archive-br.com » BR » R » REVISTAGOOUTSIDE.COM.BR

Total: 854

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    SNOWSKATE SPEED RIDING 31 12 69 Notícias Mar de gelo Semelhante ao kitesurfe só que na neve o snowkite começa a ganhar adeptos entre atletas Continuar lendo KITESURF NEVE SNOWKITE 31 12 69 Notícias O admirável homem das neves Andrew McLean tem a melhor cobaia para levar seus equipamentos a novas alturas ele mesmo Continuar lendo ANDREW MCLEAN EQUIPAMENTO NEVE SKI KITE 31 12 69 Notícias Vem quente que estamos

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=NEVE (2015-10-13)
    Open archived version from archive


  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    o percurso não vi um único quilômetro sequer desmatado Pelo contrário A estrada é contornada por um denso e imenso veludo verde com muitos pássaros e flores o respeito à natureza se estende também aos animais Antigamente havia um zoológico em Thimphu mas o rei mandou soltar os bichos pois o aprisionamento não é compatível com os dogmas budistas Assim que ganharam liberdade quase todos os animais desapareceram nas florestas do entorno exceto um exemplar do takin um curioso quadrúpede reconhecido como o animal nacional do Butão que ficou rondando as ruas sem saber para onde ir Conta a lenda que este estranho bicho peludo é o resultado do cruzamento da vaca com a cabra A mistura fora criada pelo lama Drukpa Kunley conhecido como Divine Mada Man para provar à população local seus poderes sobrenaturais durante uma visita no século 15 Se é verdade eu não sei mas que o animal existe existe Eu o vi com meus próprios olhos HIPNOTIZANTE O bailado durante as danças religiosas e a riqueza do colorido das roupas dos butaneses TER TEMPO PARA OS BUTANESES É ALGO PRECIOSO uma dádiva a ser cultivada Ao contrário do ritmo frenético do mundo ocidental investir tempo na prática de esportes no convívio coletivo e no vazio do descanso é digno de respeito A mente calma encontra paz mesmo diante de momentos difíceis dizia Karma Ura Foi numa segunda feira às 15 horas da tarde por exemplo que eu assisti em meio a uma platéia lotada a um jogo de arco e flecha o esporte nacional predileto dos butaneses equivalente ao nosso futebol Os arcos e as flechas são tradicionalmente feitos de bambus e os alvos estão num grande campo a uma distância de 150 metros em jogos internacionais são meros 50 metros A cada ponto marcado os jogadores comemoravam com uma dança em roda e uma cantiga O campo a céu aberto era lindo A comportada platéia composta por monges e predominantemente masculina vestia coloridos e elegantes ghos inspirando uma atmosfera medieval Fiquei horas assistindo ao jogo fascinada por ver essa antiga prática profissional nos tempos atuais O ato da contemplação tem muito a ver com o modo de vida dos butaneses Os mais de 2 mil templos e monastérios espalhados por todo o país e a onipresença de monges de quimonos vermelhos indica a importância que a religião budista exerce em quase todos os aspectos da vida deles Os templos são freqüentados diariamente a qualquer hora e a prática da meditação é uma atividade tão habitual como escovar os dentes Em todos os estados há os dzongs enormes fortalezas de arquitetura tipicamente butanesa com altas paredes brancas e telhados cor de ameixa envolvendo um complexo de pátios templos escritórios administrativos e acomodação para monges Foram construídos por volta do ano de 1600 em pontos estratégicos com o intuito de se defenderem contra ataques e invasões de outros países Imponentes são avistados de longe no alto das montanhas e das colinas Certamente são o cartão postal

