archive-br.com » BR » R » REVISTAGOOUTSIDE.COM.BR

Total: 854

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    Continuar lendo AMÉRICA DO SUL SERRA DA MANTIQUEIRA TREKKING VIAGEM 31 12 69 Viagem Surf na terra Saiba como foi a segunda etapa do circuito brasileiro de mountainboard Continuar lendo EDUARDO GIMENES FÁBIO LOPES MOUNTAINBOARD RODOLFO BAZETTO SERRA DA MANTIQUEIRA 31 12 69 Notícias Fast foot Nosso roteiro expresso de aventura dessa vez é a Serra da Mantiqueira Continuar lendo AVENTURA DESTINOS ROTEIRO SERRA DA MANTIQUEIRA VIAGEM Publicidade Vídeos Surf

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=SERRA%20DA%20MANTIQUEIRA (2015-10-13)
    Open archived version from archive


  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    das dunas e o visual do pôr do sol no meio das dunas foi algo inesquecível 2 dia Aqui eu já estava até andando descalço nas dunas Andamos até os oáses de Baixa Grande Queimada dos Lira e Queimada dos Britos que são três mini vilarejos às margens do rio Verde onde vivem algumas famílias nômades totalmente isoladas do mundo Quando o rio Verde seca eles se mudam pro litoral e depois retornam com as chuvas Eles são muito simples mas foram extremamente atenciosos conosco Se for passar por lá leve alguma roupa ou utensílio a mais para deixar com eles que a venda mais próxima fica a dois dias de caminhada 3 dia Caminhamos fugindo de pancadas de chuva de verão que passavam ao nosso lado mas nenhuma nos atingiu Como não existe montanha nenhuma no raio de visão é muito interessante a sensação de estar navegando no meio das dunas com visual total do que acontece ao seu redor Paramos para acampar um pouco antes do vilarejo de Santo Amaro já na extremidade oeste dos Lençóis Maranhenses 4 dia De Santo Amaro pegamos um trator com uma caçamba enorme que serve de ônibus local já que as estradas são geralmente alagadas na época e passam por dentro de mangues Esse trator nos levou até Alegre outro povoadinho de onde sai uma barca enorme que depois de 14 horas de navegação chega a São José do Ribamar já na ilha de São Luiz a uma hora de ônibus até a capital Dica Como não existe ponto de apoio nenhum no meio do deserto você precisa estar com tudo o que necessite durante a caminhada comida fogareiro e combustível barraca etc A água das lagoas teoricamente é potável mas é sempre bom levar um filtro ou esses purificadores de água químicos Apesar de não ser frio e um moletom só já ser o suficiente a areia carregada pelo vento cobre tudo o que se larga no chão em alguns minutos Portanto se você resolver passar a noite fora da barraca corre o risco de virar uma duna A exposição ao sol é constante e sem trégua portanto não esqueça do chapéu camiseta de mangas compridas filtro solar e óculos de sol que o reflexo na areia branca é muito forte Para a navegação só o mapa e a bússula não são suficientes pois como não há referências no horizonte fica difícil de manter o rumo O GPS com a carta topográfica e a habilidade pra tratar com eles é essencial Vai nessa Existem duas opções para se chegar ao deserto por Atins ou Barreirinhas que fica a umas oito horas de ônibus da capital São Luiz do Maranhão hoje em dia a estrada já está asfaltada e a viagem é bem mais confortável Atins é uma vilazinha ao lado de Mandacaru e Caburé que fica na margem esquerda da foz do rio Preguiças beirando o deserto e o mar Existem pousadinhas simples passeio de barco visitação ao farol de Mandacaru e até dá para encontrar guias para se fazer uma caminhada nos Lençóis Atins fica uns 15 quilômetros rio abaixo de Barreirinhas Chega se lá por gaiolas aqueles barcos de dois andares típicos do local ou voadeiras lanchas de alumínio bem mais rápidas Barreirinhas é uma cidade que já vive do turismo tem pousadas até sofisticadas supermercado e operadoras de turismo Plano B A Maranhão Turismo www maranhaoturismo com oferece vários tipos de passeios como vôos panorâmicos passeios de jipe apoio e logística pra sua caminhada No Jalapão TO Nível Duração 7 dias Tídio Sampaio Já tinha ouvido falar de várias histórias a respeito do Jalapão Além disso essa região do Brasil sempre me fascinou pelo relevo clima vegetação e sobretudo pelas pessoas Um lugar que é conhecido como Deserto do Jalapão não pelo fato de ser árido mas sim porque muito pouca gente vive por lá Dependendo do trecho percorrido e da época do ano você pode passar o dia sem encontrar ninguém só algumas poucas cabeças de gado que pastam livremente na vegetação do cerrado Meu plano inicial não era pedalar solitário mas aconteceu e foi uma experiência ótima Existe uma estrada cascalhada que faz todo o contorno do Jalapão em forma de uma ferradura O início é em Ponte Alta do Tocantins uma pequena cidade em torno de 10 mil habitantes conhecida como a porta de entrada do Jalapão Depois essa estrada passa por duas outras pequenas cidades Mateiros e São Félix do Jalapão finalizando em Novo Acordo Quem quiser fazer a volta do Jalapão de bike tem que estar preparado para tudo principalmente quanto a água comida e dormir em qualquer lugar As distâncias são grandes e para quem pensa que se trata de uma planície pode ter certeza que existem infindáveis subidas e descidas o que atrasa bastante o pedal ainda mais com uma bike com dois alforjes de 15 a 20 quilos cada um mais a barraca no bagageiro 1 Dia Saindo pela manhã bem cedo de Ponte Alta vale a pena pegar a estrada do sentido contrário a Mateiros para conhecer a Pedra Furada uma formação rochosa que é um cartão postal do Jalapão Como é um trecho de ida e volta deixe todo o peso da bagagem na pousada em Ponte Alta mas não esqueça de levar água e mantimento para um pedal de 70 quilômetros Voltando a Ponte Alta monte os alforjes e toda a bagagem na bike e pegue a estrada em direção a