archive-br.com » BR » R » REVISTAGOOUTSIDE.COM.BR

Total: 854

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    31 12 69 Mapeando o paraíso Os efeitos do aquecimento global nas ilhas brasileiras Continuar lendo AQUECIMENTO GLOBAL EFEITOS ILHAS BRASILEIRAS PRESERVAÇÃO 31 12 69 Notícias Ilhas do tesouro Um rolê de bike por cinco ilhas do litoral paranaense e paulista Continuar lendo BIKE DESTINO ILHAS BRASILEIRAS VIAGEM Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session geladaça em uma das regiões mais ao norte do planeta Publicidade Fotos Existe vida

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=ILHAS%20BRASILEIRAS (2015-10-13)
    Open archived version from archive


  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    conferindo e ticando o que encontro pelo caminho Não é difícil vê los Vida farta protegida do bicho homem Mas chega de terra firme Vamos à flutuação Toma o kit diz o guia Colete salva vidas máscara snorkel e roupa de borracha Precisa Super Mas ué e as nadadeiras Sem nadadeiras Não use os pés para não turvar a água Nem toque o fundo nem em plantas e nem nos peixes Eu sabia por mais que eles insistissem em quase esbarrar em meu rosto e me desse uma vontade louca de puxar o rabo daquela piraputanga gordona indiferente à minha humana presença Oito pessoas na água mais o guia em fila indiana Lá vou eu Flutuar é preciso viver não é preciso Fernando Pessoa teria soltado esta tenho certeza se estivesse a escorrer com a correnteza rio abaixo pela linha da água Esforço zero Apenas deslizar pelo rio Sucuri água azul turquesa serpenteando pela mata fazendo nó na mente com tanta beleza Canso desviro tiro a máscara Olho para fora e flutuo as avessas Os macacos atravessam as margens sons de pássaros mata ciliar árvores frondosas Desviro olho para dentro do rio Viro olho para fora do rio E até dentro de mim o olhar se faz mais bonito Uma hora depois fim do passeio Achei que ia criar escamas virar peixe As mãos estão congelando mãos de velho Você tem razão precisava de neoprene digo para o guia Depois da água vejo um vídeo Ali no mesmo rio que flutuei em paz está na tela uma sucuri devorando um jacaré um dourado jantando uma piraputanga O homem está presente mas a natureza é selvagem O bicho é o lobo do bicho Nos dias seguintes vou a serras e cachoeiras vejo ipês floridos conheço fazendas lindas toco boi toco boiada me delicio com a culinária de fogão a lenha e a cachaça caseira Vou a mirantes faço rapel bike trilhas nado em cavernas de lago cristalino fico amigo do rei mas não adianta Aquilo não me sai da cabeça tipo canção que pega Ele só quer só pensa em flutuar Antes que o doutor me examine vou ao rio da Prata e então por quase duas horas embaixo d água curto de novo a mesma sensação Dia seguinte mais na veia desta vez o néctar a nascente do Aquário Natural a única em que é permtido mergulhar livre dos coletes salva vidas Por gentileza apaguem as luzes e me deixem aqui este é o mundo ao qual pertenço Não posso deixar estas águas Mas afinal como é que estas águas ficam assim É o calcário seu moço Qualquer menino local sabe explicar o segredo de águas tão límpidas resultado de um processo geológico de milhões de anos que ajudou a formar a Serra da Bodoquena E qualquer menino daqui sabe disso porque eles estão envolvidos até a medula com a preservação da região Em meados da década de 80 alguns fazendeiros despertaram para o bom negócio de preservar reservas naturais

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3310-mergulho-interior (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    leitora mergulhou em Bonito no Mato Grosso do Sul e dá dicas para quem quer ir para lá Continuar lendo AVENTURA DO LEITOR BELEZAS NATURAIS BONITO CAROLINA SCHRAPPE MERGULHO 31 12 69 VOCÊ PELO MUNDO Mergulho interior Um dos melhores mergulhos do Brasil fica no sertão mais precisamente em Bonito Continuar lendo BONITO BRASIL MERGULHO SERTÃO VIAGEM Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session geladaça em uma das regiões