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3622-a-terra-dos-contentes (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    uma paisagem tipicamente rural A subida da Serra do Pedroso de quase 7 km ininterruptos exige bom condicionamento mas não técnica já que a descida até a Igreja de Sto Expedito na Rocinha é feito por uma estrada de terra larga bem batida Em termos de esforço é muito parecido com o trecho 1 O Bairro da Rocinha fica ao lado direito da Rodovia Presidente Dutra sentido São Paulo Rio de Janeiro Seu acesso é feito pela Rodovia Paulo Virginio sentido Cunha Parati São 21 km de estrada asfaltada do centro de Guaratinguetá até o núcleo rural do bairro da Rocinha Da Rocinha até Cunha são mais 30 quilômetros Como já justifica o nome a Rocinha possui uma cultura peculiar do homem na roça unindo a tradição caipira do interior de São Paulo com a cultura mineira O núcleo possui infra estrutura básica como farmácia posto médico lanchonetes e mercearias No bairro encontramos resquícios da Revolução de 1932 nas trincheiras já esquecidas nos arredores do povoado As tradições culturais do Caipira estão presentes também na deliciosa culinária local em pratos como a galinha à caçarola além dos doces e quitudes TRECHO 4 Rocinha Cunha Distância 32 5 km Ascensão total 0 Trecho de subidas fortes e grande dificuldade técnica Não há muito o que ver nesta parte além de colinas montanhas e várias propriedades rurais Serve mais de treino para quem tiver tempo sobrando ou está fazendo o percurso o completo TRECHO 5 Cunha Campos Novos Distância 35 km Ascensão total 0 É um trecho tecnicamente fácil longo e de pouca ascensão por uma estrada de terra bem batida Campos Novos no meio da Serra da Bocaina é uma das entradas para o Parque Nacional da Bocaina com vistas panorâmicas incríveis e cachoeiras pouco conhecidas como a do Escorrega e do Cansado dentro da propriedade do guia Marcelo Gutierrez que faz a travessia do parque www trilhadoouro com br Essa região foi explorada de diversas formas durante o ciclo do ouro e diamantes no século 18 quando seus caminhos um deles a Estrada Real que ligava Diamantina MG a Parati serviram para o envio das riquezas a Portugal Algumas trilhas foram alargadas e receberam calçamento feito pelos escravos para permitir o escoamento da produção em carretões de tração animal Porém não era apenas pelas trilhas calçadas que estas riquezas passavam Muitos viajantes para fugir da tributação imposta pelo império sobre o minério extraído utilizavam se de trilhas alternativas e mais perigosas traçadas na mata virgem pelos índios Guaianás para chegar até a praia de onde escoavam a produção TRECHO 6 Trilha das Águas Distância 16 km Ascensão total 606 metros Trecho difícil curto e técnico mas também um dos mais bonitos com inúmeras atrações turísticas Este pedaço tem subidas curtas e fortes e requer um alto nível de habilidade pois o ciclista enfrentará um downhill técnico em pasto e outro marcado por uma grande erosão Vale a pena visitar as cachoeira do Pimenta e do Desterro duas quedas d água

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3602-campos-parati (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    km de pedal A partir de Subaúma todo o trajeto é feito à beira mar De lá atravessamos um rio perto do mar para pedalar na praia com um vento agradável mas contra Praticamente durante todo o ano o vento na região é nordeste Quando o vento é sul ou a favor é sinal de tempo ruim Chegamos pela praia a Baixio um pequeno e tranqüilo povoado do município de Esplanada parte integrante da área de proteção ambiental do litoral Norte da Bahia O mar é aberto e excelente para o surf Uma das pessoas mais conhecidas é o Nino ele é um dos capitães de areia da ONG Global Garbage www globalgarbage org Seu trabalho é recolher o lixo internacional que vem do mar e devolver para o país de origem No fim da tarde quando o sol estiver mais fraco vale dar um role de bike até a Lagoa Azul um dos lugares mais bonitos da região CACHOEIRA DA DONA ZILDA Fica em Imbassaí entrada pelo quilômetro 10 da Linha Verde 4 dia Baixio a Sítio do Conde 32 km de pedal O primeiro trecho do dia segue pela praia até a foz do Rio Itariri na margem desabitada Um belo manguezal acompanha o rio até a foz Com ajuda dos locais atravessamos o rio pelo melhor local para chegar à simpática vila Aproveite para dar um tempo na praia de águas rasas e tranqüilas e tomar banhos de água doce e salgada de frente para as Dunas de Tieta algumas cenas do filme Tieta foram rodadas ali De lá a 16 km de dunas fica o Sítio do Conde Para não ter que seguir pela estrada de terra e areia paralela à praia tente chegar nesta parte na hora da maré baixa Antigo vilarejo de pescadores com praias belíssimas dunas coqueirais lagoas cachoeiras e manguezais o Sítio do Conde é um verdadeiro oásis 5 dia Sítio do Conde Poças Siribinha Mangue Seco 55 km de pedal O último dia de pedal é o mais longo e uma guerra contra o relógio já que quase todo percurso tem que ser pela praia com pouco mais de 4 horas de maré baixa O primeiro trecho segue por uma bela estrada de terra ao lado da praia entre dunas e coqueirais Em pouco mais de 6 km chega se a Poças outro pequeno vilarejo que ganhou esse nome por conta das inúmeras piscinas que se formam em sua praia A partir dali siga 7 km pela extensa e calma praia até Siribinha um simpático vilarejo de apenas uma rua de areia com uma capelinha Bom Jesus dos Navegantes que dá um ar bucólico à paisagem Atrás da vila passa o rio Itapicuru que faz divisa entre as dunas brancas e o manguezal e que deve ser atravessado de barco Do outro lado mais 40 km de pedal pela praia Depois dos primeiros 14 quilômetros chega se ao povoado de Costa Azul bom local para uma pausa De lá chega se