Mateiros 17 quilômetros depois chega se à Gruta de Sussuapara Se ainda tiver forças pedale mais 23 quilômetros e passe a noite na Cachoeira Lajeado onde dá para acampar no estacionamento Importante esse primeiro trecho tem muitas subidas e descidas e pode ser que você tenha que acampar em qualquer lugar ao lado da estrada antes de chegar ao objetivo final Foi o que fiz 2 Dia Saindo bem cedo da Cachoeira do Lajeado seu próximo objetivo é chegar à Pousada do Jalapão 65 km de pedal Cruze o rio Vermelho e a pequena Serra da Muriçoca passando por algumas subidas e descidas Logo depois da serra existe uma bifurcação com uma placa indicando a Pousada do Jalapão Pegue a esquerda e 21 quilômetros depois se chega à pousada 3 Dia Acorde cedo pegue somente a bike água e a máquina fotográfica para visitar a Cachoeira da Velha num pedal de 18 quilômetros ida e volta Lá você encontrará uma prainha de areia bem branca e com água cristalina do rio Novo É um dos pontos altos do Jalapão Volte para a pousada monte a bike e siga em direção à bifurcação Dessa vez pegue a direita em direção a Mateiros Seu próximo objetivo é a ponte de concreto do rio Novo onde tem algumas áreas de acampamento mas sem nenhuma estrutura Quem não tiver perna para chegar irá ter que passar a noite em algum campo ao largo da estrada Foi o que tive que fazer 4 Dia Dois objetivos principais visitar as Dunas e chegar a Mateiros A entrada para as Dunas fica 12 quilômetros depois do rio Novo Lá tem que se pagar não mais do que R 5 a um fiscal para visitar as Dunas Vale a pena gastar alguns minutos caminhando se refrescando nos rios e lagos e contemplando a paisagem Passeio acabado siga para Mateiros contornando a Serra do Espírito Santo um outro cartão postal do Jalapão São 55 quilômetros até lá Procure a Pousada do Cardoso para passar a noite e jante no Restaurante da Dona Rosa 5 Dia Em direção a São Félix do Jalapão visite o Fervedouro 25 km de Mateiros uma fonte de água que brota de um poço e não deixa a pessoa afundar Voltando para a estrada e ainda em direção a São Félix visite a Cachoeira da Formiga 30 km de Mateiros mais 8 km de areião a partir da estrada uma cachoeira com água supercristalina onde dá para descansar e se refrescar Dali são mais 49 quilômetros a partir da estrada até São Félix Vale a pena apertar no pedal e chegar na cidade para se hospedar na Pousada do Capim Dourado com uma excelente estrutura quartos com ar e TV restaurante simples mas com um preço um pouco salgado para a região 6 e 7 Dias Saindo de São Félix em direção a Novo Acordo o último trecho do Jalapão com uma paisagem exuberante Muito provável que você não encontre ou cruze com alguém até bem perto de Novo Acordo Serão dois dias de pedal para percorrer os 170 quilômetros de distância Passe a noite perto da ponte sobre o rio Novo mas se conseguir siga um pouco mais para não deixar um trecho maior mais 100 km para o último dia até a chegada em Novo Acordo Pronto Você conseguiu fazer a volta completa do Jalapão de bike Passe a noite em algum hotel e no dia seguinte siga de ônibus para Palmas Dica Duas mudas de roupa para pedalar são suficientes faz um pouco de frio a noite por isso tenha uma outra muda de roupa mais quente Não leve nenhuma mochila nas costas no máximo o camel back use um bom par de alforjes Na bike além de luz frontal lanterna traseira ciclo computer dois suportes de caramanholas espátula bomba chaves gancheira dois raios alguns gomos a mais de corrente pneu extra quatro câmaras e mais um kit remendo leve para a manutenção um pano escova de dente e óleo de bike Kit de primeiros socorros filtro solar repelente uma boa capa de chuva e um saco de dormir não levei isolante térmico por ocupar muito espaço são imprescindíveis também Se for pedalar sozinho e por regiões desertas leve um telefone via satélite Aluguei um por um mês por R 250 Vale muito a pena pela segurança que proporciona Lembre se que você somente o usará em caso de emergência Leve comida quente de trilha sopão macarrão instantâneo queijo leite em pó etc barras energéticas salgados frutas secas castanhas No mais panela fogareiro e combustível barraca pequena cadeado de bike papel higiênico e uma pá de jardinagem para enterrar suas fezes e o papel Utilize um tappleware como prato e um copo plástico para as bebidas É importante levar pastilhas de cloro ou hidrosteril para purificar toda a água que for beber Vai nessa Para se chegar a Palmas o avião é a melhor solução devido às distâncias porém o preço da passagem é uma das mais caras A partir de São Paulo não sai por menos de R l 000 Para chegar a Ponte Alta do Tocantins a partir de Palmas o táxi cobra em torno de R 250 Para quem não tem pressa pode optar por uma van que sai todos os dias pela manhã de Palmas Plano B Para contar com um guia experiente em bike no Jalapão mande um e mail para tursimojalapao yahoo com br Sua expedição poderá contar com carro de apoio logística de hospedagem e alimentação e traslados Travessia de bike pela Serra da Capivara e Serra das Confusões PI Nível Duração 7 a 9 dias Rodrigo Telles O sul do Piauí abriga uma região que é um verdadeiro tesouro nacional Além das ricas formações geológicas e da natureza intocada e exuberante existem dois parques nacionais que possuem uma quantidade incrível de registros da nossa pré história a Serra da Capivara e a Serra das Confusões Lá são encontrados pelos pesquisadores desde ossos de dinossauros tigres dente de sabre preguiças gigantes até pinturas rupestres dos povos primitivos preservadas até hoje nos paredões de pedra A proximidade entre os dois parques dá margem para um excelente roteiro de pedalada Mas não é uma viagem nem um pouco fácil A caatinga é um ambiente cheio de adversidades o sol é escaldante a vegetação é hostil e existem os insetos