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=BONITO (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    atadas no convés superior Ao meu lado tenho Seu Antenor Ribeiro 57 caboclo de Barcelos Do outro Geraldo Azeredo 45 comerciante de carros em São Gabriel Ao lado dele está Dona Anésia 62 senhora eloqüente filha de índia com português que vive em Santa Isabel do Rio Negro a 750 km de Manaus Conversamos todos como se há muito nos conhecêssemos e assim é nos recreios A prosa vai dos grandes incêndios aos Coronéis de Barranco senhores feudais da borracha que nos idos de 1950 ainda imperavam na calha do Negro Mas tento manter o foco Água Aqui e acolá um passageiro joga um lixo no rio um mau hábito que aqui é cultural Até sentirem as conseqüências na própria pele ou verem alguém na TV dizer que aquilo prejudica o rio em que vivem continuarão jogando A bem da verdade é muita água e pouca gente e esses lixos não chegam a fazer nem cócegas na pele escura do Negro Outro dia um analista ambiental do IBAMA confidenciou me que na beira de Manaus a água é poluída mas oito quilômetros depois já está limpa de novo EM SÃO GABRIEL O NEGRO ESTÁ SECO Pergunto a Geraldo como anda a situação por lá Olhe o prefeito muito do esperto decretou estado de calamidade Tá lá ganhando mantimento adoidado e mesmo assim o quilo da cebola chegou a R 10 outro dia Mas ainda não faltou nada diz Nem peixe insisto Peixe em São Gabriel É lenda vem tudo de Barcelos Lá no alto rio só tem pedra mesmo Pergunto ao Seu Antenor homem de excelente memória se já houve seca igual em Barcelos Rapaz todo ano o rio enche e todo ano o rio seca né Mas o senhor conhece a boca do rio Caurés ele pergunta No que respondo que sim ele continua Pois em 1964 aquela baía imensa ficou que foi só o corregozinho mesmo O chão espocou todinho com o sol queria que o senhor visse Mas aqui todo caboclo antigo conta da seca de 1925 a maior de que temos lembrança no Negro Nessa nem o fio d água ficou Junto com a seca veio o Grande Incêndio que arrasou toda a floresta do médio Negro do Jauaperi ao Jufaris Aracá Demeni Toda essa mata que o senhor tá vendo agora é crescida depois de 1925 EM CASA Seu Antenor com sua família Cinco minutos de silêncio Fico pensando não só no nevoeiro mórbido que deve ter tomado conta do rio durante as semanas que sucederam esse incêndio mas também nas últimas notícias sobre o aquecimento global e sua relação com as recentes secas da Amazônia Se procedem ou são alardes sensacionalistas ainda não sabemos O fato é que tais fenômenos sempre são classificados como os maiores dos últimos 30 ou 40 anos isso quer dizer que há 40 anos houve uma maior É preciso mais estudos e dados sobre o tema disto não resta dúvida E ouvir mais os locais sobre os fenômenos da

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3312-um-senhor-rio (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    12 69 Um senhor rio Uma viagem de 850 quilômetros pelo Rio Negro Continuar lendo BRASIL DESTINO RIO NEGRO VIAGEM Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session geladaça em uma das regiões mais ao norte do planeta Publicidade Fotos