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3604-coqueiros-ao-redor (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    básico de mergulho e três mergulhos com um tanque cada por dia smallhope com Mar Vermelho Israel O Mar Vermelho é famoso entre os mergulhadores na península Sinai do Egito um lugar conhecido pelos recifes espetaculares e guias de mergulho às vezes suspeitos em janeiro de 2007 três mergulhadores e um guia se perderam em alto mar Mas passando a fronteira de Israel ao norte há no Vermelho uma faixa de costa de 13 quilômetros quase sem correnteza que guarda alguns dos melhores mergulhos acessíveis por praia do mundo FLAT Uma faixa de 13 quilômetros de águas calmas ao norte de Israel transforma o mar Vermelho num oásis para os mergulhadores de plantão Faça um mergulho nesse pedaço do golfo de Aqaba logo ao sul dos enormes hotéis de Eilat Você poderá explorar o Satil um navio de guerra armado com mísseis das forças militares de Israel que foi afundado em 1884 especialmente para os mergulhadores três mergulhos por dia saem por R 150 dolphinreef co il Quem gosta de mergulho com snorkel pode visitar as rochas Moses Moisés e Joshua Josué duas cabeças de coral a uns 270 metros da costa De noite dá para dançar na praia do bar Dolphin Reef Para conhecer a melhor tentativa israelense de imitar Las Vegas visite o show de laser na boate Platinum em Eilat Onde ficar o hotel Dan Eilat em Eilat serve café da manhã e abundantes jantares de Shabbat às sextas Quarto de casal por US 298 danhotels com Banco Chinchorro México Em agosto passado o furacão Dean atingiu a península de Yucatán quase destruindo Mahahual a pequena vila de pescadores que serve como portal do mergulho para o banco Chinchorro um dos maiores e menos visitados atóis do Caribe A boa notícia é que o Chinchorro um recife de coral duro e colorido de 50 quilômetros de extensão não foi afetado e os operadores de mergulho de Mahahual estão voltando com tudo Em Cozumel o destino de mergulho mais procurado no México pode haver 2 mil mergulhadores por dia desdenha Marco Martin presidente do resort Dreamtime Dive Nós raramente vemos outros mergulhadores DESPOVOADO Enquanto nas águas vizinhas de Cozumel acontecem 2 mil mergulhos por dia em Chinchorro apenas os peixes acompanham os mergulhadores O recife de calcário de 7 metros de profundidade Chinchorro está coberto de esponjas orelhas de elefante que atraem camarupins dos grandes e outros peixes O recife também levou para o fundo alguns navios as partes rasas formam um verdadeiro cemitério de fragatas enferrujadas muitas das quais podem ser observadas de snorkel Quem te leva resort Dreamtime Dive cerca de US 180 por três mergulhos no Chinchorro mais US 25 de aluguel de equipamento dreamtimediving com Onde ficar em Balamku a cinco quilômetros ao sul de Mahahual um hotel na praia movido a energia eólica e solar com arquitetura inspirada nos maias O quarto número seis tem a melhor vista e o quarto de casal custa US 85 balamku com Lagoa Beqa Fiji Os surfistas

