archive-br.com » BR » R » REVISTAGOOUTSIDE.COM.BR

Total: 854

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    está prestes a nadar de Cuba aos Estados Unidos Continuar lendo CUBA X EUA DIANA NYAD NATAÇÃO TRAVESSIA 25 05 11 Notícias Sucata a bordo Aventureiro inglês planeja navegar todo o rio Hudson em NY utilizando um barco feito de lixo Continuar lendo LIXO NOVA YORK PRESERVAÇÃO RIO HUDSON TRAVESSIA 16 05 11 Notícias Desafio em água doce O ultranadador esloveno Martin Strel se lança em mais uma longa travessia a nado Destino o rio Colorado nos EUA Continuar lendo MARTIN STREL NATAÇÃO RIO COLORADO TRAVESSIA 12 11 13 Notícias Rio São Paulo de bicicleta em um dia O santista Claudio Clarindo pedalou 600 quilômetros sem parar para completar um desafio inédito Continuar lendo CICLISMO DE ESTRADA CLAUDIO CLARINDO RIO SP TRAVESSIA 31 12 69 Notícias Virando picolé Lewis Gordan o maior nadador de águas geladas do mundo atravessa o ártico de sunga Continuar lendo ÁGUAS GELADAS ÁRTICO LEWIS GORDAN NATAÇÃO TRAVESSIA 31 12 69 Notícias Pedal chique Travessia Campos a Joanópolis é perfeita para quem gosta de viajar de bicicleta Continuar lendo BIKE BRASIL CAMPOS A JOANÓPOLIS TRAVESSIA VIAGEM 31 12 69 Viagem Treino puxado Izabel Pimentel está perto de completar sua solitária travessia do oceano Atlântico Continuar lendo

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=TRAVESSIA (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    estrada sentido Cambará Fortaleza indo para noroeste É um percurso leve e bem marcado Por cerca de 800 metros a vereda acompanha a margem esquerda do arroio do Segredo até o alto da cachoeira Chegando nela atravesse o riacho com cuidado por cima das pedras que são lisas e escorregadias Seguindo a mesma trilha por mais cinco minutos você estará num mirante de onde se encara a Tigre Preto uma magnífica cachoeira com três quedas que atingem mais de 400 metros de altura Mais cinco minutinhos e há o mirante da pedra do Segredo um bloco monolítico de cinco metros de altura e de aproximadamente 30 toneladas que se equilibra sobre uma pequena base de 50 centímetros Volte para Cambará do Sul e corra para dar um mergulho na cachoeira do Venâncio a 20 km da cidade Ela é formada pelas águas do rio Camisas que se afunila criando uma seqüência de quedas d água cristalinas Ali há uma piscina natural perfeita para lavar a alma Essa cachoeira tem o apelido de Mini Foz do Iguaçu por causa da semelhança na forma com as cataratas paranaenses Para completar o visual a queda é cercada por uma exuberante mata ciliar repleta de araucárias Para chegar à cachoeira do Venâncio pegue a RS 020 a partir de Cambará e percorra cerca de 8 km até o acesso para a cidade de Jaquirana A partir daí são mais 13 km até a fazenda Cachoeira O local ainda é pouco freqüentado o que o deixa mais charmoso Como a cachoeira está numa propriedade particular é permitido acampar com o pagamento de uma taxa de R 5 A visitação à queda custa R 3 GELADEIRA Uma das três quedas da cachoeira do Tigre Preto no cânion de Fortaleza o maior da região 2 dia quatro cânions e um final salgado Para realizar uma travessia de 23 km superbacana na serra Geral saia de Cambará pela mesma estrada de terra até cerca de 3 km depois da portaria do parque A trilha começa à direita da estrada sentido Cambará Fortaleza e segue em direção ao sul sempre com as bordas dos cânions do lado esquerdo Não há sinalização no início da trilha mas dá para sacar onde o terreno está mais pisado Depois de aproximadamente dez minutos você passará por uma porteira Mais dez minutos e surgirá o primeiro cânion o Corujão Comparado a seus irmãos o Corujão é menor e menos famoso mas permite avistar os lagos lá na planície litorânea Depois desse cânion a trilha sobe um morrinho e começa a beirar as bordas dos cânions Mais 40 minutos de caminhada e chega se à segunda porteira Em seguida vem um rio que precisa ser atravessado e mais adiante o cânion Leão Dali vê se no chão as perigosas turfeiras uma mistura de musgo com água parecida com uma esponja gigante Se rompida a sua camada superficial ela engole qualquer coisa como uma areia movediça É dessa forma que muitas cabeças de gado somem