Mutucas abelhas e vespas obrigam o aventureiro a estar sempre de calças e mangas compridas os repelentes não servem As estradas cheias de areão exigem muita experiência e preparo físico A Serra da Capivara possui uma boa estrutura para o visitante Dentro do parque é obrigatório o acompanhamento de um guia o que é fundamental pois as tocas onde se encontram as pinturas rupestres estão espalhadas por um emaranhado de trilhas Antes de viajar entre em contato com a Fumdham que administra o parque em parceria com o Ibama e pegue o maior número de informações possível inclusive a necessidade de autorizações Procure também se informar sobre guias que possam lhe acompanhar de bicicleta Já a Serra das Confusões não possui praticamente nenhum apoio para turistas A sua travessia é talvez uma das pedaladas mais difíceis do país 1 dia Chegando em São Raimundo Nonato vale a pena uma visita ao Museu da Fundação do Homem Americano que fica a cerca de 3 quilômetros da cidade É um museu de primeiro mundo há muito material arqueológico e muita informação Também é interessante conversar com o pessoal da Fundação do Ibama e da Central de Guias para pegar mais dicas sobre a região Para ficar mais próximo da entrada do parque ao invés de dormir na cidade o melhor é já aquecer as pernas e fazer os 28 quilômetros até o Sítio do Mocó pequeno povoado onde se encontra um camping 2 dia Deixe a carga no acampamento e leve somente o que for precisar para o dia As pedaladas serão curtas seguidas de caminhadas por trilhas estreitas que levam até os sítios arqueológicos Dentre as atrações imperdíveis estão a Gruta onde foram encontrados os ossos do Tigre Dentre de Sabre o Caldeirão dos Rodrigues com uma vista incrível do alto e a Pedra Furada imagem símbolo de toda a região 3 dia Saindo do camping agora com os alforjes na bicicleta pegue a estradinha em direção a Coronel José Dias No caminho para lá dê uma parada no Barreirinho para conhecer a fábrica de cerâmicas artesanais com motivos arqueológicos As caminhadas de hoje começam a partir da guarita de cima a mais ao norte de onde desce a estrada do desfiladeiro Alguns sítios valem a visita como a Toca do Pajaú Toca do Neguinho Só Toca do Baixão da Vaca toca do Veadinho Azul e Toca do Paraguaio A estrada sai novamente perto do Barreirinho onde você pode ficar no albergue ou então retornar para a guarita de cima e acampar por lá se tiver conseguido uma autorização antecipada 4 dia A travessia do parque de leste para oeste já é bem mais isolada Prepare se para pedalar bastante e pegar terreno mais difícil De uma guarita a outra são cerca de 35 quilômetros provavelmente sem encontrar ninguém e nem água A estrada conhecida como Estrada do Zabelê ainda dá acesso a mais dois sítios arqueológicos que ficam na trilha chamada de Baixão da Perna Já quase no final da travessia chegando à outra guarita existe o Baixão das Andorinhas formação rochosa onde se entocam na hora do pôr do sol milhares de andorinhas Menos de 25 quilômetros depois da guarita e você já está novamente em São Raimundo onde pode se despedir do guia porque daqui pra frente é por sua conta 5 dia De São Raimundo até Caracol você vai rodar por estradas típicas do sertão nordestino De vez em quando aparece um pequeno povoado para uma parada e para reabastecer os cantis Aproveite para conversar e conhecer as pessoas O povo é muito amistoso cheio de histórias e também de curiosidades uma ótima oportunidade para uma troca cultural Em caracol há opções de hospedagem bem simples Lá fica a sede do Parque da Serra das Confusões e é onde você deve procurar o máximo de informações para a próxima travessia 6 dia Aqui começa uma aventura radical A partir de agora se abasteça sempre de água para pelo menos dois dias pois você nunca sabe quando conseguirá de novo Um pouco depois de cruzar a guarita do parque você chegará ao topo da serra que oferece um visual maravilhoso de quase toda a região Agora vem um longo trecho de estrada escavada por picaretas na rocha avermelhada Um grande platô à esquerda indica o acesso para a gruta um lugar paradisíaco Para se chegar lá é necessário procurar um pouco A dica é seguir o vale com árvores O Capim é o último povoado que possui um poço por isso recarregue os cantis O próximo povoado o Barreiro não é um ponto de apoio muito seguro pois é um lugar extremamente pobre e não possui água boa Logo seguem se cerca de 20 quilômetros de um tremendo areão onde é inevitável o famoso empurra bike em grande parte dos trechos Agora provavelmente já esteja na hora de procurar um lugar para acampar Fique atento pois é muito difícil uma vez que a vegetação é muito densa 7 dia Agora a estrada melhora um pouco mas caso tenha chovido há pouco tempo você vai ter que atravessar longas piscinas A mata se fecha sobre o caminho por vezes formando um túnel de vegetação espinhosa Não é raro se deparar com uma árvore tombada impedindo a passagem O retorno à civilização acontece no povoado do Japecanga onde há água luz e telefone Siga em frente e quando alcançar o asfalto tome a esquerda para Cristino Castro Lá você vai ver tudo o que nunca imaginou no meio do sertão na caatinga água jorrando do solo a mais de 20 metros de altura Dica Não aconselho que ninguém vá para lá sem ter muita experiência com mecânica de bicicletas sobrevivência acampamento orientação além de muito preparo físico e psicológico Não existem pontos de apoio nem chance de resgate Por isso o aventureiro deve levar tudo o que possa precisar e água muita água recipientes para pelo menos 10 litros De resto traga alimentos energéticos castanhas frutas secas biscoitos e barras de cereais para vários dias barraca isolante saco de dormir kit de primeiros socorros protetor solar papel higiênico roupas resistentes calças e camisas longas

