archive-br.com » BR » R » REVISTAGOOUTSIDE.COM.BR

Total: 854

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    de um jeito mais forte As raízes dessa nova tendência remontam a 2006 quando pesquisadores da Universidade de Chukyo no Japão publicaram um pequeno estudo mostrando que voluntários que fizeram banho de gelo após os treinos ganharam menos força do que aqueles que não optaram por esse método Essa pesquisa forçou todo mundo a pensar que talvez muita banheira gelada pudesse na verdade inibir a recuperação diz Trent Stellingwerff fisiologista do Centro Esportivo de Pacific Victoria na Columbia Britânica Canadá Se isso for verdade será que outros métodos pós treino também podem causar mais mal do que bem O pior é que sim O problema é que os treinadores vêem a inflamação causada pelo exercício como um inimigo a ser eliminado quando na verdade ela é parte crucial do processo natural de recuperação O estresse resultante do exercício físico o dano aos tecidos e a inflamação que surge depois são causados em parte pelos glóbulos brancos que correm para a região afetada para ajudar no processo de recuperação Ao mesmo tempo que o ibuprofeno um conhecido antiinflamatório muito usado por atletas ou os banhos de gelo reduzem a fadiga e o inchaço a curto prazo eles podem também inibir a capacidade natural de adaptação do seu corpo a longo prazo É o que defende Jonathan Leeder fisiologista no Instituto Inglês do Esporte Você precisa que os danos e as inflamações do corpo recuperem se sozinhos DOR AMIGA Cientistas provaram que o estresse físico é bom para o corpo Uma situação semelhante acontece em relação aos suplementos antioxidantes Atletas de endurance usam muito oxigênio durante os treinos e geram altos níveis de oxigênio reativo potencialmente danoso explica Jeff Coombes professor na Universidade de Queensland na Austrália A visão convencional é de que os antioxidantes podem ajudar a neutralizar essas moléculas limitando os danos Mas quando Jeff revisou a literatura médica sobre esse tema encontrou 23 estudos sugerindo que os antioxidantes podem na verdade interferir no processo natural de adaptação do corpo Uma pesquisa revelou que um coquetel de antioxidantes retardou a recuperação muscular em canoístas de elite Treinadores e cientistas alertam porém que a conclusão final não deve ser a de que todo método de recuperação é mau Em vez disso trata se de uma questão de permitir que os processos de recuperação do corpo tomem seu curso natural sem acelerá los tanto de forma a comprometer sua eficiência Isso significa aprender quais técnicas são mais úteis e quando cada uma delas é mais eficiente Trent Stellingwerff Steve Magness e Jonathan Leeder costumam orientar seus atletas de que dependendo do estágio de treinamento em que eles se encontram o melhor é periodizar a recuperação Durante as fases de treino pesado o maior objetivo é pressionar o corpo ao limite Nessa época portanto qualquer coisa que interfira na adaptação ao treinamento deve ser evitada À medida que se aproxima uma competição o foco muda em vez de ganhar preparo a intenção é se sentir bem e é aí que se deve estimular

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/1532-doa-a-quem-doer (2015-10-13)
    Open archived version from archive


  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    Tags Sua busca para OREGON PROJECT 29 05 12 Doa a quem doer Cientistas e treinadores de ponta alertam preocupar se com a recuperação após o treino pode fazer mais mal que bem Continuar lendo DICAS DE PRÓ NIKE OREGON PROJECT TREINAMENTO Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session geladaça em uma das regiões mais ao norte do planeta Publicidade Fotos Existe vida em Marte Um pedal solitário pelo