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3289-A-beira-do-abismo (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    DE DENTES TORTOS que cria gado leiteiro e planta abóboras Sua mais recente plantação é a turbina de um megawatt que escalei Quando o conheci estava dirigindo um trator carregado de feno Não sou ambientalista explica batendo a cinza do seu cigarro Estacionada na rua está sua lancha Drago Fiesta então não é surpresa quando ele diz que os negócios vão bem Quase todo mundo em Samsø de um jeito ou de outro ganha dinheiro com o vento As turbinas pertencem a investidores particulares como Tranberg ao governo ou a cooperativas que compraram quotas para financiar sua construção O processo é democrático num estilo comum na Dinamarca as quotas custam 360 dólares cada Tranberg por sua vez pediu um empréstimo para comprar seu moinho de vento de 1 milhão de dólares há seis anos mas o governo garantiu um preço acima do mercado pela energia gerada E o vento que sopra por aqui quase o ano todo provou ser um amigo ainda melhor do que ele e outros moradores locais acreditaram que seria Os investidores tiveram retorno de 8 o que dá mais ou menos uns 100 mil dólares por turbina terrestre A de Tranberg já pagou seu investimento É renda o bastante para eu nunca mais ter de trabalhar mas eu gosto de trabalhar conta Além do mais acrescenta falando grosso para um cara de tamanco não dá para ficar jogando no ar toda essa merda que sai do carvão Já tem muita merda no ar O conto de fadas em que abóboras são transformadas em turbinas é muito repetido na ilha principalmente no ecomuseu da principal cidade local Tranebjerg Nele em meio a moedas vikings e bombons de chocolate em forma de batata na loja de souvenir há pôsteres explicando a história do experimento de Samsø como em 1997 o governo ecologicamente correto e a Agência de Energia Dinamarquesa lançaram um concurso para selecionar a ilha com o melhor plano para se tornar auto sustentável em energia até 2008 como Samsø ganhou e desde então investiu 70 milhões de dólares no projeto e como o dinheiro europeu ajudou a subsidiar o esforço O resultado tem sido impressionante Estima se que entre 1997 e 2005 Samsø reduziu as emissões de poluentes que contribuem para o aquecimento global como dióxido de carbono dióxido de enxofre e óxido nitroso em 142 71 e 41 respectivamente Hoje 100 dos moradores usam eletricidade ecológica e 70 das residências são aquecidas pelo vento pelo sol ou por sistemas de biomassa incluindo enormes fornalhas em localizações centrais que queimam palha A palha é considerada neutra em carbono porque é um subproduto de safras como a da alfafa que ajudam a absorver o CO2 da atmosfera da mesma maneira que as árvores fazem A palha é queimada em fornos superquentes e supereficientes Além disso as cinzas são coletadas e espalhadas nos campos para fertilizar o próximo ciclo As vacas comem a alfafa produzindo assim um leite delicioso e então a palha vai para a fornalha É uma coisa bem escandinava Estou hospedada alguns quilômetros adiante na estrada com outro criador de gado leiteiro Erik Andersen e sua esposa Lise na cidadezinha de Besser Na casa dos 60 anos vivem com o cachorro deles um border collie chamado Jacko em uma simples e bela casa de reboco Andersen que ordenhou vacas a vida inteira pegou a febre dos combustíveis renováveis depois que Samsø ganhou o concurso de energia Instalou 18 metros quadrados de painéis solares no teto de seu celeiro que fornecem toda sua energia e quase todo seu aquecimento e água quente de abril a outubro No resto do ano ele recolhe e corta a madeira que sobra em suas terras para alimentar sua fornalha de biomassa Ele também resolveu cultivar canola para fazer biodiesel em casa Depois de me servir aeblekage um bolo de maçã assado com um creme do outro mundo de tão gostoso Andersen exibe seu medidor de voltagem Gosto de ver o medidor se movendo para trás conta Ele é alto e seu cabelo grisalho exibe um corte a escovinha Todo dia ele usa macacão e botas altas e não é um homem de muitas palavras É interessante fazer sua própria energia comenta Depois ele me leva para a garagem para mostrar sua mais nova aquisição uma prensa de canola As sementes negras