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3619-fora-do-mapa (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    tiro ao alvo e fazendo exercícios de madrugada seria perfeita para ele A altura mínima para comissões permanentes é de 157 5 centímetros Faltaram dois centímetros a Baiju Levou quase um mês mas finamente eu havia encontrado um homem honesto entre os motoristas malandros da Índia De tórax largo e barbudo Baiju é um exemplo a ser seguido Seu carro um Ambassador 2004 é limpo e mantido em um estado semelhante ao que meu avô engenheiro deixava seu Caprice Classic Baiju sabe sentir a hora de ficar em silêncio e deixar a paisagem falar por si mesma E sendo também um fotógrafo amador é esperto quanto a ângulos e luz e pontos de parada sempre que eu via uma boa oportunidade para uma foto o que acontecia o tempo todo Os Gates Ocidentais são os maiores picos da Índia ao sul do Himalaia enormes torres de pedra que se erguem a 2 440 metros o que torna as quatro horas de carro de Cochin a Munnar uma viagem espetacular As encostas mais baixas são cobertas por plantações verde fluorescentes de chá À medida que subíamos fragrâncias de canela cardamomo coentro cuminho baunilha pimenta gengibre alho e cravo da índia entrava por nossas janelas é em Kerala que cultivam a maior parte dos temperos que você usa com a fumaça de pequenos fogos de cozinha Em um mirante saímos do carro para imergir em um constante tamborilar de chuva e observamos uma promissora massa de nuvens escuras no horizonte Do outro lado do estacionamento quatro caras na casa dos 30 e tantos anos estão encostados em um SUV e passando um copo de mão em mão Olá De que país você é grita o mais amigável deles Então ele se inclina na minha direção com um sorriso doido e aparentemente com a ideia de me dar um beijo barbado na boca Viro o rosto bem a tempo de receber uma babada na bochecha e que escorregou pescoço abaixo Baiju e eu havíamos nos deparamos com a versão indiana dos viajantes de fim de semana amigos que saíam para beber nas monções Ou só beber uma desculpa para sair da cidade Nós quatro somos de Cochin um dos caras grita para mim inclinando a cabeça para pegar uma lufada de chuva morna e pondo um copo sujo na minha mão Essa é nossa viagem anual para as montanhas Nada de esposas e filhos Agora um brinde às monções Normalmente eu sou bem sociável nessas situações mas gente bêbada em uma estrada nas montanhas não deve ser encorajada principalmente quando se está bebendo um negócio chamado White Mischief que pelo que parece é uma vodca indiana bem popular Dou só um golinho por educação antes de darmos no pé dali LAMABOL Partidas de futebool na lama são comuns na Índia durante as chuvas O difícil é saber onde está a bola QUANDO A FÚRIA das monções finalmente chega a Munnar dois dias depois de nossa chegada ela é anunciada por um forte e solene vento que colide conosco com a força de uma bola de demolição Cães e gatos correm para se esconder As aves desaparecem Em segundos o ar está repleto de poeira galhos folhas sacos plásticos páginas de jornal embalagens de comida e todo tipo de lixo de rua e este lugar é especialista em lixo de rua A chuva bate como chumbinho na cobertura de barracas de feira As multidões se dispersam mil direções para mil pessoas As mulheres lutam para controlar seus sáris Homens em bicicletas e mobiletes abaixam a cabeça para suportar o ataque Em menos de meia hora as sarjetas urram como pequenos rios e bueiros entupidos cospem jorros de água suja Motivado por um editorial de jornal reclamando que os indianos hoje em dia mais provavelmente preferem ficar em casa jogando videogame do que sair para aproveitar a chuva joguei minha teoria sobre as monções no colo de um keralano mais velho Eu cresci na década de 1940 conta ele em um tom de voz meio rabugento A gente ia para a escola no meio das monções e quando a gente chegava lá nossas roupas estavam completamente encharcadas Hoje em dia as crianças só andam de carro ou ônibus Elas podem ficar sentadas durante as monções e continuarem secas Um indiano mais jovem é mais objetivo Claro você pode ter razão admite Não existem mais poesias sobre as monções Não existem mais histórias sobre as monções No dia seguinte acordamos com as galinhas e quando amanheceu Baiju e eu já estávamos na estrada Foi aí que encontramos quatro caras sete metros abaixo de uma estrada de pista dupla nas montanhas Eles tentavam empurrar uma moto Kawasaki para cima da encosta íngreme e barrenta Momentos antes um jipe fazendo uma curva às cegas pela contramão algo tão comum na Índia quanto fazer uma curva às cegas na mão certa quase causou uma colisão Eu freei de repente e minha moto escorregou de debaixo de mim contou o cara da Kawasaki ainda meio em choque Fui salvo pelos arbustos Minha moto caiu morro abaixo Kerala é conhecida na Índia pela trilha do sangue causada pelas estradas sinuosas asfalto molhado e pelo que o Departamento de Transporte chama na cara dura de motoristas ineptos Apesar de ter apenas 3 da população do país Kerala tem 10 dos acidentes de tráfego Em 2007 houve 3 778 mortes em 39 918 batidas Isso dá mais de dez mortes por dia no trânsito A Kawasaki é tão pesada que os caras lá embaixo parecem estar empurrando uma vaca ferida Finalmente aparece alguém com uma corda forte Uma ponta é amarrada na moto a outra jogada para cima pousando a um metro dos meus pés Os indianos do sul são notavelmente baixos e magros e como eu meço 1 91 metros e meu povo detonou tudo por aqui sem cerimônias duzentos anos atrás sou a escolha mais óbvia para servir de âncora para a turma da corda Com quatro caras empurrando de baixo