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=OREGON%20PROJECT (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    Urbach CEO do USA Triathlon USAT órgão que regulamenta o esporte nos Estados Unidos que teve um aumento de incríveis 557 em sua lista de associados nos últimos dez anos Tem alguma coisa a respeito dos três esportes juntos que faz as pessoas se transformarem Os números ascendentes vêm em parte do fato de que o triathlon manteve sua mística mesmo tendo ficado tão mais acessível Foi a atração pelo desconhecido afirma Eric sobre seu interesse inicial mas desde então ele ficou obcecado com os detalhes da modalidade técnica de natação táticas de transição e estratégias de corrida FORÇA Competição nos Estados Unidos Foto Sarah Haskins LINHA DE CHEGADA Competidores durante mais uma prova da modalidade Ainda mais poderosa é a fascinação da promessa de um preparo físico verdadeiramente equilibrado e duradouro Joe Friel ex corredor que migrou para o triathlon para recuperar se de várias lesões e autor do livro The Triathlete s Training Bible A Bíblia do Treinamento do Triatleta sem tradução para o português acredita que o treino multiesportivo resulta no tipo de corpo magro e forte que quase todos os atletas buscam O risco de esgotamento e lesões diminui pois encoraja as pessoas a treinarem modalidades diferentes diz De acordo com Matt Dixon dono da assessoria esportiva Purplepatch Fitness e treinador do multicampeão do Ironman Chris Lieto o cross training oferece muito mais benefícios equilibrados de preparo físico do que os treinos de um único esporte Quem treina para triathlon tem melhoras na composição corporal e na saúde cardiorrespiratória adiciona Para muitos atletas um primeiro triathlon logo se transforma em estilo de vida Veja o exemplo de Matt Lieto que em sua época de faculdade aos 20 anos estava 34 quilos acima de seu peso Daí assistiu seu irmão mais velho Chris Lieto competir no mundial de Ironman em 1998 Ele ficou pasmo com a energia entusiasmo e paixão pela vida dos competidores Matt começou a competir e em 18 meses foi de um preguiçoso nas palavras dele a um atleta com consistentes resultados entre os dez melhores das provas em que participa Atualmente entre os profissionais ele ainda se lembra da sua primeira corrida a California s Wildflower Triathlon como uma guinada na vida Eu me senti feliz e energizado durante aquele dia inteiro lembra Eu nunca havia experimentado nada como aquilo Rob Urbach daUSAT já ouviu isso antes Nem todo mundo consegue se lembrar da primeira corrida de rua mas todo mundo se lembra do seu primeiro triathlon Curto e grosso A razão para o boom na popularidade do triathlon se resume a um fator distância Mais especificamente o grande número de eventos de curtas distâncias As provas mais curtas normalmente 800 metros de natação 20 quilômetros de bike e 5 quilômetros de corrida são tão atraentes para os novatos Ei isso eu consigo quanto para os competitivos Vou correr a prova inteira no limite Quase todos conseguem cruzar a linha de chegada mas a velocidade com que você faz isso pode transformar totalmente

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/1468-hora-da-transicao- (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    da modalidade é aquecer o corpo reproduzindo gestos e movimentos que serão executados durante a prática do esporte deixando o alongamento estático da musculatura para depois do treino e sem exageros As pessoas tendem a achar que se não estiver doendo não está alongando observa Kim Cordeiro treinador da assessoria esportiva BK Sports e atleta de triathlon de São Paulo Mas não é bem assim A dor jamais deve ser o parâmetro de um alongamento bem feito O médico do esporte e do exercício Gustavo Magliocca que acompanha a equipe brasileira PRO 16 de atletas de natação como Cesar Cielo e Thiago Pereira alerta que exagerar no estica e puxa pode ser inclusive arriscado Os típicos alongamentos estáticos estão comprovadamente relacionados à perda de performance quando executados antes da prática esportiva Após a atividade tudo bem principalmente em atletas que precisam aumentar as amplitudes articulares Mas é de suma importância não abusar ou forçar demais os músculos pois isso pode ser um gatilho para lesões alerta TOTAL FLEX Para escaladas duras Janine Cardoso sempre aquece e alonga muito bem o corpo OS BENEFÍCIOS DO AQUECIMENTO SÃO MUITOS como melhor do aporte sanguíneo na musculatura e da lubrificação das articulações explica Gustavo A elevação da temperatura corporal e um sintoma dessas benvindas alterações fisiológicas que preparam o corpo para o esporte Em geral as atividades de aquecimento não devem ultrapassar de 10 a 15 do tempo total previsto para o treino diz Gustavo mas a forma de melhor aproveitar esses minutos reservados ao início das atividades físicas varia de acordo com os objetivos e características de cada atleta A escaladora Janine Cardoso por exemplo costuma alongar estaticamente cada um dos dez dedos das mãos o antebraço peito costas e ombros para depois começar um aquecimento dinâmico na rocha ou na parede do ginásio Quanto mais alto o nível do atleta maior a variedade de movimentos que ele vai poder fazer nessa parte pré treino Passo cerca de dez minutos fazendo movimentos mais suaves me deslocando pelas paredes mais horizontalmente que verticalmente antes de seguir para as vias mais difíceis explica a atleta que também indica uma corrida de 20 a 30 minutos depois do treino para liberar o ácido lático acumulado Salvador Lamas ex surfista profissional e professor de educação física incentiva o aquecimento dinâmico para seus atletas e desenvolveu um método para uma session de surf produtiva e sem lesões Inicio com uma corrida leve na areia abdominais trabalho de estabilização da região do core e movimentos dinâmicos com rotação nas principais articulações ensina o treinador que às vezes também usa alguns acessórios como o fitball aquelas bolas grandes em que se pode deitar em cima e fazer diversos tipos de exercícios O surfista de ondas grandes Carlos Burle acorda o corpo usando ensinamentos do Iso Stretching uma técnica de alongamento criada há 30 anos na França em que se trabalha com expiração exagerada para promover o fortalecimento da musculatura abdominal e da caixa torácica ao mesmo tempo em que