e amendoadas são jogadas na máquina que as espreme bem De uma saída vem uma massa cilíndrica verde e de outra um óleo amarelo Andersen dá a massa nutritiva para suas vacas para não precisar importar ração de soja Ele então filtra e derrama o óleo direto nos seus dois tratores e no seu Passat vermelho O que vamos fazer quando acabar o petróleo Você precisa se preparar diz Ao deixar de comprar petróleo que custa 6 38 dólares o galão por aqui ele sente que está satisfazendo seu lado independente Experimente pede com um sorriso maroto Ele quer que eu coma a gasolina dele Tudo bem Derramo um pouco no dedo e experimento o gosto É bom leve e sem gosto forte como azeite e salada juntos MATÉRIA PRIMA Soren Hermansen num campo de capim elefante usado como fonte de energia EU NÃO SOU A ÚNICA TURISTA DE ENERGIA EM SAMSØ Cerca de 2 mil pessoas visitam o lugar todo ano para ver as turbinas A ilha tornou se o local de treinamento de peritos da Tailândia China Europa e Estados Unidos incluindo um grupo da Universidade de Virgínia A demanda é tão grande que a Prefeitura está ajudando a construir um centro de conferências a partir de materiais bio sustentáveis e na forma de um palacete viking para acomodar os econerds que vêm aprender os segredos da ilha Na semana da minha visita também estão presentes uma delegação da Irlanda e outra da Escócia Assistimos um ex fazendeiro que plantava legumes chamado Søren Hermansen fazer uma apresentação de PowerPoint em uma velha mansão à beira mar ao som das ondas Após uma breve demonstração de um carro

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3272-poder-do-vento (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    alguns dias mapeando e comprovando uma das principais características da Boa Vista a capacidade de mudar o destino de quem cruza o seu caminho nas palavras de Ezio No ano seguinte seis exploradores retornaram à região e atestaram o feeling dos primeiros exploradores A Toca apresentava uma formação tão complexa e diferente das galerias condutos e salões já encontrados em outros sistemas subterrâneos brasileiros que seria necessário modificar as conhecidas técnicas de exploração e mapeamento para percorrê la Só até a quarta expedição batia se a marca de 16 quilômetros mapeados já fazendo da Toca a maior caverna do Brasil Mas havia ainda muita historia pra rolar A descoberta do Fim de Mundo aconteceu em 1994 depois dos exploradores já terem enfrentado os trechos batizados de Novo Mundo Terceiro Mundo e Além Mundo A cada ano os espeleólogos conseguiam mapear uma média de 10 quilômetros de galerias Para um explorador não existe nada mais excitante do que encontrar depois de um teto baixo um pó fino ofuscando a visão e um calor de amolecer a moleira vindo de um salão gigantesco E mais ainda saber que ninguém jamais no mundo pisou antes naquele solo Nesse mesmo ano o grupo Bambuí começou a investir na Toca da Barriguda uma gruta já parte mapeada pela Sociedade Excursionista e Espeleológica de Ouro Preto SEE A investida acendeu uma luz nos exploradores a Barriguda que está a poucas centenas de metros da Boa Vista tem características semelhantes às da sua irmã maior e portanto haveria grandes chances das duas se cruzarem em algum ponto Enquanto as explorações de mapeamento continuavam a todo vapor começaram também as pesquisas do pessoal da geologia biologia e paleontologia O local atraía cada vez mais estudioso de várias áreas tornando a Toca um enorme laboratório vivo Uma série de descobertas de fósseis de primatas preguiças gigantes e animais de antigas Eras colocaram a gruta num patamar de importância cientifica mundial Já a 10 expedição em 1995 bateu o recorde de 64 quilômetros mapeados e profetizou que a gruta poderia bater os 100 quilômetros de extensão uma marca que só exigia tempo e estratégia certeira de exploração para ser batida HOMENAGEM O salão do Telécio nome de um morador espeleólogo de Campo Formoso A MINHA EMPREITADA PARA CHEGAR AO PONTO MAIS DISTANTE DENTRO DA GRUTA o fim do mundo já somava cinco horas de caminhada Ou seja dez horas contando a ida e a volta Seguíamos num grupo de seis pessoas e apenas o Ezio conhecia o trajeto Havia também dois espeleólogos eslovacos que surpreendentemente só falavam eslovaco Como a expedição do ano anterior havia encontrado uma pequena fonte de água teoricamente a quantidade menor a ser carregada de água aliviaria o peso Ledo engano O peso subtraído não compensou os outros quilos de equipamentos que tivemos que transportar nem o desprazer de beber aquela água pesada típica de locais com rocha calcária Para deixar a aventura ainda mais horripilante essa parte da gruta é realmente bizarra há fendas estreitas