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=RIO%20NEGRO (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    vulcão ativo mais alto do mundo e a maior montanha dos Andes chilenos com 6 893 metros Do seu cume avista se outra grande e desafiante montanha o Cerro Três Cruzes 6 749 localizado no parque nacional de mesmo nome Chegamos agora à área de transição entre o norte árido altiplano e as florestas úmidas do sul a zona central do Chile À primeira vista destacam se as terras cultiváveis com muitos vinhedos e árvores frutíferas Mas olhando para o alto encontramos o verdadeiro encanto da região uma centena de grandes montanhas O nevado Juncal 6 110 com seus quatro cumes apresenta uma das faces norte mais íngremes e carregadas de neve dos Andes Para escaladores espertos outra opção é o Tupungato 6 570 um vulcão alto afastado e com dificuldades similares ao do Aconcágua Também há vias de rocha em Cajón del Maipo las Chilcas Punta de Tralca e Cerro la Campana É também no centro litorâneo que está o parque nacional de Rapa Nui Apesar da massificação a ilha não seria famosa caso não fosse realmente bela Se você tem cacife bancário e tempo não perca esta viagem Uma opção interessante é acampar na praia de Anakena a única de areia junto com a pequenina Ovahe Em Hanga Roa há hotéis e alojamentos familiares com diárias entre R 40 e R 600 que oferecem comida e outros serviços O café da manhã sai por R 14 o almoço por R 30 e aquela marca de refrigerante a partir de R 6 Os clássicos Moais que deram prestígio mundial à ilha são estátuas monolíticas monumentais construídas pelos povos antigos Além de fazer as trilhas para conhecê las o visitante pode pedalar remar mergulhar e surfar No La Perouse encontram se bons pontos para mergulho em apnéia E por falar em surf algumas das ondas mais temidas e desafiadoras do mundo quebram nas bancadas de Rapa Nui com destaque para Mataveri Akahanga Hanga Nui Tahai Hanga Roa e Pokos Agora anote aí Vinapu O pico é hoje chamado de a onda do futuro pois é monstruosa e tão forte como Teahupo Taiti e Pipeline Havaí Ela quebra a menos de 10 metros das pedras e muitas vezes uma bancada de lava petrificada está a apenas um palmo de profundidade Acredite alguns intrépidos encaram o local O único empecilho aos visitantes é a distância de Rapa Nui Sorte da natureza Considerada a ilha mais afastada do continente no mundo 3 760 quilômetros o acesso mais fácil é voando pela Lan Chile Há duas saídas semanais a partir de Santiago R 1 400 ida e volta De barco a viagem leva seis dias a partir de Valparaíso Uma ilha mais próxima 667 quilômetros e bem bacana é a Robson Crusoe que faz parte do arquipélago Juan Fernandez uma área de preservação ambiental magnífica O nome é em homenagem ao clássico da literatura de Daniel Defoe que se inspirou na história do descobrimento do local em 1574 quando o náufrago Alejandro Selkirk se hospedou por lá Refúgio de afamados piratas no passado a ilha preserva um singular ecossistema intacto e dá para acampar de graça Existem algumas áreas com um mínimo de estrutura para barracas e os mantimentos são vendidos com preço similar ao do continente O forte lá é mergulhar ou andar e pedalar em trilhas encantadoras Para chegar na Crosue há vôos regulares pela Tairc a partir de Santiago por R 1 500 ida e volta Para completar a aventura central com chave de ouro o surfista e editor da revista Hardcore Edinho Leite dá a dica um bem bolado de surf e snowboard Entre agosto e setembro a água está mais suportável e a neve cai legal em picos de esqui e snow como no vale Nevado conta Indo a esta estação não deixe de procurar o instrutor brazuca Saulo Lyra expert das ondas e da neve Só para completar os melhores points do surf acrescente as praias do balneário de Pichilemu e a fazenda Topocalma a 40 minutos de estrada ao norte de Pichelemu com três ondas incríveis e um pôr do sol no Pacífico digno do filme Endless Summer SABE SE QUE OS MAPUCHES DERAM MUITA DOR DE CABEÇA AOS COLONIZADORES ESPANHÓIS quando estes foram para cima dos índios chilenos depois de dizimarem os astecas os maias e os incas Araucanía antiga terra dos mapuches é uma das três regiões que formam a zona Sul do Chile junto com Bío Bío e parte de Los Lagos É considerada uma das áreas mais charmosas e heterogêneas do planeta Oferece recursos naturais para se praticar desde aventuras extremas a passeios familiares São dezenas de estações de esqui e snowboard mais de 15 lagos para todas as atividades aquáticas picos e serras nevadas termas para relaxamento uma infinidade de trilhas e a impressão de que todos os vulcões do mundo se reuniram por lá para um papinho Não é a toa que a região que se estende até a Argentina é conhecida como Cordão de Fogo dos Andes ou Rota dos Vulcões www rutadelosvolcanes cl Os parques nacionais Villarica e Vicente Pérez Rosales abrigam dois cartões postais do país os vulcões Villarica 2 847 e Osorno 2652 Perca tempo também nos parques Huerquehue Puyehue e Alerce Andino que guarda árvores de três mil anos Serviços completos no site www osornochile cl No inverno dá para descer os dois vulcões citados acima de esqui ou snowboard com um surpreendente visual do lago Llanquihue o segundo maior do país Demais também é chegar na beira da cratera do Villarica e observar as explosões de magma incandescente Mas tome cuidado com o desprendimento de pedras os gases altamente tóxicos e as atividades explosivas sem prévio aviso Ao todo o Chile tem mais de quatro mil quilômetros de cordilheira o que o torna internacionalmente conhecido como um dos melhores destinos para esportes de inverno com pistas de ótima qualidade infra estrutura e belas paisagens Já Puerto Montt e Pucón são os destinos dos turistas que