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/1452-esquenta-e-esfria (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    movimento e depois do treino relaxar o corpo de forma adequada pode ser o que faltava para sua performance Continuar lendo AQUECIMENTO PERFORMANCE SAÚDE TREINAMENTO Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session geladaça em uma das regiões mais ao

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=AQUECIMENTO (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    faz pausar automaticamente as funções de gravação enquanto você espera para atravessar a rua por exemplo para que os pit stops não estraguem os resultados Quando volta para casa o Timex sincroniza com o excelente programa online Training Peaks E ao contrário da maioria dos relógios GPS o Run Trainer tem estilo e discrição necessários para o uso diário timex com Bate coração Treinar com um monitor cardíaco pode ser difícil no começo mas é a melhor forma de tirar o máximo dos treinos Maximize seu treino Para começar determine sua frequência cardíaca máxima já que você irá basear a maior parte do treino a partir dela Aqueça se por 20 a 30 minutos daí faça cinco tiros de 45 a 60 segundos com força total para corredores ou 90 segundos para ciclistas e nadadores A frequência mais alta que o monitor capturar é a sua máxima Customize suas necessidades Comece incluindo em sua rotina treinos feitos para seus objetivos específicos Se você quer terminar um Ironman encha sua agenda com treinamento aeróbico relativamente fácil 60 a 70 da sua frequência máxima e com intensidade que aumente a endurance Vai correr uma prova de 10K ou meia maratona Então faça treinos para maximizar a eficiência 90 a 95 E se você vai regularmente para águas abertas ou trilhas no mato um frequencímetro com função GPS pode ajudá lo a manter um esforço consistente até mesmo quando o terreno for muito variado Analise seu desempenho Rastrear a frequência cardíaca é a forma ideal para monitorar o condicionamento físico ao longo do tempo Se você estiver treinando duro e não melhorar a performance verifique se sua frequência cardíaca está elevada pela manhã ou durante treinos fáceis sinais clássicos de overtraining e um lembrete para diminuir o volume ou a intensidade Para atletas que gostam de treinar forte o monitor ajuda a evitar que se entre no limite do esforço físico em dias de recuperação alertando quando sua frequência cardíaca estiver muito alta Melhore sem sair do chão Dê um gás em seu treinamento indoor com esta máquina de spinning WATTBIKE PRO US 2 995 wattbike com 1 Computador Monitora em tempo real 36 parâmetros como ritmo velocidade frequência cardíaca e potência por rotação Você também pode incluir nele programas customizados ou competições em pistas contra atletas reais ou desempenhos anteriores Mede também a energia gerada comparando seus dados com uma lista de profissionais de primeira linha 2 Rolo Resistência magnética e do ar permitem calibragem perfeita da carga de trabalho 3 Transmissão Corrente de aço e correia reforçada de kevlar captam dados como a eficiência da pedalada e a energia máxima que depois são transferidos para o computador a uma velocidade de cem medições por segundo 4 Pedais Vêm com um lado compatível com SPD e outro com Look Podem ser substituídos por seus próprios pedais 5 Selim A bike vem equipada com um selim recreacional clássico mas pode receber um banco de competição de perfil baixo Uma mentirinha não dói Uma