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3275-toca-aqui (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    ar suíço e mordomias da boa Ah não deixe de apreciar uma enorme araucária árvore típica das bandas frias do sul do país que fica bem no meio literalmente da estrada de acesso à Monte Verde Parece história de bêbado mas dá gosto ver a árvore preservada apesar do progresso automobilístico 4 Paciência pra chuchu Santo Antônio do Pinhal SP a Campos do Jordão SP Percurso total 38 km Subida acumulada 1 097 metros Desnível total 550 metros Também dá para chegar a Campos do Jordão SP partindo de Santo Antônio de Pinhal SP num percurso de 38 km pela subida da Cabana Norge que passa por detrás da Pedra do Baú O trajeto também acompanha um pedaço do ribeirão do Baú que serpenteia por um vale verde indescritível Em apenas 15 km são 800 metros de desnível com muita sombra e quase nenhum trânsito de carros Asfalto só mesmo dentro de Campos do Jordão e na rua principal de Santo Antônio do Pinhal A inclinação da subida final com 11 km de extensão sem nenhum milímetro de trégua dá a impressão inicial de que dá para subir um pouco mais rápido Não cometa esse engano Uma das principais qualidades de um bom biker escalador é a paciência DESTINO Japi 5 O rei da pedra Bairro do Portão à Pedra Grande Atibaia SP Percurso total 18 km Subida acumulada 1 147 metros Desnível total 600 metros Você pára o carro no bairro do Portão à beira da rodovia Fernão Dias que liga São Paulo a Belo Horizonte a uns 60 km da capital paulista desce rindo e se prepara para a choradeira Serão 18 km de subidas com um desnível de 600 metros 1 147 metros acumulados de subida e 70 do percurso em estrada de terra Quando alcançar o alto da Pedra Grande pode dançar e pular à vontade sem pudor ou vergonha pois você merece E saiba que a Pedra Grande um ponto concorrido dos adeptos do vôo livre parapente e escalada não vende gato por lebre é uma pedra grande mesmo Só tenha paciência com os carros no trecho final de 2 km Também não esqueça a máquina fotográfica para registrar a clássica pose como o Rei da Montanha no melhor estilo Tour de France 6 Pequena mas tinhosa Trilha da Placa na Serra do Japi Jundiaí SP Percurso total 9 km Desnível total 300 metros A Serra do Japi é aquela montanha verde do lado esquerdo da rodovia Anhangüera para quem vem da capital na altura da cidade de Jundiaí SP Reduto de mountain bikers batatudos aqueles com as batatas das pernas hipertrofiadas a subida me lembra um causo com um amigo meu nós dois olhávamos uma cobra coral e tentávamos adivinhar se ela era verdadeira ou falsa Eu comentei ela é tão pequena Ele retrucou pequena mas tinhosa A trilha da Placa é a coral dos mountain bikers são apenas 300 metros de desnível e um percurso de 9 km de subida O problema é

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3282-tour-de-brasil (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    trekkers e bikers O cartão postal da região é o monte Ruapehu um vucão ativo com cume a 2 797 metros todo coberto de gelo Já no inverno Tongariro se transforma no principal centro de esportes na neve da Ilha Norte e oferece três grandes estações de esqui Turoa Waihohonu e Wakapapa Tukino www laketauponz com Próxima parada Wellington a capital da Nova Zelândia Museus galerias e prédios históricos são as atrações mais quentes da metrópole litorânea que fica bem ao sul da Ilha Norte Saindo da parte urbana há a cadeia de montanhas Tararua que segue por 80 quilômetros em paralelo ao mar da Tasmânia e oferece inúmeros roteiros de trekking E também é de Wellington que sai a balsa que atravessa o estreito de Cook que separa as duas ilhas www wellingtonnz com Uma dica esperta para quem