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/78-caminho-das-pedras (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    Sua busca para ILHA DO MEL 01 05 11 Caminho das Pedras Desafio Foi com essa palavra em mente que disparamos exploradores para vários cantos do Brasil Continuar lendo BRASIL ILHA DO MEL ILHA GRANDE JALAPÃO JOATINGA LENÇOIS MARANHENSES PENÍNSULA DO MARAÚ TREKKING Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session geladaça em uma das regiões mais ao norte do planeta Publicidade Fotos Existe vida em Marte Um pedal solitário

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=ILHA%20DO%20MEL (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    são fáceis de avistar Os veados campeiros também Eles ficam sempre perto da entrada para a Cachoeira do Rolinho nos campos ao lado da estrada Os tamanduás e os lobos guará são mais difíceis é preciso uma certa dose de paciência para diferenciá los no meio da vegetação do cerrado mas é provável que sejam encontrados ao longo da estrada que leva até a Casca D Anta parte alta Mas se você não quiser muito esforço o mais certo é ficar esperando na portaria de São Roque por volta das 19 horas quando alguns lobos guará vêm atrás de comida O horário de visitação do parque é das 8h às 18h e paga se uma pequena taxa de R 3 para entrar Existem quatro portarias a principal é a de São Roque que chega à parte alta do parque onde fica a nascente do São Francisco a cachoeira do Rolinho 300 metros e as primeiras quedas d água da Casca D anta cartão postal da Canastra A entrada para a parte baixa fica na cidade de Vargem Bonita Existe uma trilha que liga a parte alta à parte baixa da cachoeira A entrada via São João Batista é pouco freqüentada mas vale a pena visitar a cidade pois ela esconde cachoeiras encantadoras A entrada por Sacramento é mais utilizada por aqueles que vêm de Delfinópolis e pretendem fazer a travessia do parque de carro São 95 km de estrada de terra que atravessam o parque de Sacramento até São Roque de Minas Fique esperto pois não existe restaurante ou lanchonete dentro da área do parque De abril a outubro é a melhor época para ir à Serra O céu é sempre azul e há pouca possibilidade de chuva No verão chove praticamente todas as tardes É aconselhável se informar quanto à condição das estradas e contratar um guia local para quem não conhece as trilhas é fácil A gastronomia mineira é um capítulo à parte um festival de sabores para os corpos castigados pelas andanças Se você prefere sossego evite os feriados pois o parque costuma ficar cheio Caso não tenha outra chance a não ser nos feriados a melhor opção é conhecer os atrativos fora da área do parque que não deixam nada a dever DICAS Bike O Professor Marcos Silveira é o canal para quem quiser fazer as melhores pedaladas pela região já que conhece a Canastra como a palma da mão São mais de 15 anos de pedal pelas trilhas locais Antes de ingressar no mundo das duas rodas ele foi professor de História e Geografia e por isso conhece bem mais que só os caminhos da Canastra Silveira tem um bom faro para previsão do tempo e aponta nomes de plantas e suas aplicações medicinais com exatidão A Multibike agência de Marcos organiza pedaladas de até vários dias e pode dar ótimas dicas para quem quiser pedalar por conta 16 3913 4505 Passeio A maior e mais conhecida gruta da Canastra a gruta do Tesouro fica