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/1417-pulso-firme (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    direito no degrau o esquerdo no chão e as mãos nos quadris Com um movimento de saltitos sobre as almofadas dos pés empurre o corpo para cima e troque de perna pé esquerdo para cima pé direito no chão Faça três séries de dez repetições um passo por segundo CICLISTAS 3 Prevenindo dores no joelho Como Agachamento com uma perna só Fortalece os quadris e protege o funcionamento correto das patelas Pratique Comece sentado em uma cadeira com o joelho direito flexionado e a perna esquerda estendida à frente fora do chão Mantenha os braços à frente Com as costas eretas fique em pé na perna direita e lentamente sente se de volta Para ficar mais difícil segure os braços acima da cabeça Faça três séries de seis repetições para cada perna 4 Prevenindo dores lombares Como Fazer rotação do tronco com a ajuda de uma medicine ball melhora a dor nas costas através do fortalecimento do core abdominal e dos músculos das costas Pratique Fique em pé com os pés afastados um pouco mais do que a largura dos ombros Segure uma medicine ball com os braços estendidos para frente na altura do umbigo Rotacione a bola para a direita e depois para a esquerda em arcos amplos transferindo o peso de um pé para o outro à medida que gira Faça três séries de dez repetições Cura pela boca Recupere se mais rapidamente com estes superalimentos A tendência natural quando se está lesionado é cortar as calorias Treinar menos comer menos certo Não exatamente Os alimentos oferecem os tijolos que o corpo precisa para se reconstruir e recuperar então ainda que você precise cortar o consumo geral é importante ter certeza de que está recebendo o suficiente daqueles elementos certos Você precisa de alimentos que sejam ricos em antioxidantes fatores antiinflamatórios e aminoácidos que ajudam o corpo a se fortalecer reconstruir o colágeno e os tecidos musculares e se curar diz a nutricionista Kelli Jennings da Apex Nutrition que tem sua sede em Golden Colorado EUA Oferecendo ao corpo os nutrientes que ele precisa você consegue se recuperar mais rápido Seguem as sugestões de Jennings para começar sua recuperação Truta Fresca É um peixe cheio de ômega 3 que ajuda a curar a inflamação das tendinite e das fraturas Também oferece proteínas para os músculos que estão se regenerando Um atleta de 80 quilos necessita de aproximadamente 130 gramas de proteínas diárias para se recuperar direito e a truta com sua baixa taxa de mercúrio é uma ótima fonte Dose 170 gramas de truta três vezes por semana Batata doce Este tubérculo é fonte importante de vitamina A que ajuda a aumentar o número de glóbulos vermelhos que combatem infecções no sangue Isso é especialmente importante se você estiver se curando de algum tipo de alergia ou escoriação A batata doce também tem muita vitamina C que promove a recuperação da pele saudável e ajuda na produção de colágeno base do tecido conjuntivo tão frequentemente estressado em atletas

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/1389-melhor-prevenir-que (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    simples demais E é mesmo Enquanto a agência espacial Nasa confirmou os efeitos dessa ciência ainda em 1986 a comunidade esportiva normalmente ávida por experimentar qualquer teoria mesmo que não comprovada foi lenta para perceber seus benefícios Para os treinadores e esportistas gelo era para depois de um grande esforço ou para cuidar de lesões Finalmente estudos recentes comprovaram que o pré resfriamento é poderoso e aí a comunidade de endurance decidiu aderir em massa à tendência EM AGOSTO DE 2011 Stacy Sims publicou um relatório demonstrando que atletas que praticam esportes de potência como levantamento de peso ou escalada em rocha também se beneficiam com o pré resfriamento Ela descobriu que pessoas que tomaram água resfriada a 4 C conseguiam saltar 15 mais longe do que quando bebiam água a temperatura ambiente Em outro estudo norte americano publicado em junho pelo Centers for Disease Control Centros de Controle de Doenças pesquisadores descobriram que a cabeça os antebraços a parte interna das coxas e o pescoço são as áreas que melhor respondem ao resfriamento externo Esse estudo também revelou que os coletes de resfriamento equipamento popular oferecido agora por várias empresas esperando ganhar um dinheiro com essa moda são inúteis Eles não funcionam Isso porque o melhor jeito de baixar a temperatura corporal de fora para dentro é resfriando as áreas com vasos sanguíneos mais próximos à superfície da pele afirma Aitor Coca fisiologista do centro O ciclista norte americano Jeff Louder da equipe BMC já sabe disso há tempos No Commerce Bank International Championship campeonato que rola na Filadélfia a região central do seu corpo chegou a 37 7 C Para resfriá la Jeff colocou gelo diretamente na virilha bem na artéria femoral para que o sangue resfriado fosse bombeado diretamente para o meu core conta ele O ciclista diz que o método transformou pedaladas infernalmente quentes em esforços confortáveis Tudo o que foi escrito acima não impedirá que você passe da barreira dos 38 C de vez em quando Trata se de algo inevitável durante provas longas Aitor Coca diz que é bem fácil saber se o seu core está superaquecido Se for verão você vai suar para caramba e logo sentirá fadiga e uma piora no desempenho Já no inverno ficará com a pele fria e as mãos inchadas A fisiologista Stacy Sims também desenvolveu um teste para corredores e ciclistas que querem saber se sua temperatura foi parar nas alturas Se sua frequência cardíaca ficar estável ou aumentar mas a produção de energia em cima da bike ou o ritmo da corrida diminuir provavelmente você está superaquecendo É hora de se refrescar explica Uma recomendação dela Nada como uma boa e velha raspadinha bem gelada Freezer antiinflamatório QUANDO O SPRINTISTA NORTE AMERICANO Justin Gatlin medalhista olímpico em 2004 chegou ao World Outdoor Track and Field Championships campeonato mundial de atletismo em pistas abertas em agosto do ano passado com congelamento nos pés uma obscura técnica de recuperação chamada de crioterapia do corpo inteiro conhecida pela sigla

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/1347-resfriamento-central (2015-10-13)
    Open archived version from archive