estiver na capital é pedalar no Makara um parque para mountain bike com 24 quilômetros de singletracks a poucos minutos do centro da cidade As pistas no meio das florestas são todas classificadas pelo grau de dificuldade o que atrai de iniciantes a experts para a região Já as outras trilhas no entorno de Wellington podem ser percorridas a pé ou a cavalo Outra boa pedida é seguir de carro até o estuário de Waikanae reserva científica onde residem mais de 60 espécies de aves nativas Para fechar a viagem pela Ilha Norte fui até a cidade de Hastings 400 quilômetros a sudeste para servir de apoio ao filho de Neil Daniel Jones de 16 anos que participou da sua primeira corrida de aventura A região agrícola de colinas verdes entrecortadas por sinuosos rios foi cenário perfeito para a disputa realizada anualmente entre jovens de até 17 anos Depois de 12 horas debaixo de frio e chuva descobri o porquê da resistência sobrenatural dos atletas kiwis A obstinação e a paixão pela vida ao ar livre são fatores educacionais de peso e de berço BONITO PACA Praia de Whakatane na baía de Ohiwa um dos principais picos de surf da Nova Zelândia AUTO PROCLAMADA A CAPITAL MUNDIAL DOS ESPORTES DE AVENTURA Queenstown na ilha sul oferece mais de 150 atividades esportivas diferentes e foi onde nasceu o famoso ioiô humano chamado bunge jumping A pequenina cidade fica na Ilha Sul ao redor do azulado lago Wakatipu com 300 metros de profundidade e aos pés da gloriosa cadeia de montanhas Remarkables A população de 20 mil pessoas convive em perfeita harmonia com vastos recursos naturais atraindo milhares de turistas por ano A comida é ótima a vida noturna agitadíssima e a rede de hotéis têm opções para todos os bolsos Confira opções em www queenstown nz co nz Em Queenstown encaramos uma adrenalizante maratona de deveres de casa Foram oito dias de quase constante sensação de estômago saltando pela boca Começamos pelo ar encarando um salto duplo de pára quedas e um vôo acrobático chamado Red Bull Actionflite Também nos jogamos do mais alto pêndulo humano do planeta o cânion Swing com 109 metros de altura e 200 metros de extensão Outra opção bacana foi o heli rafting embarcamos num helicóptero até o topo de um cânion no rio Kawaraue para depois descer as correntezas de rafting Foram cerca de seis quilômetros de águas brancas classificadas como classe III dificuldade média Ainda na água embarcamos em jetboats potentes lanchas capazes de deslizar em alta velocidade na superfície da água e desvendamos o rio Shotover Para os aficcionados por água existem opções de remo pelo gélido Wakatipu ou roteiros de canionismo vela e windsurf Para completar o pacote em Queenstown subimos uma via ferrata rota com degraus de aço de 300 metros no morro Queenstown e pedalamos cerca de 40 quilômetros ao redor do Wakatipu sob um frio de três graus Todas as atividades são oferecidas pela agência DescubraNZ operada por brasileiros www descubranz com br No inverno Queenstown se transforma num imenso playground alpino que atrai esquiadores do mundo inteiro para as estações locais A Nova Zelândia orgulha se de ter a mais longa e consistente temporada de neve do hemisfério sul Já no verão entra em cena um dos destinos alpinos mais populares da Ilha Sul o parque nacional Monte Cook ou Aoraki onde fica a montanha mais alta do país o monte Cook com 3 764 metros de altitude e mais 140 picos e 72 glaciares O parque mantém uma infra estrutura equipada com 17 huts abrigos gratuitos com camas cozinha banheiro rádio e kit de primeiros socorros Os lagos de degelo espelhados são uma atração à parte na região que oferece dezenas de rotas de caminhada Mas a maioria exige dos aventureiros experiência em montanhismo e alpinismo A dica é se hospedar na base do parque a vila Monte Cook O vilarejo está a 700 metros do nível do mar o que ocasiona um desnível de mais de 3 000 metros em relação ao monte Cook BRINQUEDINHO A pista chama Luge tem 800 metros e fica num mirante em Queenstown Aproveite um dos dias em Queenstown para conhecer a região que ficou famosa por servir de locação para as filmagens da trilogia de filmes Senhor dos Anéis o parque nacional Monte Aspiring Lá optamos por fazer um trecho da Routeburn uma das