida A mineira OCE abreviação de Over the Top Consultoria Esportiva por exemplo foi pioneira no uso de medidores de potência para avaliar o desempenho de seus alunos treino a treino Fundador da OCE o triatleta Hugo Prado Neto voltou de uma temporada no centro de treinamento do norte americano Chris Carmichael renomadíssimo treinador de ciclismo e triathlon e implementou o sistema de leitura de gráficos na sua assessoria o que a tornou única em Belo Horizonte Oferecemos até bike fit ajuste da bike para as medidas do ciclista em uma busca pela customização máxima do treinamento conta Hugo que orienta atletas de triathlon ciclismo de estrada e mountain bike Outro serviço que tem se sobressaído em algumas assessorias é o treinamento à distância indicado para quem vive em outra cidade ou país ou não tem tempo para se encontrar com o treinador pessoalmente As orientações são enviadas por email e não raro aluno e professor conversam via Skype Esse tipo de serviço cai bem para aqueles que curtem treinar sozinhos e têm disciplina para isso É o caso da dentista Licia Elias que começou a treinar triathlon na asssessoria 5 Ways de São Paulo e anos depois emancipou se constrói suas planilhas semanalmente em parceria com outro treinador que mora na China Para ela todos os que desejam começar a praticar um determinado esporte deveriam procurar uma assessoria E depois quando estiverem buscando melhores resultados a dica é buscar um atendimento mais individualizado e focado no objetivo sugere a moça Com tantos serviços modalidades e professores para ajudar todos os tipos de esportistas não faltará boa companhia e acompanhamento para ir atrás de seus objetivos Corra atrás Assessorias e serviços personalizados que podem incrementar sua rotina de esportes BELO HORIZONTE Grupo Mais Assessoria especializada em corrida de rua e triathlon promove seus treinos em Belvedere Lagoa Seca às terças

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/2084-cuida-bem-de-mim (2015-10-13)
    Open archived version from archive