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/86-canastrices (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    agosto o clima é seco e temperado Com um foco novo no ecoturismo a infra estrutura da ilha está melhorando lentamente Depois de quatro décadas livre do colonialismo francês a maior parte do tempo sob uma pobreza sub haitiana induzida pelo ditador Didier Ratsiraka o novo presidente eleito Marc Ravalomanana está trabalhando duro para triplicar as terras protegidas do país e assinou acordos que trarão aviões de carreira americanos à capital Antananarivo Acampamentos de aventura estão aparecendo por todo o país e uma nova indústria de ilhas particulares em estilo Maldivas está fl orescendo no canal de Moçambique entre a ilha e o continente Apesar de terem sido sugados pela água na queda final de 6 metros do Ikopa Ludden Sturges e Bradt sobreviveram às rápidas corredeiras batizadas por eles de Céu e Inferno Com ou sem a benção de um xamã se jogar nos rios desconhecidos da ilha não é para todos mas há muitas outras aventuras na Nova Madagascar Rafting no Matsiatra Gilles Gautier é seu homem para flutuar nos 13 rios do interior de Madagascar onde as vilas ainda estão completamente fora da civilização moderna O Matsiatra corre na direção sul da ilha margeado por mais de 160 quilômetros de savana pelo menos metade do percurso é composto de corredeiras Classe III antes de se juntar ao rio Mangoky e desaguar na costa ocidental Durante a viagem de 12 dias o menu vai de asas de morcego a foie gras Tome nota crocodilos não são tímidos Eles nadam até perto do caiaque mas voltam no último segundo diz Gautier Nós nunca tivemos um incidente Gilles cobra aproximadamente US 90 por pessoa por dia com tudo incluído Tel 011 261 20 22 351 01 Trekking no parques Após visitar as ruínas do palácio de Antananarivo siga três horas para o leste até os parques nacionais em torno do Périnet com suas nove espécies de lemur inclusive o maior o indri Em Périnet o Vakona Lodge oferece alojamentos de luxo e uma boa garrafa de Bordeaux Se você quiser ver o parque todo o arenito corroído do maciço de Isalo as corcovas das baleias que irrompem no oceano Índico na ilha de Sainte Marie e o famoso caminho de baobás em Morondava contate John Spence no Aardvark Safaris para fazer uma excursão tel 011 44 1980 849160 US 4 250 por pessoa durante 15 dias Escalando os Highlands Gautier oferece aos convidados dois acampamentos de escalada Um na ilha de Nosy Hara perto da cidade de Antsiranana ao norte da ilha com penhascos de 30 metros que se levantam da praia O outro Tsarasoa fica três horas ao sul de Fianarantsoa na base da parede de 762 metros Foi aqui que Gautier trouxe a escaladora americana Lynn Hill uma das melhores do mundo e sua equipe feminina para abrir uma rota nova em 1999 Para os não escaladores as opções de lazer são mountain bike trekking e paraglider A agência MadaMax de Gautier cobra US 50 por pessoa por