caminhadas mais famosas do país Mesmo debaixo de chuva avistamos cachoeiras cânions e árvores centenárias acarpetadas por musgos um visual surreal Foi aqui que encontramos a atleta brasileira Eleonora Audrá a Nora da equipe de corrida de aventura Atenah que está morando no país Com ela pegamos a estrada e dirigimos cerca de 300 quilômetros até Milford Sound um dos cenários alpinos mais impressionantes do planeta As montanhas fazem parte do parque nacional Fiordland ou a terra dos fiordes o maior e mais visitado do país com 1 25 milhões de hectares Depois de chegar a um cais embarcamos num pequeno cruzeiro contornando penhascos gigantes até a saída para o mar gélido Entre paredões de 2 mil metros de altitude em meio a dezenas de cachoeiras

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3284-terra-maxima (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    12 69 Viagem Ilhas do tesouro Um rolê de bike por cinco ilhas do litoral paranaense e paulista Continuar lendo BIKE DESTINO ILHAS BRASILEIRAS VIAGEM 31 12 69 Viagem Um senhor rio Uma viagem de 850 quilômetros pelo Rio Negro Continuar lendo BRASIL DESTINO RIO NEGRO VIAGEM 31 12 69 Viagem Menina dos olhos Conheça a África do Sul país mais desenvolvido e aventureiro do continente africano Continuar lendo ÁFRICA

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=DESTINO (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    suas praias 2 dia Ilha do Mel ilha das Peças ilha de Superagüi 25 km de pedal Depois do pernoite em uma das confortáveis pousadas da ilha acorde cedo para pedalar rumo à ponta do Hospital no extremo norte da ilha O objetivo é pedalar o máximo que puder pela areia já que a maré alta logo o espremerá contra a restinga do manguezal Depois de 8 km você alcançará a Fortaleza de N Sra dos Prazeres construída em 1767 para proteger Paranaguá Logo acima do Forte há uma trilha que leva até o mirante de onde avista se as outras ilhas inclusas no roteiro da expedição Depois do mirante retorne à praia de Brasília pedalando por um caminho sinuoso paralelo ao mar chamado de Trilha dos postes É bom chegar à praia até as 10 horas para pegar o barco rumo à ilha das Peças Garanta sua passagem no cais antes de começar o pedal do dia A embarcação leva turistas para avistar os botos cinza espécie que vive bem em frente ao cais A partir desta travessia você pedalará por um Patrimônio Natural da Humanidade formado pelas ilhas das Peças e de Superagüi ambas com mais de 21 mil hectares de área preservada Siga por 12 km pedalando com vento a favor entre centenas de gaivotas que sobrevoam suas cabeças No fim da praia há um canal de 150 metros do lado oposto da ilha A única forma de atravessá lo até a vila de Superagüi um bom local para o segundo pernoite é um pescador te avistar da outra margem e te dar uma carona 3 dia Ilha do Superagüi Ilha do Cardoso 48 km de pedal A diferença entre os terrenos das duas ilhas é brutal Ao contrário da ilha das Peças a areia de Superagüi é fofa o bastante para perdermos o controle da bicicleta São 4 km até um rio de mangue escuro que só pode ser atravessado na maré baixa Da outra margem são 30 km numa praia totalmente deserta em areia dura até chegar à barra do Ararapira divisa dos Estados do Paraná e São Paulo Superagüi foi declarada Parque Nacional em 1989 e faz parte do complexo estuário formado por Cananéia Iguape e Paranaguá uma das regiões mais preservadas do Estado O Parque não é aberto ao público mas seu entorno pode ser visitado em atividades de baixo impacto ambiental como trekkings e pedaladas Para atravessar a barra do Ararapira basta que um pescador lhe aviste do outro lado da margem O barco o deixará em uma cabana que serve comida caseira A partir deste ponto são só mais 14 km de pedal até o vilarejo de Marujá no Parque Estadual da Ilha do Cardoso Quase 90 dos 140 km da ilha são cobertos por Mata Atlântica costeira ainda virgem 4 dia Ilha do Cardoso Cananéia ilha Comprida São Paulo Marujá é um povoado simples e hospitaleiro Apesar de não dispor de energia elétrica a comunidade atrai uma porção cada vez

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3306-ilhas-do-tesouro (2015-10-13)
    Open archived version from archive