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3316-bienvenido-a-chile (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    de prédios arqueológicos Os mais preguiçosos chegam a Machu Picchu de trem mas a trilha vale o suor como atesta Maurício Lino de Almeida 45 anos autoproclamado o brasileiro que mais viajou ao Peru diz A primeira vez que o geógrafo pisou em solo inca foi em 1987 como turista A 52a vez foi quase vinte anos depois já como proprietário da Pisa Trekking agência que já levou mais de três mil brasileiros para Machu Picchu Maurício dá a dica de como aproveitar ao máximo o Caminho Inca Desista de chegar a Cusco pelo Trem da Morte que vem da Bolívia Ele explica que depois de seis dias sacolejando sem parar o corpo fica detonado para ainda agüentar a trilha com prazer E se no trem você matou uma limonada para se refrescar xi possivelmente conhecerás todos os banheiros do caminho A opção menos cansativa é seguir num vôo doméstico de Lima direto a Cusco Mauricio também aconselha gastar cinco dias para completar a caminhada e não quatro como tradicionalmente A idéia é não dormir no último acampamento antes de Machu Picchu Winay Wayna e sim num outro anterior Phuypatamarca Perde se a infra estrutura básica e a balada noturna regada à cerveja mas ganha se uma exuberante vista do Salkantay o pico mais alto da reserva com 6 271 metros visão que você não teria no acampamento seguinte E de quebra você não sairá de madrugada com o povaréu que dormiu em Phuypatamarca todos de ressaca e mau humor para ver o amanhecer em Machu Picchu Esse deleite você terá no dia seguinte e antes de todo mundo afinal você já estará lá desde a tarde anterior Por falar em multidão o excesso de visitas às ruínas é eterno motivo de dor de cabeça para o INC o Instituto Nacional de Cultura do Peru que administra o patrimônio cultural do país Em 2004 quase 350 mil gringos botaram os pés na Trilha Inca além dos 115 mil peruanos Esse apinhado de gente resultou em duas medidas drásticas implantadas em 2005 só entram 500 pessoas por dia na trilha em grupos de 40 já incluídos um guia obrigatório carregador e cozinheiro Isso significa que visitar Machu Picchu virou um passeio concorridíssimo e que se você desistir da viagem seu nome vai para no fim de uma longa fila de espera E não adianta nem a sua agência tentar mexer os pauzinhos pois cerca de 50 mil brasileiros visitam o Peru anualmente para fazer turismo Se você for ao Peru com uma agência esta deve garantir o seu visto de entrada ao caminho inca Se for sozinho em Cusco há várias operadoras que oferecem o serviço Uma confiável custa entre 300 e 400 dólares já incluídos a entrada para o santuário guia carregadores equipamentos para camping e alimentação PARA ENTENDER A RIQUEZA DO IMPÉRIO INCA que tinha o Sol Inti como Deus supremo devemos olhar o passado mais ou menos na época do descobrimento do Brasil No ano de 1532 em Cusco no Peru dois irmãos guerreavam pelo trono de um império digno da palavra cerca de 15 milhões de súditos viviam em tribos super organizadas numa região que se estendia desde a Colômbia até a Argentina passando pelo Chile e Bolívia Contam os estudiosos que o Império Inca tinha tanto ouro tanto ouro que as paredes dos templos eram revestidas com o precioso metal dourado e até hoje haveria mais riquezas escondidas do que as que os espanhóis saquearam Aliás aí está a pedra nas sandálias dos incas Embora Atahualpa tenha vencido o irmão Huascar a alegria da vitória durou somente até a chegada dos hispânicos também em 1532 E se os incas acreditavam no diabo ele tinha um nome Francisco Pizarro Com uma mísera tropa inicial de 180 homens o capitão ibérico iniciou um processo que dizimou um reinado que nascera há quatro séculos Em agosto de 1533 Atahualpa foi executado ato que representou a pontinha de um novelo de lã macabro Mas viver sob a dominação inca também não era nada fácil se compararmos ao padrão atual de sociedade Num império que comandava a ferro e fogo várias etnias o Estado controlava desde o local onde cada um morava até o que eles comiam A administração era baseada na matemática que eles dominavam super bem Não conheciam a escrita a roda ou a moeda mas sabiam do valor do ouro Hoje se questiona onde estaria escondida toda essa fortuna Alguns estudiosos acreditam que no fundo do Titicaca um lago com 8 380 km2 de extensão que fica no sul do Peru divisa com a Bolívia Já rolaram algumas expedições de caça ao tesouro como a de 1967 comandada pelo famoso oceanógrafo Jacques Cousteau ou a do médico e mergulhador brasileiro Eduardo Vinhaes em 2001 Eduardo que foi médico da primeira expedição brasileira ao Everest em 1991 acompanhou um grupo de italianos espanhóis e bolivianos na Expedição Altahualpa Claro que para os desbravadores do mundo contemporâneo qualquer peça arqueológica dos incas ou dos povos anteriores é tida como tesouro Mas quem sabe um dia eles não dão de cara com alguns quilinhos de ouro Para isso os arqueológicos precisam cair nas águas do Titicaca uma tarefa nada fácil Primeiro porque mesmo com o apoio do governo a população precisa autorizar as submersões Éramos obrigados a sempre levar um local no barco conta Edu O segundo empecilho é a altitude O Titicaca é o lago mais alto do mundo ele está a 3 812 metros o que potencializa e dificulta o trabalho de descompressão após o mergulho E não é fácil repetir a aventura extrema Segundo Eduardo por causa dessas particularidades não há pacotes turísticos para mergulhar no Titicaca o que só pode ser feito com a pré autorização do governo e em caráter de expedição Para recompensar as dificuldades os Indianas Jones da Expedição Altahualpa encontraram diversas peças incas como vasos de cerâmica antigas âncoras de pedra e outros Mas o tesouro mais fascinante para Eduardo aliás descoberto por