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/80-ilha-da-aventura (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    leste da África não é só uma ilha selvagem e exótica com paisagens exuberantes Continuar lendo ÁFRICA BELEZAS NATURAIS ESCALADA MADAGASCAR RAFTING TREKKING 16 09 15 Viagem O incrível malabarista da bike Este deve ser o melhor vídeo de bike trial do ano Não deixe de ver Continuar lendo BICICLETA BIKE BIKE TRIAL DADA MADAGASCAR MONISTERA ARSON Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session geladaça em uma das regiões

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=MADAGASCAR (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    de brotas Equipe brasileira de rafting Alaya Bozo D água sagra se bicampeã pan americana em Mendoza Continuar lendo ALAYA BOZO D ÁGUA MENDONZA PAN AMERICANO RAFTING 31 12 69 Notícias Ouro com pimenta Equipe ALaya Bozo Dágua de Brotas SP é campeã mundial de rafitng na Coréia Continuar lendo ALAYA BOZO DÁGUA BROTAS CORÉIA RAFTING 31 12 69 Notícias Corrida do ouro Galera brotense da Bozo D água vira

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=RAFTING (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    pelo ar reciclado seco e a pressão barométrica relativamente baixa da cabine E segundo a OMS o risco dobra quando se fica sentado e imóvel por mais de quatro horas Atletas que acabaram de participar de um grande evento uma escalada de montanha ou uma maratona por exemplo aumentam esses fatores de risco se sofreram algum trauma estiramentos escoriações ou simplesmente um desgaste acima do normal e logo em seguida embarcaram em um avião Essa é a má notícia A boa notícia é que seguir algumas precauções bem óbvias reduzem bastante o risco Em vez de se apertar em um assento de janela e se entupir de remédios para dormir e algumas taças de vinho reserve um assento do corredor e se levante para esticar as pernas a cada duas ou três horas mesmo de noite e já que está fazendo isso aproveite para cronometrar seus intervalos de sono para começar a combater os efeitos do fuso horário Se possível faça alguns agachamentos nos fundos do avião para fazer o sangue nas suas pernas fluir melhor E quanto à hidratação dá para fazer melhor que beber água pura e simples Um estudo de 2002 publicado no Periódico da Associação Americana de Medicina descobriu que bebidas com eletrólitos como o sódio e o potássio funcionavam melhor para prevenir coágulos que a água E por último invista em um par de meias de compressão como a CompressRX da Zoots US 60 zootsports com as meias devem começar a ser vendidas no Brasil em 2011 que melhoram a circulação na parte inferior das pernas no avião e ajudam a melhorar sua eficiência aeróbica durante o treinamento Os pesquisadores não têm certeza absoluta sobre que combinação de fatores acaba causando esses perigosos coágulos mas ninguém quer acabar sendo o azarado em cada seis mil

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3075-na-pressao (2015-10-13)
    Open archived version from archive