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3628-seque-se-quem-puder (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    esse bicho está praticamente extinto nos estados de Alagoas e Sergipe sobrevivendo apenas em alguns lugares do cerrado baiano há mais de 500 quilômetros de onde foi avistada em 1859 Passamos ainda pelas cidades de Traipú e Pão de Açúcar e pelos povoados de Ilha do Ferro e Entremontes todas elas visitadas pela comitiva real até chegar à pequena simpática e colorida cidade de Piranhas ponto final da expedição pelo rio Dali em diante a comitiva teve que seguir a cavalo até Paulo Afonso numa dura viagem cruzando a caatinga e suas plantas espinhentas Foi nesse trecho que dom Pedro demonstrou verdadeiramente seu espírito aventureiro Por dias seguidos dormindo em acampamentos improvisados na caatinga cavalgando por estradas de terra com muitas pedras comendo praticamente o mesmo que os sertanejos da região arroz feijão farinha e carne seca e tendo que beber da água que se encontrava pelo caminho muitas vezes pesada e sem qualidade dom Pedro comprovou que realmente tinha no sangue a energia de explorador Foram dias de muito calor e esforço físico até chegar às cachoeiras de Paulo Afonso onde dom Pedro II fez o seguinte relato Na distância de meia légua é que se ouviu o ruído da cachoeira Logo que me apeei comecei a vê la e só voltei para casa podendo torcer a roupa do corpo molhada por causa do exercício É belíssimo o ponto de que se descobrem sete cachoeiras que se reúnem na grande que não se pode descobrir daí e algumas grandes fervendo a água em caixão de encontro à montanha que parece querer subir por ela acima o arco íris produzido pela poeira de água completava esta cena majestosa Infelizmente nossa equipe não teve o mesmo privilegio que o imperador pois com a construção do complexo hidrelétrico de Paulo Afonso o curso do rio teve que ser desviado e as cachoeiras foram controladas Hoje o local é ponto de atração para modernos aventureiros que fazem rapel tirolesa e até bungy jump da ponte que corta a cidade Entretanto percorrer o mesmo trajeto feito 150 anos atrás foi extremamente importante para documentar as belezas e mudanças no ambiente e comprovar que aquela viagem real ao interior do sertão nordestino foi decisiva para o desenvolvimento dessa parte do país ÍNDIOS Kariri xocós em Porto Real do Colégio EXATOS 21 DIAS DEPOIS DE TER DEIXADO O CONFORTO do palácio no Rio de Janeiro o imperador tinha alcançado seu objetivo Agora restava a viagem de volta com paradas em cada um daqueles povoados ou cidades que ficavam pelo caminho Em todos eles sem exceção dom Pedro II fez questão de assistir aulas em escolas públicas e conhecer alunos e professores Era como se o atual presidente do Brasil fosse a uma escola em cada visita oficial que faz durante seu mandato Mas o imperador não se contentava apenas em visitar os colégios Ele quase sempre inquiria professores e alunos e depois fazia comentários escritos sobre o desempenho de ambos um verdadeiro relatório sobre o nível

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/3630-o-imperador-aventureiro (2015-10-13)
    Open archived version from archive

  • Go Outside.com.br - Revista Go Outside : A maior revista de esportes ao ar livre e comportamento ativo do planeta.
    2014 Tags Sua busca para D PEDRO II 31 12 69 O imperador aventureiro 150 anos depois refizemos o trajeto da viagem de D Pedro II pelo Baixo São Francisco Continuar lendo AVENTURA BELEZAS NATURAIS D PEDRO II DESTINOS SÃO FRANCISCO Publicidade Vídeos Surf na água fria Uma session geladaça em uma das regiões mais ao norte do planeta Publicidade Fotos Existe vida em Marte Um pedal solitário pelo Deserto

    Original URL path: http://revistagooutside.com.br/tag.php?tag=D.%20PEDRO%20II (2015-10-13)
    Open archived version from archive