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3331-caleidoscopio-peruano (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    só por trilha ou mar com águas claras e muito abrigada Na seqüência entrando na baía chega se até a praia Vermelha com suas casas bem mimetizadas no meio da mata Diferente de outras praias a Vermelha não possui nenhuma casa de frente para o mar devido ao cinturão de mata original que foi preservado dando um visual de praia deserta Depois deste rolê continue o roteiro com sentido à Lagoinha Você vai passar pelo Pontão da Fortaleza uma ponta de pedra muito peculiar que protege a praia do mar aberto A partir daí o mar começa a ficar mais agitado e já exige um pouco mais de atenção Com mais 20 minutos de remada você chega na praia do Cedro uma praia deserta ótima para acampar e pernoitar Essa linda praia possui enormes castanheiras e uma bica de água potável fácil de encontrar Seu Benedito único morador do local cobra uma taxa de camping para ajudar na preservação Como o camping é selvagem é bom prestar bastante atenção nas regras básicas de mínimo impacto ecológico como levar seu lixo de volta e não cortar árvores Total de horas remadas no dia 2 horas 2o dia Continue a contornar a península A próxima praia do percurso é a do Bonete uma praia grande com um pouco de tombo mas com o canto direito bem tranqüilo olhando do mar para a praia Ali não há acesso de carro e a luz elétrica só chegou há alguns anos Ao contornar a ponta fique esperto é comum avistar tartarugas marinhas que não percebem a aproximação silenciosa do caiaque e deixam você se aproximar bastante Se der sorte pode até dar de cara com golfinhos As próximas praias são o Bonetinho e a do Perez onde há restaurante e pousada Aproveite para parar lá antes de chegar a Lagoinha que é mais povoada cheia de bares e turistas Total de remada 3 horas PORTO SEGURO A praia do Cedro tranquila e deserta é o ponto ideal para acampamento TREKKING É possível fazer esse percurso a pé numa caminhada muito prazerosa coberta quase sempre pela mata atlântica A trilha começa no canto direito da praia da Fortaleza após atravessar um trecho de pedra à beira mar com escadinhas escavadas Uns 100 metros à frente a trilha segue pra direita bastante larga e marcada no meio da mata atlântica Em 20 minutos você encontrará uma bifurcação Tomando a trilha da esquerda você chega no Pontão da Fortaleza uma ponta de pedra com formações rochosas muito interessantes um novo point de escalada de São Paulo Vale a pena o desvio Volte pela mesma trilha e continue pela bifurcação da direita Após uma boa subida com o sol na cabeça a trilha mergulha na mata atlântica sem muitas subidas só uma descidona no final até a praia do Cedro O caminho é praticamente deserto Na segunda parte da praia dividida por um monte de pedras existem enormes castanheiras um convite para um descanso depois de quase uma hora

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3335-dupla-face- (2015-10-13)
    Open archived version from archive